Vinda da PUC ainda sem data definida

Por: Redação | Categoria: Arquivo | 06-10-2002 00:00 | 413
Foto:

A vinda da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais -PUC-MG, para São Sebastião do Paraíso, ainda não tem uma data definida.
De acordo com o secretário municipal de Educação e Cultura, Mauro Lúcio da Cunha Zanin, "a vinda da Universidade é garantida", diz, comentando que a Prefeitura tem um convênio firmado com aquela instituição. 
Nele, o município deve garantir o primeiro prédio para implantação do curso inicial. "É nesse sentido que estamos trabalhando agora", fala, comentando que, para a instalação, a faculdade precisa da aprovação do Ministério da Educação e Cultura -MEC. "Precisa ser provado que existe uma estrutura para atender os alunos", diz.
Conforme explica, para isso, seria necessário que as salas já estivessem prontas, biblioteca e laboratórios de informática. "Enfim, tudo que for necessário para funcionar dentro do padrão que o MEC exige", diz, salientando que se for desocupado um espaço como o que hoje a Faculdade de Direito -UNIFE-NAS vem usando, conforme diz, de maneira não eficiente, já poderia ser implantada a PUC ainda este ano.
ESPAÇOS
A hipótese de usar o prédio do Instituto Monsenhor Felipe que é alugado, segundo o secretário, não está descartada mas tem algumas pendências. "A maior delas é a existência de um estabelecimento comercial no prédio".
Segundo diz, a PUC precisa de oito salas de aula, dois laboratórios de informática, uma biblioteca, além do espaço administrativo e um anfiteatro. "Foi feito um estudo de adaptação e foi concluído que é necessário também o espaço físico onde está instalada uma loja de tintas".
Sobre a possibilidade da PUC ser instalada no prédio que hoje funciona a Faculdade de Direito -UNIFENAS, Zanin diz que não é descartada. "Não tem nada certo ainda, mas temos que garantir um espaço para a PUC". O que não podemos descartar seria a hipótese de implantação em um prédio que a municipalidade talvez já tenha e que não é bem utilizado. "Por isso, a Prefeitura solicitou que a UNIFENAS devolvesse as instalações que são públicas, que eles não vêm utilizando conforme foi abordado há um tempo atrás".
A respeito da UNIFENAS, Mauro diz que há nove anos, quando o espaço foi cedido para implantação do curso de Direito, teve alguns compromissos que não foram cumpridos. "Ela deveria ter vestibular contínuo e abrir espaço para mais três cursos, e não um apenas, tem um prédio daquele tamanho para pouco mais de 30 alunos". O secretário opina não ser justo a prefeitura pagar aluguel para emprestar um espaço, que conforme ele, não é bem utilizado.
CONSTRUÇÃO DO CAMPUS
Conforme diz Mauro Zanin, a segunda área para a construção do campus seria a região chamada de "Novo Paraíso", ao lado da avenida Zezé Amaral. "Já estão resguardados 17 hectares para implantação do campus, só que para isso depende abrir as condições de urbanização daquela parte".
BENEFÍCIOS
O secretário diz que há tanto empenho na vinda da PUC citando como exemplo que "em Arcos, instalada há dois anos já conta com 1.800 alunos", explicando que para cada aluno a cidade ganha muito, como com os setores de alimentação e moradia. 
Ele acredita que além de trazer para o paraisense condições de estudo sem necessidade de deslocamento, ainda tem todo esse fator de geração de renda. "Isso movimenta a economia do município. Ao invés de exportar, vamos importar alunos da região".