TRÁFICO DE ARMAS

Policiais e advogado são presos em Paraíso em decorrência de operação contra o tráfico de armas

Por: Nelson de Paula Duarte | Categoria: Polícia | 14-05-2019 12:59 | 6463
Foto de Reprodução

Dois policiais militares, um advogado e dois civis foram presos preventivamente na manhã desta terça-feira, 14, por possível envolvimento com os crimes de tráfico de armas de fogo e munições, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Cinco mandados de prisão foram cumpridos entre Passos e São Sebastião do Paraíso.

As prisões fazem parte da 2ª fase da  Operação Proditor, da qual participam o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), núcleos Passos e Varginha, 1ª Promotoria de Justiça de Passos e Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG).

Os presos foram levados respectivamente para o 12º Batalhão de Polícia Militar em Passos e para  os presídios de São Sebastião do Paraíso e de Passos. Os comandos dos 12º e 43º Batalhão da PMMG acompanharam os trabalhos. O Ministério Público não informou nomes dos suspeitos presos.
 
Segundo o MPMG, com o prosseguimento das investigações após a 1ª fase da operação, foi oferecida outra denúncia pela prática de novos crimes de organização criminosa, comércio ilegal de armas de fogo, munições e lavagem de dinheiro. As investigações apontaram a existência de uma rede de comércio ilegal nas cidades de Passos, São Sebastião do Paraíso e outros municípios vizinhos, integrada por civis e também por policiais militares e um advogado.

1ª fase Proditor

Por ocasião da primeira fase da operação, foram cumpridos 36 mandados de busca e apreensão e dez mandados de prisão temporária. Destes, seis mandados de busca e apreensão e dois de prisão foram expedidos em desfavor de policiais militares. Durante o cumprimento dos mandados de busca, foram apreendidas 23 armas de fogo e 1.279 munições, gerando ainda 12 prisões em flagrante.

A primeira fase da operação foi realizada no dia 1.º de outubro do ano passado e recentemente foram realizadas audiências, tanto na esfera administrativa da Justiça Militar, quanto na Justiça do Estado de Minas Gerais.
(por Diretoria de Imprensa do MP)