INCERTEZA

Cenário para a educação mineira é de incerteza, avalia coordenador do Sind-Ute

Por: João Oliveira | Categoria: Educação | 17-10-2018 12:18 | 39
Foto de Reprodução

Segunda-feira (15/10), celebrou-se nacionalmente o Dia do Professor e, embora estes profissionais em Minas Gerais tenham avançado do que diz respeito à conquista de direitos, diante do atual quadro da educação o sentimento que vem rodeando estes profissionais é o de insegurança e incerteza. É o que destaca o coordenador na subsede do Sindicato Únicos dos Trabalhadores em Educação (Sind-Ute/MG), Reinaldo Cesário, que diz que os postulantes aos cargos de governo pregam mudanças radicais para Educação, mas que é percebido em seus projetos de governo muito desconhecimento sobre a realidade da educação em Minas e no País.

"Os pontos que mais precisam de atuação governamental não estão sendo debatidos ou propostos. Caso de valorização das carreiras dos educadores, investimento em educação básica, mais escolas Educação integral, creches e melhoria nas condições das escolas são alguns pontos. Estamos muito preocupados com estas questões de Ensino a distância, cortes de gastos em áreas sociais, reforma do ensino Médio que não funciona, Escola Sem Partido, que na verdade é escola de partido único. Um quadro preocupante para os próximos anos", avalia.

Os últimos três anos têm sido marcados por paralisações e alertas de greve propostos pelo sindicado que representa a categoria diante de não cumprimentos de acordo do governo mineiro com direitos adquiridos. Em 2018, conforme aponta Reinaldo Cesário, os profissionais da educação enfrentaram diversas situações, entre elas atrasos no pagamento, que foi parcelado, e uma greve que proporcionou à categoria a conquista de uma proteção a mais na carreira: a PEC do Piso, aprovada pela Assembleia Legislativa e que transformou em Emenda Constitucional, garantindo o piso na carreira desses profissionais. No entanto, segundo conta, os professores ainda não têm recebido o piso integral nas oito carreiras.

"O governo nos deve dois reajustes do Piso Nacional. No entanto, quando olhamos os últimos anos, nós, servidores da educação, com muita luta e apoio da categoria ao Sind-UTE, conseguimos retomar nossa carreira com a lei do piso de 2015 e conseguimos, também, o pagamento do  Adicional de Valorização da Educação Básica (Adveb), um benefício adicional por tempo de serviço para servidores efetivos com mais de cinco anos de atuação", ressalta Reinaldo.

Cesário acrescenta ainda que outras conquistas que foram obtidas pela categoria neste ano, entre elas a promoções e progressões de carreira, além de dois concursos públicos e mais de 60 mil nomeações. "Isso traz grandes benefícios às escolas e alunos, pois professores estáveis ajudam muito na melhoria do ensino e melhora a relação com a comunidade.

Ainda temos muito a avançar nos próximos anos, mas quando olhamos para o passado, vemos muitas conquistas. O Sind-UTE Sindicato que representa a Educação em Minas estará sempre na luta pelos interesses dos professores", completa.