CRÔNICA JOEL CINTRA BORGES

O elefante e a corda

Por: Joel Cintra Borges | Categoria: Cultura | 12-03-2019 20:49 | 242
Dr. Joel Cintra Borges
Dr. Joel Cintra Borges Foto de Reprodução

Um homem passava em frente a um circo quando viu um elefante amarrado a uma pequena estaca por uma corda bem fina. Curioso, ele entrou e perguntou ao treinador se o animal não poderia soltar-se, uma vez que era grande e forte, podendo romper a corda, ou arrancar a estaca, com facilidade.

O cuidador dos animais respondeu que desde novo o elefante era amarrado por uma perna a uma estaca, e que, no início, tentou valentemente soltar-se, mas, as cordas eram boas e o poste bem firme. Com o passar do tempo, acostumou-se e agora não tentava mais. Bastava um barbante para dar-lhe a sensação de que estava preso!

Com a maioria de nós ocorre a mesma coisa: estamos amarrados por fios invisíveis a lições (nem sempre boas!) do passado, as quais nos impedem de viver plenamente.

Quantas pessoas, especialmente as mais velhas, foram criadas, tanto em casa como nas organizações religiosas, ouvindo os maiores absurdos em relação a sexo? Tanto, que a questão sexual ficou ligada à ideia de pecado, impedindo-as, às vezes pela vida inteira, de ter relações satisfatórias, prazerosas.

Outros de nós fomos criados ouvindo ideias racistas, ou homofóbicas, e crescemos assim. E não é fácil tirar uma crença enraizada fortemente à personalidade, mas, é uma luta que precisamos travar conosco mesmos, porque o mundo pertence a todos e os direitos são iguais.

Um dos maiores erros dos pais e que, infelizmente, não é raro, é o de menosprezar os filhos. Dizer-lhes que são burros, cabeças duras... E as crianças, que nessa fase acreditam piamente em seus pais, crescem com essa impressão. Às vezes criam até fortes complexos de inferioridade que exigem o cuidado de psicólogos para serem erradicados.

A realidade é que, não importa a situação em que estejamos, somos maiores do que pensamos. Não temos apenas o planeta Terra pela frente, temos o Universo inteiro. Em uma noite bem clara, chegue à janela, olhe bem os astros que cintilam no espaço sem fim e diga:

–  Essa é minha casa, é para lá que eu vou, espírito imortal que sou!

E ouse. Ouse sonhar, ouse tentar, ouse errar, porque o erro faz parte do aprendizado. Goethe, grande filósofo alemão, dizia que a ousadia é mágica, que quando ousamos movemos grandes forças do Universo a nosso favor.

Poste é que fica parado!