SAÚDE ANIMAL

Medicina Esportiva Canina

Por: Rogério Calçado Martins | Categoria: Saúde | 30-03-2019 10:58 | 113
Foto de Reprodução

Os esportes caninos não param de se desenvolver. Alguns, aliás, estão aos poucos ganhando status de esporte olímpico (sempre que homens e cães partilham o mesmo esforço, como a corrida de trenó, por exemplo), enquanto outros se tornam extraordinários meios para educar, através da brincadeira, os mais diversos tipos de pessoas (exemplo: as competições de Agility). Não podemos nos esquecer ainda, das provas para cães de pastoreio. Assim, o número de esportistas caninos aumenta junto com a notoriedade de cada uma das disciplinas e, junto, o profissionalismo que delas decorre.

Para corresponder a essa evolução é que, em 1985, foi organizada na Escola Nacional de Veterinária de Alfort (Ecole Nationale Vétérinaire d’Alfort – ENVA), França, a primeira jornada de estudos dedicada em nível internacional, à Medicina Esportiva Canina. Em 1996 foi originada a Unidade de Medicina da Criação e do Desporte, uma unidade clínica e de pesquisa na Escola de Alfort, que dedica suas atividades ao serviço dos profissionais do esporte canino. Existem mais duas unidades como esta: as duas nos EUA - uma na Universidade de Auburn e a outra na Universidade da Flórida.

Os serviços prestados por essas unidades incluem: consulta veterinária três vezes por semana, fisioterapia, reeducação funcional e laboratório de pesquisas (fisiopatologia dos lipídios e radicais livres) que analisa as consequências biológicas e celulares do estresse de esforço no cão.

A Medicina Esportiva Canina está adquirindo, progressivamente, o status de especialidade reconhecida. Isto se dá devido à real demanda vinda dos proprietários de cães atletas, o que envolve tanto a preparação do animal quanto as afecções patológicas específicas relacionadas à atletas e, também, a luta contra o dopping.

A Associação Internacional de Medicina Veterinária do Cão de Trenó (International Sled Dog Veterinary Medical Association - ISDVMA) é uma organização profissional veterinária que reúne mais de 400 membros distribuídos nos cinco continentes e vindos de países tão diversos como Nova Zelândia, Groelândia, Japão e África do Sul. Fundada em 1991, essa associação tem como objetivos promover ativamente e incentivar ações que visem o bem-estar e a boa saúde do cão de trenó, desenvolvendo pesquisas que permitam entender melhor esse cão excepcional.

A associação de cães de trenó fornece Médicos-veterinários especialistas, que têm treinamento específico (através de reuniões, cursos e simpósios internacionais) para acompanhar as mais de 4500 corridas de cães de trenó organizadas anualmente em todo o mundo.

*ROGÉRIO CALÇADO MARTINS – médico-veterinário – CRMV/MG 5492
*Especialista em Clínica e Cirurgia Geral de Pequenos Animais (Pós-graduação “lato sensu”)
*Membro da ANCLIVEPA (Associação Nacional de Clínicos Veterinários de Pequenos Animais)
*Consultor Técnico do Site  www.saude animal.com.br
*Proprietário da Clínica Veterinária VETERICÃO (São Sebastião do Paraíso/MG)