POLEPOSITION

Ou vai, ou racha

Por: Sérgio Magalhães | Categoria: Esporte | 28-04-2019 08:24 | 2975
Longa reta dos boxes é propícia  para muitas ultrapassagens e  confusões no GP do Azerbaijão
Longa reta dos boxes é propícia para muitas ultrapassagens e confusões no GP do Azerbaijão Foto de LAT Images

Basta uma rápida olhada na classificação do campeonato do ano passado para ver o quanto a Ferrari se perdeu neste começo de temporada depois de três corridas. Sebastian Vettel era o líder com 54 pontos contra 45 de Lewis Hamilton, 40 de Valtteri Bottas e 30 de Kimi Raikkonen. A Mercedes liderava entre as equipes com um ponto apenas de vantagem sobre a Ferrari (85 a 84).

Observe agora a classificação deste ano depois dos mesmos GPs da Austrália, Bahrein e China: Hamilton lidera com 68 pontos, seguido de Bottas com 62. Vettel é apenas o 4º com 37, e Charles Leclerc o 5º com 30 pontos. A frente da dupla ferrarista está Max Verstappen com a Red Bull-Honda, com 39. E depois de três dobradinhas, a Mercedes nada de braçada com 130 pontos, contra 73 da Ferrari.

E o mais curioso é que apesar da diferença de pontos nos mundiais de Pilotos e de Construtores, estamos assistindo a uma temporada intrigante até aqui. As três dobradinhas da Mercedes não significam que o modelo W10 seja tão superior ao SF90 da Ferrari. Primeiro porque a Ferrari andou forte na pré-temporada sem qualquer suspeita de que estivesse ‘jogando para a torcida’. Mas alguma coisa deu errado e fez com que seus pilotos não encontrassem o melhor acerto na abertura do campeonato.

Uma prova de que o carro da Ferrari não é tão ruim, e o da Mercedes nem tão superior foi o desempenho do SF90 no Bahrein. Leclerc ganharia fácil aquele GP não fosse um problema mecânico, e Vettel até poderia fazer dobradinha se não tivesse cometido mais um erro, ao rodar sozinho numa disputa direta com Hamilton. 

Mas em Xangai, mesmo com as longas retas sendo uma vantagem para a Ferrari, novamente a equipe se perdeu no acerto de seus carros, e se atrapalhou na estratégia com seus pilotos.

Para quem deixou Barcelona na condição de equipe a ser batida, a Ferrari precisa reagir já, sob o risco de o campeonato perder a graça caso a Mercedes faça outra dobradinha amanhã, no Azerbaijão. A imprensa italiana começa a perder a paciência e cobra não só resultados, como maior liberdade na disputa interna entre Vettel e Leclerc, e questiona o excesso de erros do alemão. Não são poucos os que acreditam que o promissor Leclerc seja neste momento uma aposta mais segura do que Vettel para brigar com as Mercedes.

Este será o 3º GP do Azerbaijão, com largada amanhã às 9h10 e transmissão ao vivo da TV Globo e da rádio Band News FM. A edição do ano passado foi uma das mais malucas dos últimos anos na Fórmula 1 e acabou sendo uma das melhores corridas do ano. Teve um pouco de tudo, e no final a vitória caiu no colo de Lewis Hamilton depois de um erro de Vettel que perdeu o ponto de freada no final da longa reta dos boxes quando era líder, e de Valtteri Bottas ter um pneu furado na penúltima volta. 

O Circuito de Baku é disparado o mais perigoso do campeonato pelas altas velocidades e escassas áreas de escape onde os carros chegam ao final da longa reta dos boxes a mais de 320km/h. Ano passado Nico Hulkenberg registrou 329,2 km/h. É muito, em se tratando de pista de rua em que os pilotos passam 56% da volta com o pé cravado no acelerador, e 22% com o pé no freio. 

Apesar de sua curta história, o GP do Azerbaijão já protagonizou lances polêmicos com o próprio Vettel que em 2017 perdeu a cabeça e jogou o carro de propósito pra cima de Hamilton durante um período de safety car, além da batida entre os dois pilotos da Red Bull no ano passado, e um bizarro acidente de Romain Grosjean que foi para o muro quando o safety car estava na pista.

1º de maio
E lá se vão 25 anos sem Ayrton Senna. Saudades!