ELY VIEITEZ LISBOA

A grande Raquel Naveira

Por: Ely VIeitez Lisboa | Categoria: Cultura | 06-10-2018 10:08 | 126
Foto de Reprodução

Raquel Naveira é um fenômeno na literatura. Ela consegue ser grande nos gêneros do romance e da poesia. Mas é também, sem dúvida, a maior cronista brasileira atual. Várias características comprovam esta asserti-va. Suas crônicas têm uma riqueza ímpar. Talvez por ser uma romancista notável, uma poetisa excelsa e ter uma vasta cultura, suas crônicas são aulas preciosas. Sem perder a leveza do gênero, ela nos passa conhecimentos de Literatura, História, Arte, Mitologia e conhece a Bíblia como uma hermeneuta.

Autora premiada, dia 29 de outubro próximo, vai receber mais um laurel: o Prêmio "Alejandro Cabassa", primeiro lugar na categoria "Crônica", concedido pela União Brasileira dos Escritores / Seção Rio de Janeiro, pelo seu livro "O Avião Invisível", da Editora Íbis Libris.

Em 2018, Raquel lançou duas obras notáveis, ambas pela Editora Penalux: Mar de Rosas, crônicas, prefaciado por Alexandra Vieira de Almeida, escritora, Doutora em Literatura Comparada, pela UERJ e Menina dos Olhos, poemas, livro notável que tive a honra de fazer a Apresentação. No prefácio de Mar de Rosas, Doutora Alexandra afirma sobre as crônicas: "Assim, suas crônicas, ao mesmo tempo em que apontam para a história, mostram o lendário, na ambigui-dade cambiante do real e do imaginário".

As crônicas são de temas variadíssimos, desde fatos recentes, como A Barca dos Refugiados, ou obras literárias, históricas, culturais, cinematográficas, míticas, e/ou episódios familiares, íntimos.

Quanto à obra Menina dos Olhos, é fundamental ler o livro, pela beleza dos poemas, sua variedade temática e o raro lirismo de alto teor, o que coloca Raquel Naveira entre as maiores poetisas brasileiras. Impressiona como Raquel salta de um tema clássico, para outro popular, ou religioso. Destaque-se ainda a beleza do poema-carta, dedicado a Neruda, ou quando canta Ovídio, poeta romano.

Os poemas da parte final, belos e profundos,  enfocam a figura de Maria Madalena, com metáforas ousadas e inusitadas, de extrema originalidade. É preciso conhecer o livro, por sua beleza, a criatividade e a coragem desta Poeta Maior que analisa as grutas da alma, como uma espeleóloga, produzindo ricos tesouros de uma arte verdadeira e um lirismo puro.

Vieitez Lisboa é escritora.
E-mail: elyvieitez@uol.com.br