REAJUSTE

C

Por: Redação | Categoria: Arquivo | 21-03-2017 00:00 | 284
Foto de

Na sessão da Câmara Municipal  de segunda-feira (20/3), iria à votação no plenário o projeto de lei do Executivo que atenderia algumas reivindicações do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de São Sebastião do Paraíso (Sempre), que foram negociadas com o prefeito Walker Américo Oliveira e a diretoria do Sempre, no início deste mês. No entanto, o presidente da Câmara, Marcelo Morais, retirou o projeto da pauta de votação alegando que haveria divergência em relação a um ponto da lei que trata sobre o índice de reajuste do vale alimentação.



Para resolver a questão, ontem (21/3) foi realizada uma nova reunião entre o presidente da Casa, vereadores e a diretoria do Sempre, para debater o assunto. A presidente do sindicado, Maria Rejane Tenório de Araújo Santos, explicou que no projeto de lei que reajusta o auxílio alimentação, que seria em um valor de R$ 151,38, deveria ser de acordo com Índice de Preços ao Consumidor (IPC/FIPE), sendo observado a questão anual, que ficou prejudicada com a mudança da data-base dos servidores.



“Para que sejam seguidos todos os trâmites, e não haja prejuízo aos servidores, esse valor será convertido em um valor fixo de R$159,61. Será apenas feito um cálculo em cima do valor que já existe. Não haverá prejuízo para o Executivo também. Ao invés de ser o percentual proposto pela Prefeitura, os vereadores, por meio de emenda, colocarão um valor fixo para o auxílio-alimentação, para que não haja questionamentos futuros em relação ao período do ano que não completou os 12 meses que a lei pedia”, completa Maria Rejane.



Além do vale alimentação, o projeto propõe reajuste salarial de 5% para os servidores, valor que ficou decido em reunião entre o prefeito Walkinho e a diretoria do Sempre. O índice reivindicado pelo sindicato e aprovado na pauta em assembleia com os servidores inicialmente era de 6,48%, mais o ganho real de 8%.



O prefeito, inicialmente, ofereceu 4,66%, e recebeu a contraproposta da presidente do Sempre, para que se chegasse a um reajuste de 5%.