ENTRETANTO

Entretanto

Por: Renato Zupo | Categoria: Do leitor | 24-10-2018 15:42 | 309
Foto de Reprodução

O dito pelo não dito (Excertos)

“O advogado é o maior navegante entre as provas, que ele estuda a fundo e a raso. Sabe fugir dos escolhos e encontrar o porto seguro para as âncoras da argumentação. Acompanha o processo desde o início, com vigilâncias e providências preparatórias. Simples e lúcido na argumentação: intransigente e obstinado na polêmica. Abastece-se, casuisticamente, na doutrina e na jurisprudência. Basta-lhe, porém, a eloquência direta, frisante, enxuta e os efeitos sentimentais que nascem do conhecimento da vida e do senso psicológico. Com a filosofia de sua criação está sempre a quebrar as pretensões dramáticas da vida. Sua cultura é improvisada segundo as necessidades, com talento voraz e assimilador. É um estudante da vida, na própria vida.”

(Roberto Lyra, o “príncipe do Ministério Público”, sobre os advogados famosos de seu tempo, em “Como Julgar, Como Defender, Como Acusar”, 1.975, Rio de Janeiro, José Konfino Editor).

“Na simplicidade aprendemos que reconhecer um erro não nos diminui, mas nos engrandece, e que as pessoas não existem para nos admirar, mas para compartilhar conosco a beleza da existência.” (Roberto Shinyashiki).

“O mundo não está ameaçado por pessoas más, mas sim por pessoas que permitem a maldade”. (Albert Einstein).

“A monarquia corrompida transforma-se em tirania; a aristocracia, em oligarquia; e a democracia, em demagogia.” (Heródoto, “apud” Norberto Bobbio, “Teoria das Formas de Governo” UnB, pg. 39/43).

Pouco importa seja o poder exercido por um, por alguns ou por muitos. Quem o detém tende a dele abusar. O poder vai até onde encontra os seus limites. Para que os seus titulares não possam abusar dele, é preciso que, pela disposição das coisas, o poder freie o poder” (Ministro Antônio de Pádua Ribeiro).

“A justiça é igual para todos, mas um pouco mais igual para os ricos e um pouco menos igual para os pobres”. ( Francesco Carnelutti)

“O Direito é o que o Juiz diz; o Juiz faz do branco, preto, do redondo, quadrado” (Amílcar de Castro, “Variações sobre o Direito e a Justiça”, Revista da Faculdade de Direito da Universidade de Minas Gerais, outubro de 1.956).

 “O bom juiz é aquele que tem consciência da importância da fortuna sem curvar ante os potentados, que conhece as mazelas e fraquezas humanas e jamais tripudia sobre a desgraça alheia. O bom juiz é aquele que tem nas mãos a liberdade e a fazenda alheia e que, amparado nos paramentos da justiça e nos ditames da lei, reconhece o sacramento daquela e a legitimidade desta, dosando suas decisões a respeito delas no bom senso dos homens bons.” (Juiz Paulo Cezar Dias, hoje desembargador do TJMG, em seu discurso de posse como vice-presidente do TAMG, proferida em 24 de junho de 2.003, no respectivo Tribunal, apud Revista de Julgados – TAMG, v. 90/91, janeiro a junho de 2.003, Del Rey, p. 27).

“A Consciência é o olho de Deus dentro de nós”

(Immanuel Kant).

RENATO ZUPO – Magistrado, Escritor