GREVE

Greve é encerrada: movimento arregimentou poucos servidores

Por: Roberto Nogueira | Categoria: Cidades | 20-03-2019 19:23 | 81
Em assembleia servidores decidem pelo fim da greve motivada pelo pagamento de salários atrasados
Em assembleia servidores decidem pelo fim da greve motivada pelo pagamento de salários atrasados Foto de Fernanda Melo

Servidores públicos municipais durante Assembleia Geral Ordinária realizada no anfiteatro da Secretaria Municipal de Obras, de São Sebastião do Paraíso deliberaram sobre o fim da greve da categoria. O movimento paredista foi deflagrado em 29 de janeiro e a paralisação deveria ocorrer a partir de 8 de fevereiro. Por unanimidade entre os presentes foi decidido pelo encerramento da greve que teve pouca adesão entre os servidores. Na teoria a greve durou cerca de 40 dias, mas na prática foi uma semana de mobilizações e manifestações públicas e conscientização da comunidade.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de São Sebastião do Paraíso e Sudoeste, Rildo Domingos da Silva este tipo de ação acaba servindo para o amadurecimento de todos os envolvidos. “Como salientamos desde o início é uma responsabilidade muito grande e implica em doação, dedicação de cada servidor”, avalia. Apesar da pouca adesão ele diz que o Sempre nunca virou as costas para os servidores. “Se não participássemos poderíamos ser acusados de sermos corruptos, de não atuar pela causa dos nossos trabalhadores, mas vestimos a camisa e fomos à luta junto aqueles que ombrearam o movimento junto conosco”, destaca.

Quanto aos resultados o sindicalista diz que só o fato de que a greve fosse deflagrada já serviu para que a Prefeitura pagasse parte dos salários que estavam atrasados. “Acaba-se tornando um aprendizado e saímos fortalecidos, uma vez que tivemos evoluções em relação a principal reivindicação que era o pagamento dos salários em atraso dos trabalhadores da ativa e dos aposentados”, avalia o presidente.

Ele entende que tudo funciona como um jogo de xadrez e cada tem o momento de movimentar suas peças. “Nós fizemos a nossa parte e saímos de cabeça erguida”, diz.

Rildo Domingos assegura que existe um trâmite legal antes, durante e depois da greve. “Procuramos fazer tudo dentro da lei justamente para assegurar os direitos de cada trabalhador envolvido, sem que houvesse qualquer prejuízo a qualquer um dos participantes da greve”, aponta. O sindicalista destaca que toda ação precisa ser planejada, com conhecimento, visão ampla dos fatos. “Crescemos com isso, aumentaram as filiações, o pessoal esta ficando mais conscientizado é sinal de que o trabalho realizado ao longo do tempo aos poucos está surtindo efeito”, finaliza.

Em assembleia servidores decidem pelo fim da greve motivada pelo pagamento de salários atrasados