SÃOSINHA

Academia Paraisense de Cultura

Por: Conceição Ferreira Borges | Categoria: Cultura | 17-11-2018 10:12 | 79
Foto de Reprodução

A Academia Paraisense de Cultura realizou na noite de 29 de setembro em sua sede, sessão solene para realizações de dois grandes acontecimentos. Posse do novo presidente, André Luiz Mirhib Cruvinel e a cerimônia de posse como acadêmica Efetiva de Lucélia Ozelin de Lima Pimentel.

O presidente André Luiz Mirhib Cruvinel é escritor, poeta, musicista, compositor, cantor.

Lucélia Ozelin de Lima Pimentel é bacharel em Direito, professora com especialização em Libras, “Mãos que Cantam”.

A Mesa Diretora foi composta pelo presidente André Luiz Mirhib Cruvinel, vice-presidente, acadêmica Leila Yunes, secretário, acadêmico Clarindo Anacleto de Pádua Neto, tesoureiro, acadêmico Rômulo Aguiar Generoso.

O Hino da Academia foi cantado. Sua letra é da acadêmica Eliana Mumic Ferreira, e música do paraisense, maestro Calimério Augusto Soares. Ao piano a acadêmica, maestrina Mírian Lauria Mantovani.

A acadêmica Edyna Maldi Borges declamou acróstico da poetisa Eliana Mumic Ferreira, dedicado ao presidente André Luiz Mirhib Cruvinel. A mensagem exordial foi proferida pela acadêmica Francisca Borges da Cunha Zanin.

A acadêmica Honorária, Maria Letícia de Lima Machado, leu o currículo de sua irmã Lucélia Ozelin de Lima Pimentel. Emocionada e feliz a nova acadêmica acompanhada pelo seu esposo José Rubens Pimentel Cravo, entrou solenemente na sede da Academia Paraisense de Cultura.

Dr. Humberto Ozelin Pimentel Cravo conduziou a beca, símbolo da academia que sua mãe irá usar. O acadêmico Reynaldo Formaggio Filho , junto do acadêmico presidente, colocou a beca nos ombros de Lucélia Ozelin de Lima Pimentel.

A defesa de seu patrono, o poeta de versos envolventes, acadêmico José Paes, e seu antecessor, o intelectual, professor e poeta, Antonio Roque Martins, foram feitas brilhantemente pela nova acadêmica.

O presidente André Luiz Mirhib Cruvinel fez a entrega do certificado de posse a acadêmica Lucélia Ozelin de Lima Pimentel a convidando a sentar-se à mesa diretora.

A acadêmica Leila Yunes declamou o poema “Adeus Ginásio”, alusivo ao patrono defendido, Antonio Roque Martins. A acadêmica Edyna Maldi Borges declamou o poema do grande poeta, José Paes, “Debaixo de um Pinheiro”, escolhido com grande ternura por seu filho, Luiz Carlos Pais, catedrático em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, pós-graduado na França, jornalista, poeta e historiador.

A Cadeira n.º 3 da Academia Paraisense de Cultura,  foi nomeada Antonio Roque Martins, pelo grande poeta José Paes, seu grande admirador, ocupando-a com respeito e dignidade.

A maestrina, Mírian Lauria Mantovani executou ao piano “Lacs Yuki”, composição da acadêmica Lucélia Ozelim de Lima Pimentel. A acadêmica Honorária, Terezinha Neto, declamou o poema de José Paes, “À Memória de Antonio Roque Martins”.

Momento de grande emoção, o Coral “Mãos que Cantam” da Pastoral dos Surdos da Paróquia de Nossa Senhora da Abadia, coordenado pela acadêmica Lucélia Ozelin de Lima Pimentel, e acadêmica Honorárias, Maria Letícia de Lima Machado e Paula Porfírio Borges, apresentou, em Libras, “Valeu Amigos” e “Aleluia”.

O presidente André Luiz Mirhib Cruvinel encerrou a noite de homenagens, beleza e emoções.