ENTRETANTO

Entretanto

Por: Renato Zupo | Categoria: Justiça | 15-08-2018 16:05 | 118
Foto de Reprodução

OS PRESIDENCIÁVEIS
Não sabemos quem vai ganhar as eleições e eu, por questão ética e jurídica, não posso torcer ou manifestar publicamente minha intenção de voto. Mas podemos falar dos prós e contras de cada um dos candidatos, não é mesmo? Então vamos lá. Vamos ignorar os nanicos, inclusive o Eymael – que torra dinheiro pela quarta vez consecutiva concorrendo ao Planalto e deve ser doido, e o João Goulart Filho – como se fosse vantagem ser filho do Jango... Vamos àqueles que democraticamente têm condições de alcançar ao menos 10 por cento do eleitorado brasileiro. Vamos lá.

JAIR BOLSONARO
O conheci pessoalmente e é um parlamentar técnico com larga experiência de vinte anos como congressista. Quando não está falando de homossexuais, negros e feministas, demonstra ter grandes ideias para o Brasil. O problema é que não consegue sair dessas polêmicas... Bolsonaro deve evitar armadilhas ideológicas montadas por esquerdistas caviar e jornalistas interessados em esquentar notícia, sair ao largo dessas discussões sem fim e se concentrar em sua campanha e plataforma de governo. Estava forte, mas sua dificuldade em conseguir um candidato à vice demonstra que vai ficar isolado na corrida eleitoral.

ÁLVARO DIAS
Com aquela pinta de diplomata do Itamaraty não conquista o eleitorado nordestino, que quer votar em gente com cara de pobre ou que pertença a alguma minoria étnica ou de gênero. Pode ser um sujeito correto, mas isso é muito pouco para endireitar o Brasil. Evita polêmicas, e não faz inimigos, o que é bom e é ruim: não é criticado, mas tem que aprender que passarinho que fica em cima do muro toma pedrada dos dois lados.

MARINA SILVA
O perfil oposto ao de Álvaro Dias: parece pobre demais. Como todo candidato de esquerda, Marina é gente boa, interessada em melhorar o país, e você até a chamaria para um churrasco na sua casa. Mas basta imaginá-la como presidente, com aquele figurino da Chiquinha do Chaves, falando para a nação como quem conversa com seringueiros e ambientalistas, que logo se nota que não emplaca nem para governadora de seu diminuto estado, o Acre.

GERALDO ALCKMIN
O PSDB saiu bastante debilitado dos escândalos da Lava Jato, depois do caso JBF, e isso chamusca o nosso picolé de chuchu, Geraldo Alckmin. Mas convenhamos: foi um governador acima do razoável em São Paulo e não parece ter esqueletos escondidos no armário. Possui  forte rejeição no próprio estado, porém, principalmente da esquerda petista do ABC, gente que votaria no capeta, ou no Bolsonaro, mas não votaria nele.

CIRO GOMES
Esse candidato calado é um poeta. Basta abrir a boca e vai fazendo inimigos a torto e a direito. Conseguiu separar-se de Patrícia Pillar, o que conta pontos negativos no currículo desse cearense que nasceu em São Paulo, fez doutorado em Harvard e é professor universitário. No entanto, conversa como um estivador de ressaca e não traz para a vida pública nada do que aprendeu. Vê-lo falando de macroe-conomia lembra uma dona de casa reclamando do preço do tomate. Não passará.

LULA
Nosso ex-presidente está preso e inelegível. Votar nele vai ser como tentar eleger um fantasma e seria ridículo permitir sua candidatura. Imaginem a justiça eleitoral ter que liberá-lo para a campanha toda manhã e recolhê-lo ao cárcere de tarde. E, se eleito, vai governar da cadeia. Lula não é um preso político. É um político preso. E nem solto ganharia – sua rejeição é altíssima.

MINHA OPINIÃO
Sem partidarismos, sem revelar voto, cientificamente falando, levando em conta algoritmos sociais e econômicos (falei difícil, hein?), acredito que Alckmin e Bolsonaro vão para o segundo turno. Quem ganha vai depender dos marqueteiros e da habilidade de um ou outro. Não teremos um novo presidente de esquerda tão cedo.

O DITO PELO NÃO DITO.
“Lula não é preso político. É político preso”. (Renato Zupo).

RENATO ZUPO, Magistrado, Escritor.