CURTAS EDIÇÕES 2252

CURTAS

Por: Redação | Categoria: Cidades | 08-11-2018 15:03 | 211
Foto de Reprodução

Turbulento
Paraíso vive momento político turbulento. Atraso no pagamento de servidores municipais, e como não bastasse a má fase, a Câmara aprovour pedido de abertura para instalação de Comissão Parlamentar Processante contra o prefeito Walker Américo Oliveira. A tônica desta feita é a não resposta aos ofícios dos vereadores entre outros quesitos. Walkinho conforme matéria publicada nesta edição, disse que ficou admirado com tal medida. Citou não ter nada a temer, e entende que vereadores teriam algo mais proveitoso a apreciar.

Comissão
O pedido de abertura de CPP contra o prefeito Walkinho, foi lido pelo  vice-presidente da Câmara, Vinício Scarano. A denúncia é do presidente da casa Marcelo Morais.  Foram cinco os votos favoráveis sendo Ademir Ross, Cidinha Cerize, José Luiz das Graças, Lisandro Monteiro, Luiz de Paula e o próprio Vinício. Foram contra Paulo Cesar e Sérgio Gomes, enquanto que Jerominho se absteve. Cidinha será a presidente da CPP; Paulo César, relator e Sérgio Gomes membro. O prazo inicial para apuração dos fatos é de 90 dias podendo ser prorrogado por igual período. O prefeito pediu a relação dos ofícios não respondidos.

Reduzir despesas
No final de outubro diretores do SEMPRE, o Sindicato dos Servidores Municipais de São Sebastião do Paraíso protocolaram documento na prefeitura, no qual sugeriram medidas para redução de despesas. Ontem sindicalistas reuniram-se com o prefeito Walkinho, vice-prefeita Dilma Oliveira e secretários municipais, quando o tema voltou a ser tratado. E na manhã desta quarta nova reunião está prevista a partir de 8h30, conforme divulgado, com a presença de vereadores.

Importante contributo
Louvável a atitude do SEMPRE em oferecer esse contributo para com a administração. Maneira inteligente e madura de zelar pelos interesses da categoria a qual representa, mostrando à administração pontos de vista onde se pode fazer cortes em despesas. É isso o que se espera quando se pensa em resolver questões, pensando no bem estar coletivo, ainda mais quando pelo menos 70 mil habitantes estão num mesmo barco chamado São Sebastião do Paraíso. É o SEMPRE servindo de espelho, tomara que o exemplo seja bem aproveitado.

Visita
Quem deu o ar da graça pelos lados de Belo Horizonte foi o ex-prefeito de São Sebastião do Paraíso, Mauro Zanin. Ele esteve na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, onde foi recebido no gabinete do deputado estadual Antonio Carlos Arantes (PSDB). A prosa foi animada e o assunto principal não poderia ser outro o resultado das eleições de 2018. Eles também falaram sobre o futuro político. Zanin estava acompanhado do ex-prefeito de São Gonçalo do Pará, Angelo Roncalli.

Biblioteca
O Diário Oficial da União publicou mais um aviso de licitação relacionado ao Câmpus da Ufla em São Sebastião do Paraíso.  Desta vez o processo tem como objeto a contratação de empresa especializada para a construção da Biblioteca. A abertura dos envelopes será no dia 27 de novembro.

Prefeituras
Prefeitos da AMEG, AMOG e ALAGO se reuniram na manhã de terça-feira, em Passos para discutirem uma saída para conseguir terminar o ano fiscal devido a falta de repasses por parte do Governo do Estado. Salários de novembro, dezembro e 13° de servidores da ativa além dos aposentados e pensionistas estão ameaçados. Para manterem as folhas em dia, prefeitos estão tirando recursos de outras áreas para suprir a folha de pagamento.

“Passando fome”
Presos que cumprem pena em regime semiaberto em São Sebastião do Paraíso procuraram o Jornal do Sudoeste para denunciar que estariam “passando fome”. Os que têm esse benefício podem trabalhar durante o dia e são recolhidos à uma cela no presídio à noite. Também ficam recolhidos nos finais de semana, quando até bem pouco tempo podiam levar alimentos, complementando as refeições que lhes são servidas no presídio.

“Greve de fome”
Mas conforme explicaram, houve o desentendimento de um deles com um agente penitenciário, e por conta disso a direção do presídio puniu a todos, proibindo a entrada de alimentos que levavam para o albergue masculino em finais de semana. Além de reclamar da qualidade da comida que lhes é servida, dizem também ser regrada, e, por isso, “presos têm passado fome”. Dizem que como o estômago já anda fundo, pensam em fazer “greve de fome”, e pretendem levar a queixa à Comissão de Direitos Humanos da OAB, e a da Câmara Municipal, e também ao Ministério Público.