TERRANOSTRA

Danesi

Por: Manolo D´Aiuto | Categoria: Entretenimento | 01-10-2018 09:12 | 204
Foto de Reprodução

Continuamos nossa jornada pela Itália e chegamos a Brescia, local de origem do sobrenome dinamarquês - Danesi. 

Brescia certamente não é famosa por ser um destino para o turismo de massa, mas ainda revela pérolas extraordinárias a serem descobertas. 

 É o segundo maior município da região em população, depois de Milão. 

Cidade antiga cujas origens remontam a mais de 3200 anos, Brescia possui um notável patrimônio artístico e arquitetônico: os seus monumentos da época romana foram declarados pela UNESCO patrimônio da Humanidade. 

Brescia é um dos principais centros econômicos e produtivos e é conhecida pela famosa corrida de carros antigos Mille Miglia e pela produção de vinhos Franciacorta. 

A cidade de Brescia é apelidada de “Leonessa d’Italia” pelos dez dias de resistência aos austríacos durante o Renascimento italiano (de 23 de março a 1 de abril de 1849). 

Como dito à cidade é o apelido “Leonessa d’Italia” por Aleardo Aleardi, em seu Canti Patrii. A fortuna da imprensa deveu-se a Gio-suè Carducci e teria prestado homenagem a Brescia pela preciosa resistência aos austríacos ocupac-onais durante os dez dias de insurreição, na ordem Alla Vittoria. Entre as ruínas do templo de Vespasiano em Brescia, contido no bárbaro Odes. 

Brescia é uma cidade constantemente em desenvolvimento, cerca de três mil anos, caracterizado pela interação entre diferentes estilos arquitetônicos ao longo dos tempos, de modo que o crítico de arte conhecida Philippe Daverio disse em Brescia é “a história camadas mais poderoso histórico do norte da Itália “. 

O notável patrimônio artístico e o importante patrimônio arqueológico que compõem o seu centro histórico são compostos por diferentes monumentos, que vão do antigo ao contemporâneo, alguns dos quais são de importância mundial. 

A área monumental do Fórum Romano é composto dos seguintes monumentos: o santuário republicano construído no século 1 aC,  A capital, construída em 73 dC, era o templo onde a tríade do Capitólio (Júpiter, Juno e Minerva) era venerada; o mosteiro Lombard de San Salvatore-Santa Giulia contém cerca de 11.000 obras de arte e achados arqueológicos. 

A economia da província e da cidade é dividida entre indústria, comércio, artesanato, serviços, agricultura e turismo. 

Como grande parte da economia do norte da Itália, o complexo de Brescia consiste principalmente de pequenas e médias empresas, com a presença de grandes indústrias, que vão desde a indústria alimentícia até o setor de engenharia. 

A viticultura é considerada o setor agrícola mais importante do sistema agroalimentar de Brescia. O território municipal de Brescia faz parte da área de produção de vários vinhos: um tipo com denominação de origem controlada e garantida, nomeadamente Franciacorta, três vinhos DOC (Botticino, Cellatica e Curtefranca) e um vinho IGT (Ronchi di Brescia). 

Também importante é a produção de meios de transporte onde tem sede da Iveco. Acrescenta-se também a produção de armas, entre as quais a Beretta e Tanfoglio de Gardone Val Trompia e Perazzi Botticino. 

Do ponto de vista gas-tronômico citamos: caso-nsèi, prato típico da cozinha Brescia, que recebe influências das áreas vizinhas: se trata de grandes ravioli, de massas caseiras, com recheio à base de ovo, queijo duro ou queijo ricota (puina), espinafre ou carne, temperada com bastante manteiga derretida. 

A polenta é a rainha da região porém o grão é estraída a polenta escura no final do preparo adicionado queijos frescos (tais como Gorgonzola, Robiola, montanha stracchini) e manteiga derretida. 

 

Então, se você estiver indo a Milão, planeje uma viagem para esta cidade antiga com experimente suas maravilhas.

 

Arrivederci amici miei !!!