CURTAS EDIÇÃO 2285

Curtas

Por: Redação | Categoria: Cidades | 13-03-2019 18:16 | 197
Foto de Reprodução

Comissão de Inquérito
O presidente da Câmara Municipal de São Sebastião do Paraíso, Lisandro Monteiro propôs e foi aprovado na sessão de segunda-feira (11/3), a instalação de uma Comissão Especial de Inquérito para apurar supostas irregularidades em serviços prestados pelo município, leia-se Prefeitura, na área de Saúde. Além de Lisandro, aprovaram o documento a vereadora Cidinha Cerize e os vereadores Ademir Ross, José Luiz das Grças, Luiz de Paula, Marcelo Morais e Vinício Scarano.

Reclamações
Lisandro justificou que vereadores têm recebido constantes reclamações, envolvendo falta de medicamentos em unidades de saúde e UPA, falta de atendimento a pacientes com catarata, falta de médicos especialistas, além de questionar que houve aumento de recursos para o setor de Saúde, mas não há a respectiva prestação de serviço à população. A CEI terá o prazo de 180 dias para apresentar parecer. Caso necessite o prazo será prorrogado.

“Tranquilo”
Questionado sobre a instalação da CEI o prefeito Walkinho disse que sua administração não tem qualquer investigação, em qualquer setor da Prefeitura, pois “estamos” nos desdobrando para atender da melhor maneira possível a população. Disse que quando for citado apresentará as devidas informações, “com toda tranquilidade”.

Odontológico
Esperada para esta quarta-feira,13, a instalação de dois novos cabeçotes do compressor que estava estragado no Centro de Especialidades Odontológicas (CEO). Uma comitiva de vereadores formada pelo presidente Lisandro Monteiro (SD), pelos vereadores Vinício Scarano (SD), Cidinha Cerize (PSDB), José Luiz das Graças (DEM) e Luiz de Paula (PHS) esteve com o secretário da Saúde Wandilson Bícego. Eles cobraram providências para o equipamento que estava quebrado.

Aterro
Após a realização de mais uma visita de um grupo de vereadores na área onde fica o aterro sanitário na semana passada, a Prefeitura de Paraíso informa que fará a licitação para a construção de uma nova plataforma. A iniciativa precisa ter a aprovação da Superintendência Regional do Meio Ambiente (Supram). Segundo consta o aterro está operando de forma irregular, situação que ocorre desde 2013 quando começou a funcionar e não teve a devida manutenção.

Coordenador
O Campus Paraíso da Universidade Federal de Lavras (Ufla) já tem designado o nome do coordenador da unidade. Através da Portaria nº 242, divulgada no último dia 7 de março, o reitor José Roberto Soares Scolfaro nomeou o servidor Helder Francisco Renó Ferreira para o cargo. Ele esteve na cidade recentemente quando da assinatura da ordem do serviço para o início das obras e a partir de agora estará em contato permanente com o município a ponto de se estabelecer na cidade para o acompanhamento dos trabalhos na área do campus e também para a tomada de ações em outras áreas ligadas a universidade em Paraíso. 

HIV
E mais um setor da saúde de Paraíso está em estado de alerta devido ao número elevado de casos que tem surgido no município e que requer atenção das autoridades e também da população. Trata-se da Infectologia que detectou um número alarmante de pessoas com HIV. Afinal de contas são cerca de 180 pacientes em tratamento e há situações de pessoas que até já abandonaram o tratamento. Há informações do setor de que a população não esta se protegendo devidamente e está deixado de lado o uso de preservativo além da adoção de outras medidas de prevenção.

Rebaixamento
O deputado vice-presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, Antonio Carlos Arantes fez um alerta sobre o rebaixamento da nota do Estado no mercado internacional. Sem dinheiro para pagar dívidas públicas, Minas Gerais teve a nota de risco de crédito rebaixada no mercado internacional. Agora, o Estado ocupa a penúltima posição na escala que indica os bons lugares para investimentos estrangeiros.

Negativado
Essa é a pior classificação de Minas no cenário internacional. A estimativa é que o déficit previsto para 2019 chegue a quase R$ 30 bilhões, só com os gastos do dia a dia do governo. Fora as dívidas com a União e de anos anteriores. O parlamentar assinala que a situação é bastante prejudicial ao Estado e atribui a situação a uma herança do governo passado. Segundo Arantes na gestão de Antonio Anastasia as contas eram apertadas, mas o nome de Minas não estava no SPC, ressalta.