PREOCUPANTE

Delegado usa tribuna da Câmara e apresenta situação preocupante da Delegacia de Polícia

Por: João Oliveira | Categoria: Justiça | 27-03-2019 10:42 | 705
O delegado Vinícius Zamó ocupou tribuna e destacou que quadro de servidos da PC é o mesmo desde 1980 e não acompanhou crescimento populacional
O delegado Vinícius Zamó ocupou tribuna e destacou que quadro de servidos da PC é o mesmo desde 1980 e não acompanhou crescimento populacional Foto de ASSCAM

Na edição de sábado (23/3), o Jornal do Sudoeste publicou matéria onde expôs a situação preocupante na 4º Delegacia Regional de Polícia Civil em São Sebastião do Paraíso. Faltam servidores, estrutura, entre outras condições para que a PC consiga entregar à população uma resposta efetiva às demandas que chegam à Depol. O delegado Vinícius Zamó, responsável pelas delegacias de Trânsito, Homicídio e Roubo e Furto, ocupou a tribuna da Câmara Municipal onde confirmou aos vereadores e população situações que na maioria das vezes, munícipes não tomam conhecimento.

O delegado regional, Fernando Bettio que não pôde comparecer, nomeou Zamó que não poupou fôlego para "pedir ajuda", tendo em vista situação de crise vivida, não apenas pela PC, mas também demais órgãos estatais.

"A Polícia Civil, como órgão de segurança pública, dentro dos últimos 30 anos vem sofrendo de forma incisiva e extenuante a dilapidação total. Digo isto porque vim para cá em 2012 e na época tínhamos cerca de 29 investigadores lotados nesta sede; de lá para cá saíram 13 investigadores sem qualquer reposição, sem falar nos escrivães, que eram em 10, dos quais quatro saíram também sem reposição alguma, sobrando seis para fazer plantão e tocar o dia a dia da delegacia, o que beira a impossibilidade", ressaltou.

O delegado lembrou que havia um concurso em andamento para o provimento de 68 investigadores, mas para âmbito estadual. "Diluindo isto nos municípios mineiros, que são 853, vemos que é algo que nos leva à impossibilidade, mas temos que agir para que não haja um total sucumbimento deste organismo. A PC é um órgão que, às vezes, a população não enxerga com os merecidos olhos. Quando vemos o termo "polícia", acredita-se que temos como sucumbência apenas a investigação, o que não é verdade", ressaltou.

Zamó fez uma explanação sobre os serviços oferecidos pela PC, entre eles identidade, documentação pertinente ao trânsito como CNH, locomoção e remoção de uma pessoa em óbito. "Estamos em um caos tão grande, que vemos pessoas fazendo o serviço do Estado para não comprometer a população", lamentou. Ele citou o caso de pessoa que vem a falecer no trânsito e precisam ser necropsiado. Diante da falta de estrutura da PC, os próprios familiares é que tem que pagar para que este ente possa passar pelo procedimento e liberado para que a família realize o seu sepultamento. Ele informou que antes de 2014, em Paraíso, havia quatro médicos legistas, mas que diante da falta de um posto integrado para a realização deste trabalho "dilapidou-se esse patrimônio humano, não restando mais ninguém".

O delegado lamentou ainda a falta de logística que isto causa aos paraisenses, tendo em vista que na falta de um médico legista em Passos, é preciso levar o corpo para Formiga, Alfenas ou Poços de Caldas. "Às vezes é algo simples e que precisa ser resolvido rápida e urgentemente e não o é... Vocês, vereadores, que são os maiores representantes do povo, eu peço para que abram os olhos e peçam por uma PC mais equipada. Isso traduzirá, evidentemente em um serviço muito melhor, não apenas de investigação, mas nos demais e que também geram inúmeros transtornos à população", ressaltou.

Zamó disse que a pouca equipe que resta tem que se desdobrar para atender a plantão e expediente normal, fazendo o possível para manter os trabalhos de investigação de demandas que chegam à Delegacia. Acrescentou ainda que o efetivo policial é o mesmo de 1980 e não acompanhou o crescimento exponencial da população. "Isso é um completo absurdo, pois se temos um serviço a prestar, ele tem que ser proporcionar àqueles para quem trabalhamos".

Por fim, ressaltou os aspectos positivas da Delegacia de São Sebastião do Paraíso, dizendo que há um quadro completo e invejável de delegados, que gerenciam os trabalhos das delegacias de Paraíso. "Somos seis delegados, somando as regionais, porém, nós não temos o suporte necessário para o trabalho. Não adianta termos um quadro completo de delegados se não temos pessoas para dar suporte à investigação e ao escrivanato. Isso é imprescindível para o bom andamento do serviço", completou, agradecendo ao Sicoob Nosso Crédito pelo suporte financeiro à delegacia que possibilitou reforma de salas e de viaturas.