IMPACTO

Relatório mostra “impacto” da linha de transmissão em Paraíso e região

Por: Roberto Nogueira | Categoria: Cidades | 05-07-2017 21:07 | 2354
Torres da linha de transmissão estão sendo instaladas nas cidades da região em São Paulo e Minas
Torres da linha de transmissão estão sendo instaladas nas cidades da região em São Paulo e Minas Foto: Reprodução

A Cantareira Energia empresa responsável pela implantação da linha de transmissão Estreito/Fernão Dias através de um trabalho realizado por técnicos do grupo Ecology Brasil apresentou o RIMA (Relatório de Impacto Ambiental) que o empreendimento ocasionará em São Sebastião do Paraíso e na região. O documento mostra os resultados do EIA (Estudo de Impacto Ambiental) que foi desenvolvido para atender ao processo de licenciamento ambiental federal junto ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis.
O documento a qual o Jornal do Sudoeste teve acesso apresenta uma descrição das principais características do empreendimento, sua importância para a região e para todo o País, além das atividades a serem realizadas nas etapas de planejamento implantação e operação. Também evidencia as características ambientais locais, que serviram de base para avaliar quais impactos poderão ocorrer no ambiente com a instalação e operação do empreendimento.
A partir da análise de impactos foi proposto um conjunto de medidas, consolidadas nos programas ambientais, a fim de reduzir possíveis efeitos indesejáveis da instalação do empreendimento e potencializar os efeitos positivos da Linha de Transmissão 500 kV Estreito – Fernão Dias e Subestações Associadas. Para o componente biótico a análise de ecologia da paisagem serviu para indicar os potenciais corredores para a fauna e fragmentos florestais importantes para a preservação e recuperação dos biomas, principalmente a Mata Atlântica.
No âmbito do processo de licenciamento ambiental da Linha de Transmissão de Energia Elétrica 500 kV Estreito – Fernão Dias e Subestações Associadas, foi realizada uma campanha de comunicação para repassar informações ao público de interesse do empreendimento sobre a presença de técnicos e consultores na região, sobre as áreas onde os Estudos ocorreram e as etapas de realização dos mesmos. As ações de comunicação foram realizadas em todos os 29 municípios pertencentes às áreas de estudo, sendo 18 no Estado de São Paulo e 11 em Minas Gerais, e foram realizadas mais de 140 visitas a associações de moradores, igrejas, bares, mercearias e outros pontos de convergência social, além de 210 visitas a órgãos públicos nesse período.
A comunicação contou com material específico, que continha informações sobre o empreendimento, o número de ouvidoria e endereço de e-mail para esclarecimento de dúvidas da população local. Foi realizada, também, uma capacitação dos profissionais envolvidos na elaboração dos estudos ambientais e técnicos, em momento anterior às atividades de campo, com o objetivo de alinhar as informações sobre o empreendimento, as fases de licenciamento, a mensagem a ser utilizada e os cuidados necessários para não gerar expectativas na população.
Para definir o traçado de uma Linha de Transmissão, são realizados estudos que visam analisar alternativas economicamente viáveis, até chegar à rota mais atrativa, que possua menor extensão e menor intervenção sobre a área atravessada. Esses estudos levaram em consideração os diversos tipos de terreno e as particularidades ambientais e humanas para a travessia de uma Linha de Transmissão, além de avaliar a localização das estruturas necessárias à sustentação dos cabos energizados, de forma a atender a critérios de segurança elétrica e do terreno. O resultado do estudo do traçado de uma Linha de Transmissão representa um equilíbrio entre as intervenções na sociedade e no ambiente e os critérios técnicos e de segurança para transmissão de energia.




OBRAS AVANÇAM PARA A FASE FINAL
A Linha de Transmissão 500 kV Estreito – Fernão Dias é um sistema de transmissão de energia elétrica com 500 kV de tensão. Com previsão de inauguração entre março e maio de 2018, ela interligará a Subestação de Estreito, já construída, e a Subestação de Fernão Dias, em processo de licenciamento pela Mata de Santa Genebra S.A. Estão previstas, ainda, obras de ampliação destas subestações para atender a Linha de Transmissão 500 kV Estreito – Fernão Dias.
A Linha de Transmissão 500 kV Estreito – Fernão Dias terá 328 km de extensão, considerando a sua concepção atual e atravessará 11 municípios no estado de Minas Gerais e 18 municípios no estado de São Paulo, desde Estreito (Ibiraci – MG) até Fernão Dias (Atibaia – SP).Na região a linha cortará 28 quilômetros de extensão do município de Ibiraci, 700 metros em Clara-val; 4,4 quilômetros em Franca e depois 6 quilômetros; em Patrocínio Paulista e 12,3 quilômetros em Itirapuã. Adentrando em Minas Gerais, serão 15,9; quilômetros em São Tomás de Aquino; 18,1 quilômetros, em São Sebastião do Paraíso; 14,8; em Itamogi, 17,1; quilômetros em Monte Santo de Minas, além de 16,4 quilômetros; em Arceburgo, onde novamente retorna ao Estado de São Paulo.
Em seguida serão percorridos mais 193 quilômetros de extensão passando por Mococa, São José do Rio Pardo, Divinolândia, São Sebastião da Grama, Vargem Grande do Sul, São João da Boa Vista, Andradas (MG) Santo Antônio do Jardim, Albertina (MG), Jacutinga (MG), Monte Sião (MG), Lindóia, Serra Negra, Monte Alegre do Sul, Pinhalzinho, Tuiuti, Bragança Paulista até chegar em Atibaia.
A linha será constituída de circuito duplo de 500 kV e tensão máxima de operação de 550 kV. Serão utilizados cabos condutores e, para a proteção das estruturas energizadas, serão instalados cabos para-raios. A sustentação dos cabos condutores e cabos para-raios será feita por aproximadamente 720 torres distribuídas ao longo do traçado, com distância média de 450m entre elas. Estima-se que 42% das estruturas serão do tipo estaiada e 58% autoportante.
A escolha de cada tipo de torre deverá ser em função do tipo de solo, do relevo, da vegetação, assim como das condições de acesso ao local de fundação. A altura mínima e máxima das torres variam de 16,5 a 49,5 metros para as estruturas autoportantes e 34,5 a 49,5 metros para as estruturas estaiadas. Para os cabos condutores, a altura mínima em relação ao solo será de 13 metros e em relação à vegetação será de 7 metros.
Em Paraíso está localizado um canteiro central entre os 10 que foram montados em toda extensão do empreendimento. Os acessos aos locais de implantação das linhas normalmente utilizados são ruas, estradas, vias e rodovias já existentes (federais, estaduais ou municipais). Somente quando necessário são abertos novos acessos que garantam a passagem de veículos e profissionais envolvidos na construção até o local onde serão levantadas as torres da linha de transmissão.
A construção do empreendimento envolve atividades que exigem intervenções nas áreas atravessadas, durante um período previsto de 20 meses de obra. Estima-se que serão contratados, aproximadamente 592 trabalhadores para atuarem na obra, sendo 40% de mão de obra especializada e 60% de mão de obra não especializada. Além das obras principais de instalação e manutenção das torres, também serão executadas obras de infraestrutura e apoio, que consistem na melhoria dos acessos e da construção da própria linha de transmissão, ampliação das subestações e na instalação dos canteiros de obras.