CAFÉ

Mercado de Café no Momento

Por: Redação | Categoria: Agricultura | 27-02-2019 09:58 | 2336
Foto de Reprodução

A bolsa NY acumula quedas, recebendo suporte ate momento em função de falta de liquidez, na ausência de informações do Brasil e do movimento do exterior, que favoreceu a alta devido à aversão ao risco dos investidores internacionais em função de dúvidas sobre os rumos das negociações comerciais; EUA e China, e temor de piora da economia europeia, depois do anúncio de números fracos sobre o crescimento do Reino Unido, os primeiros pontos da reforma da Previdência divulgados pelo governo no Brasil e crise humanitária na Venezuela, o mercado melhorou seu humor, porém ainda não define uma tendência consistente, e o dólar passa de recuada a neutralidade. No mercado físico, as cotações acompanharam o andamento internacional e recuaram, mantendo afastados os vendedores e reduzida à liquidez. Os indicadores calculados para as variedades arábica e robusta foram cotados a R$ 400,00/saca Tipo seis e o robusta a R$ 300,00/saca tipo sete.

Clima
Em relação ao clima no cinturão cafeeiro do Brasil, as atenções se voltam para o volume de chuva que cairá em fevereiro e março, que será determinante para o tamanho da safra 2019. Esses são meses fundamentais para o enchimento dos frutos, definindo o tamanho dos grãos a serem colhidos. Se as precipitações se regularizarem nesse período, o Brasil deverá colher uma safra dentro do estimado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), entre 50,5 milhões e 54,5 milhões de sacas. Mas se as chuvas forem abaixo da média e as temperaturas permanecerem elevadas nas principais origens produtoras, terá que iniciar levantamentos para verificar qual será o porcentual de quebra na colheita deste ano.

Exportações de Café
As exportações globais de café cresceram 0,9 por cento em dezembro na comparação anual, para 10,43 milhões de sacas de 60 kg, mostram dados da Organização Internacional do Café (OIC) divulga-do. Nos três primeiros meses da temporada 2018/19, iniciada em 1º de outubro do ano passado, as exportações do café avançaram em 8,1 por cento, para 30,91 milhões. As exportações de café arábica fecharam dezembro em 7,04 milhões de sacas, crescimento de 8,1 por cento em relação ao ano anterior. Para a safra atual, até agora as exportações de arábica aumentaram 10 por cento, para 20,62 milhões de sacas. As exportações do café robusta caíram 11,3 por cento em dezembro, para 3,39 milhões de sacas. No acumulado da temporada atual, cresceram 4,5 por cento, para 10,28 milhões de sacas.

As exportações de café do Brasil seguem em um ritmo intenso. Registramos um recorde histórico para o mês de janeiro, confirmando as estimativas. Esse resultado é reflexo de uma boa safra e da qualidade e competência da cadeia produtiva brasileira, disse o presidente do Café, Nelson Carvalhaes, em nota. “Nossa expectativa é que o desempenho das exportações continuará positivo durante o restante do ano cafeeiro...”, acrescentou.

No acumulado do ano-safra 2018/2019 (julho a junho), o Brasil exportou 24,2 milhões de sacas no período, crescimento de 30,5 por cento em relação à mesma base do ano anterior, sendo o melhor resultado dos últimos cinco anos, após uma safra recorde no ano passado.

Oferta e Demanda Mundial
No ano cafeeiro 2018/2019, a produção de café arábica foi estimada em 104,01 milhões de sacas e a de café robusta em 63,5 milhões de sacas, números que apontam um volume total equivalente a 167,47 milhões de sacas. Com base nesses dados, verifica-se que o café arábico terá crescimento de 2,5% e a robusta redução de 0,1%, se comparados com o ano cafeeiro anterior, cuja produção foi de 164,99 milhões de sacas de 60kg, das quais 101,44 milhões de arábica e 63,55 milhões de robusta.

No que concerne ao consumo mundial de café, do mesmo ano cafeeiro 2018/2019, tanto de países produtores como exportadores, estima-se um volume de 165,19 milhões de sacas consumidas, que representaram aumento de 2,1% em relação ao período anterior, que foi de 161,71 milhões de sacas.

O estoque mundial de passagem será realizado em abril a maio 2019, restam  expectativas. Relatório sobre o mercado de Café – dezembro 2018, da Organização Internacional do Café.

Analise Técnica
A analise técnica o gráfico do período diário de julho 2018 até fevereiro 2019 mostra regiões muito importantes, a tendência de baixa temos resistências fortes nas regiões ; 1ª1,27 / 2ª 1,13 / 3ª1,07 cents, e agora temos a região de 4ª 1,00 cents, como resistência também antes era suporte psicológico do mercado, mas que agora virou resistência. Abaixo temos os suportes na região de 1ª 0,96 / 2ª 0,94 cents. Para mudar a tendência de baixa,  tecnicamente teremos que ver o mercado romper as resistências intermediarias acima citadas, sendo a mais forte 1,27 cents. Abaixo de sugere consolidação e correção, com intervalo de 2800 pontos.
Gilson A de Souza e Matheus Zanatelli