CAF

Melles alerta sobre atraso no repasse do Funcaf

Por: Redação | Categoria: Arquivo | 31-01-2017 00:00 | 341
Parlamentar participou em Ribeir
Parlamentar participou em Ribeir Foto de

O deputado federal Carlos Melles, presidente da Frente Parlamentar Mista do Café, alertou os cafeicultores sobre os atrasos nos repasses do Funcafé (Fundo de Defesa da Economia Cafeeira). De acordo com o parlamentar há muitos anos se pergunta em assembleias e encontros de produtores em cooperativas e sindicatos rurais se alguém efetivamente recebeu recursos do fundo, e para a surpresa geral na esmagadora maioria das vezes ninguém ou uma mínima parte havia recebido.



Segundo o parlamentar, ao longo dos anos as lideranças do setor têm insistido neste tema da maior relevância para que efetivamente o Governo Federal, através do Ministério da Agricultura, como também o setor produtor de café, possa ter uma visão real da situação. “Apresentei uma proposta, em nome da Frente Parlamentar Mista do Café do Congresso Nacional, para que cada produtor envie sua necessidade de recursos junto ao Funcafé, que seja para custeio, colheita, comercialização, investimentos, entre outras modalidades”, comenta Melles.



A proposta apresentada  sobre o Funcafé,  visa dar transparência no uso deste Fundo que é do cafeicultor e atualmente tem um montante em torno de R$ 6 bilhões. “Conversei pessoalmente com o Ministro Interino da Agricultura, Eumar Novack, durante a cerimônia de lançamento do pré-custeio da safra 2017/18 em Ribeirão Preto, com a presença do presidente da República Michel Temer”, afirma.



O setor está criando um mecanismo eletrônico para que cada produtor possa acessar e informar sua necessidade.  A expectativa é de que tão logo haja este instrumento,  será dada ciência a cada produtor pelos diferentes meios de comunicação. “Estamos, na prática, seguindo o conceito que será aplicado pelo Banco do Brasil, onde o produtor terá seu pedido de crédito para o Pronaf formalizado on line. Peço a atenção dos senhores produtores, a grande maioria com característica pronafiana, para que se organizem para apresentarmos nossas demandas para recursos do Funcafé diretamente ao Ministério da Agricultura, com cópia para a Frente Parlamentar Mista do Café.



Conforme Melles esta é a oportunidade para conhecer a demanda do produtor. “Precisamos desta mobilização para fazer chegar os recursos do Funcafé para quem precisa, e não somente para alguns poucos beneficiados”, acrescenta Melles.



Ainda no final de 2016, o ministro interino da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Eumar Novacki e o presidente executivo do Conselho Nacional do Café, deputado Silas Brasileiro, estiveram reunidos para tratar das liberações de recursos do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé). Foram aprovados R$ 20 milhões do Fundo para a linha de financiamento para recuperação de cafezais danificados. Desse total, R$ 7,8 milhões foram liberados para o Bancoob, R$ 7,7 milhões para o Sicoob Central EP, R$ 3,5 milhões para o Sicoob Crediminas, R$ 600 mil para o Sicoob Coopacredi e R$ 400 mil para o Sicoob Agrocredi.



Os produtores poderão solicitar os recursos se tiverem, no mínimo, 10% da área de suas lavouras cafeeiras danificadas por chuvas de granizo, geadas, vendavais e outros fenômenos climáticos. O financiamento se destina à recuperação e replantio da área afetada, acompanhado de laudo técnico. O laudo deverá indicar a área prejudicada, a intensidade das perdas e a forma de recuperação da capacidade produtiva dos cafezais. Para o cafeicultor interessado, o limite de empréstimo é de até R$ 3 mil por hectare, com teto de R$ 400 mil por produtor, mesmo que tenha mais de uma propriedade.



 



Agronegócio 



Carlos Melles também acompanhou em Ribeirão Preto (SP), o lançamento da linha de crédito do Governo Federal para ser utilizada no pré-custeio da safra de 2017/2018. “É uma sinalização muito positiva em um momento que o agronegócio precisa investir em insumos”, comentou. O programa disponibilizará R$ 12 bilhões para a compra de insumos como adubos e defensivos. O valor é cerca de 20% maior do que o disponibilizado no ano passado. “Os recursos são um reconhecimento da importância do agronegócio para a economia brasileira”, ressaltou o parlamentar mineiro. “O campo tem sido, ao longo dos anos, a âncora da economia do país”, acrescentou.



O deputado destacou também a recuperação dos setores cafeeiro e sucroalcooleiro. “Depois de muito tempo em baixa o preço do café voltou a subir, assim como o da cana”, apontou. “A recuperação desses setores e o investimento na agricultura vão ajudar o país a sair mais rápido da recessão e retomar o rumo do crescimento”, finalizou Melles.