12 ANOS

Durante o dia foi promovido um trabalho de conscientização e orientação

Por: Roberto Nogueira | Categoria: Justiça | 08-08-2018 09:51 | 116
Durante o dia foi promovido um trabalho de conscientização e orientação
Durante o dia foi promovido um trabalho de conscientização e orientação Foto de Roberto Nogueira

Para comemorar os 12 anos de existência da Lei Maria da Penha, o Conselho Municipal dos Direitos da Mulher em parceria com vários órgãos, realizou uma programação especial na Praça Comendador José Honório. Durante a manhã de sábado (4/8), ocorreram diversas atividades voltadas para a conscientização, formação, orientação e suporte às mulheres com vários atendimentos. A iniciativa tem a participação efetiva da Associação Ajuda Mulher, da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, da OAB Mulher e do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas).

As atividades na praça central começaram por volta das 9h com apresentação de aula de dança com o professor Eduardo Viana. "A nossa avaliação é positiva, as mulheres compareceram em bom número e estão em busca das informações que temos a oferecer não só aqui hoje, mas também nos outros dias onde podemos atender", comenta Luciana de Souza Rocha Pereira, a vice-presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher. O tempo frio e com ameaça de chuva atrapalhou um pouco o comparecimento do público, mas não foi suficiente para inviabilizar o evento. "Tivemos uma boa presença que correspondeu a nossa expectativa, porque trabalhamos com prevenção o ano todo", acrescenta.

Luciana ressalta que todo o trabalho realizado tem efeito positivo, principalmente quando o objetivo principal é de ocasionar maior conscientização das mulheres em relação aos seus direitos. "Todas estão passando aqui pelas orientações, temos vários serviços sendo oferecidos com os órgãos parceiros e tudo isso é muito importante, gera conhecimento e encorajamento caso alguém esteja passando por alguma dificuldade ou necessidade de buscar ajuda", avalia. Ela destaca que estes 12 anos da Lei Maria da Penha "significa um grande avanço para todas as mulheres", opina.

Para a presidente da Associação Ajuda Mulher, Cristiane Bindewald o trabalho em conjunto dos órgãos de defesa da mulher em Paraíso é um diferencial. "É muito importante este trabalho em rede, temos vários órgãos atuando e formando esta rede de enfrentamento, é assim que as pessoas passam a entender melhor e é desta forma que o cumprimento da Lei Maria da Penha passa a ter maior efetividade", avalia. Por este tipo de organização e disponibilização de todos os serviços é que Cristiane aponta o município como protagonista neste contexto. "Paraíso está bem avançado, porque tem a sua rede de enfrentamento que tem atuado e muito bem oferecendo um atendimento às mulheres que não existe em outros lugares", conclui.

Conforme informações da Delegacia de Atendimento à Mulher, em São Sebastião do Paraíso, em 2017, foram instaurados 202 inquéritos para apuração de denúncias de violência doméstica. Neste ano até julho já existem 159 inquéritos abertos. No ano passado foram adotadas 33 medidas e agora em 2018 até julho já foram desenvolvidas 29 ações neste sentido. De acordo com Cristiane o aumento das ocorrências deve ser atribuído à maior conscientização das mulheres. "Todo este trabalho que vem sendo realizado há algum tempo reflete nesta situação de conhecimento dos direitos, no encorajamento para denunciar e ao mesmo tempo na busca de saídas para estas situações de opressão que ainda são vividas por muitas mulheres", completa.

Durante o evento na Praça da Matriz foram ofertados vários serviços como testagem rápida para Hepatites Vitais, com a equipe da Infectologia; orientação sobre aleitamento materno, pela equipe da Unidade de Saúde da Família (USF); prevenção de câncer de mama e orientação sobre o autoexame da mama dentro do programa Saúde da Mulher.

Ainda houve distribuição de brindes e foram distribuídos panfletos e fornecidas dicas jurídicas sobre violência doméstica, Lei Maria da Penha e onde buscar ajuda.

Todas as ações foram distribuídas entre integrantes do Parlamento Jovem, OAB Mulher, Associação Ajuda Mulher, CREAS e apoio da Guarda Municipal e da Polícia Militar.

MARIA DA PENHA
A Lei 11.340/06 marcou uma nova era de proteção à mulher com a criação de juizados especiais, aplicação de medidas protetivas, centros de referência e uma mudança de mentalidade cultural em relação ao machismo e suas nuances mais diretas como assédio, violência doméstica e sexual e cultura do estupro.

Sancionada em 7 de agosto de 2006, a Lei Maria da Penha visa proteger a mulher da violência doméstica e familiar. A lei ganhou este nome devido à luta da farmacêutica, Maria da Penha para ver seu agressor responsabilizado por seus atos. Ela ampara todas as pessoas que se identificam com o sexo feminino, heterossexuais e homossexuais, ou seja, as mulheres transexuais também estão incluídas.

Paraíso realizará o 1º Empodera Mulher
No próximo sábado, 11, em continuidade aos eventos será realizado o 1º Empodera Mulher. Trata-se de um encontro regional de mulheres de São Sebastião do Paraíso, que acontecerá no Rotary Club, localizado a avenida Zezé Amaral,444, no período de 8 às 17 horas. Durante o dia acontecerão seis palestras que abordarão temas diversos.

Paralelamente haverá mesa de debates com abordagem sobre a participação da mulher na política. Para este momento foram convidadas mulheres com a presença de representantes com mandato regional e estadual.

Entre os temas a serem abordados estão assuntos como "Empoderamento e Desafios da Mulher no Mundo do Trabalho", com a juíza do Trabalho em São Paulo, Mylene Pereira Ramos Seidl; Afinal, o que é violência obstétrica?, assunto que será tratado pela socióloga e educadora, além de pesquisadora de relações raciais, Daniela Rosa. Ela também é ativista do movimento negra e pela humanização. A presidente da Associação Ajuda Mulher, Cristiane Maria Bindewald, vai abordar o assunto relacionado a "Atuação regionalizada em rede como instrumento no enfrentamento à violência contra a mulher".

No período da tarde haverá palestra com Lizandra Magon de Almeida, que é editora, jornalista, tradutora e escritora, além de fundadora da Pólen Editorial. Ela abordará o tema "Por que precisamos do feminismo". Na sequência haverá a abordagem sobre "O protagonismo da mulher no mercado de trabalho e a violência doméstica", com Francisca Maria da Silva (Xica da Silva), que é militante na defesa dos direitos da mulher, conferencista no Brasil e no México. No encerramento, Tainara Cândida, falará sobre "Dança circular e conexão interior". Ela é Terapeuta Holística educadora popular e integrante da Coordenação do Coletivo Soul Mulher

No local haverá um Espaço Kids com atividades lúdicas para crianças e adolescentes; canto da beleza com atividades de maquia-gem, manicure e cabeleireira, almoço de confraternização, banca de orientações sobre direitos e saúde da mulher, além de sorteio de prêmios. 

Uma aula de dança promoveu movimento e descontração às mulheres
	 Entre os serviços oferecidos teve atendimento e prevenção a saúde
Evento promoveu sorteio de brindes para mulheres