LITERATURA PARAISENSE

Professora Nilce Godinho

Por: Luiz Carlos Pais | Categoria: Entretenimento | 07-10-2018 21:02 | 147
Professora Nilce Godinho, formando-se em matemática pela FAFIPA
Professora Nilce Godinho, formando-se em matemática pela FAFIPA Foto de Reprodução

Natural de São Sebastião do Paraíso, MG, Nilce Godinho nasceu a 7 de junho de 1932, filha de Francisco Ferreira Godinho e Francisca de Lourdes Soares. Fez o curso primário no Grupo Escolar Coronel José Cândido, onde se destacou pela sua inteligência e gosto pela literatura. Concluiu o curso normal no Colégio Paula Frassinetti, tradicional estabelecimento de São Sebastião do Paraíso. Fez curso de Administração Escolar no Instituto de Educação de Belo Horizonte.

Graduou-se em Licenciatura Plena em Matemática, na Faculdade de Filosofia de Passos, MG. Participou em diversos congressos da área de Educação, atualização de professores e capacitação para o ensino fundamental. Dedicou sua vida ao ideal de servir no campo da educação. No início da década de 1960, foi professora do primeiro ano do curso primário do Grupo Escolar Noraldino Lima, destacando-se como exímia alfabetizadora. Assumiu a direção como um desafio profissional e soube proporcionar horizontes educacionais para os alunos desse grupo.

Após concluir o Curso Normal, come-çou a lecionar no Grupo Escolar Coronel José Cândido. Em seguida, foi professora do Grupo Escolar Noraldino Lima, do Colégio Paula Frassinetti e da Escola de Comércio São Sebastião. Em 1966, prestou concurso para o cargo de diretora. Foi nomeada para dirigir o Grupo Escolar Ana Cândida, que acabava de ser instalado, em condições precárias, próximo ao Seminário do Sion, onde hoje funciona o Quartel da Política Militar. Posteriormente, já na Delegacia Regional de Ensino, trabalhou para a viabilizar a construção definitiva da referida escola.

Nilce Godinho foi minha professora do primeiro ano do Curso Primário, do Grupo Escolar Noraldino de Lima, e tenho lembranças excelentes das suas aulas e da sua maneira carinhosa de ensinar. Por esse motivo, ousei escrever alguns versos para reverenciar sua memória como educadora dos meus primeiros alunos escolares.

Querida mestra

Luiz Carlos Pais

Querida mestra das primeiras letras,

Com quem aprendi a escrever o nome,

A soletrar sílabas para compor a vida,

Na memória ainda guardo sua beleza.

 

A harmonia dos seus gestos e histórias

E a leveza como ensinava a tabuada.

Os números, o ditado e a composição.

Ainda retorno para reler suas lições.

 

Banhadas em versos encantadores,

Repletas de virtudes, zelo e amores

E de palavras grafadas no caderno.

 

Milhares de sonhos foram semeados

E estão ainda vivos em minha consciência

Foi por tudo isso que me fiz professor!

A professora Nilce foi membro atuante da Academia Paraisense de Cultura e sua produção poética foi amplamente apreciada pelos seus irmãos de alma. Apenas para rememorar uma de suas poesias, abaixo, transcrevo uma delas.

 

Colo de Mãe

Nilce Godinho

Mãe,

Em pequena me achegava,

Como alguém que nada quer.

Em seus braços me aninhava,

Em seu colo me deitava.

Toda tristeza doída...

Toda dor...Tudo...sumia!

E eu olhando você,

Transbordava de alegria!

 

O tempo passou, cresci.

Já garota de colégio,

De volta ao lar,

Por a dentro,

A plenos pulmões gritava:

Maaaaãe!

Toda mágoa então sentia

De repente se esvaía.

Em seus braços me aninhava,

Em seu colo me deitava.

 

Agora já mulher feita,

Quanta tristeza no peito,

Quanta esperança perdida,

Quanto sonho já desfeito,

Quanto golpe duro, frio!

Ai, que vontade, Mãe,

Nessa hora dolorida,

Aninhar-me em seus braços,

Em seu colo me deitar!