CAF

Arantes denuncia press

Por: Redação | Categoria: Arquivo | 22-02-2017 00:00 | 290
Foto de

O deputado Antônio Carlos Arantes (PSDB) ocupou a tribuna da Assembleia Legislativa para se manifestar veementemente contra a ideia do Brasil importar café. Arantes denunciou a existência de uma grande pressão de empresas e torrefações de Minas e do Brasil para o país promover a importação dos grãos.



Para Arantes, o Ministério da Agricultura está cedendo: “É um absurdo pensar numa possibilidade dessas. O Brasil é referência mundial na produção de café de qualidade, produzindo quase 1/3 do produto que é consumindo no planeta, e não podemos de maneira alguma nos sujeitar a isso” afirmou.



O deputado não aceita o argumento das empresas de que vai faltar café Conilon no mercado, devido a seca no Espirito Santo. De acordo com Antônio Carlos Arantes isso não procede, mas, mesmo assim, os empresários estão conseguindo demonstrar força no Ministério da Agricultura, além disso, o ministro Blairo Maggi autorizou a importação.



Antônio Carlos Arantes explica porque é contra: “Primeiro, porque duvidamos que o país não tenha estoque suficiente para garantir o consumo interno até o mês de abril, quando inicia a safra do café Conilon. Segundo, porque é uma importação caríssima, desnecessária. E terceiro, porque quando se importa grãos dessa natureza, junto vêm pragas e doenças que poderão contaminar as nossas lavouras. Os prejuízos seriam incalculáveis para a cafeicultura e um desastre para a balança comercial brasileira”, alertou.



O deputado lembrou que vários parlamentares estão se mobilizando no Congresso Nacional para barrar a importação, é o caso dos deputados federais Carlos Melles(MG) e Evair Melo (ES), e os senadores Aécio Neves MG), Antonio Anastasia (MG) e Ricardo Ferraço (ES).



 



PRODUÇÃO DE



CAFÉ NO BRASIL



O Brasil produz café há mais de 200 anos. Hoje é o maior produtor e exportador mundial, com uma safra recorde em 2016 de 51,3 milhões de sacas, equivalente a 31,35% da produção mundial. Uma produção avaliada pelo Ministério da Agricultura em R$ 22,18 bilhões.



Texto e fotos: JC Junot