ELY VIEITEZ LISBOA

Realidade & Lenda

Por: Ely VIeitez Lisboa | Categoria: Cultura | 19-05-2019 21:23 | 549
Foto de Reprodução

Tu sabes, minha cara, que a essência não muda, só o acessório e a aparência? Já deves ter lido episódios bíblicos de mulheres notáveis, como Judite e Ester. E a controvertida Joana D’Arc. Mas vou falar-te de alguém de nosso tempo, mulher aparentemente comum. Seu nome pode ser Dánae, a seduzida por Zeus. Nos tempos modernos, todavia, nada é tão poético. É o médico que diz à nossa heroína, então com trinta e oito anos. Seu ovário está envelhecendo; você não terá filhos. Orgulhosa, Dánae quer desmenti-lo e começa um verdadeiro périplo para engravidar. Tu sabes, quando a mulher age, ataca, o homem se assusta. Esses são privilégios do macho. Sagaz, ela consegue, enfim, engravidar, pelos meios comuns da época. Dorme com um jovem professor da escola, onde ela também leciona. Grávida, alardeia para a cidade toda, sua vitória, descarta do reprodutor e começa a viver para a barriga, que aos poucos cresce, arredondada.

Um dia chega um mensageiro. Quer casar seu filho, que a conhece e gosta dela. Preocupada só com a gravidez, Dánae despacha o velho. Mais tarde, já de oito meses, o pretenso noivo reafirma o pedido. Pelo interfone, sem conhecê-lo, ela retruca que não pode aceitar. Está grávida. Quando a resposta é inesperada, há uma conquista. O moço diz que não é empecilho.

Conhecem-se. Ela se encanta com seus olhos mansos, homem ainda jovem, esguio. Ele repara no belo rosto de Dánae, na sua franqueza. Noivam e casam em um mês, quando a criança já vem chegando, devidamente oficializada, com mãe e pai. Não é um menino como os dois esperavam, mas uma menina forte, rósea, que cresceu em graça e beleza.

Tu sabes que hoje tudo é mais prático e menos poético. Há bancos de esperma, de óvulos, inseminação artificial, fertilização in vitro, fala-se em clonagem. A maternidade de Dánae é mais bela. Mudo sua história. Ela não cruzou com um pobre professor.

Tenho certeza de que a menina é filha de Zeus, que desceu do Olimpo sob forma de touro ou de cisne. Não. Com a nossa valente e bela Dánae, ele veio como chuva de ouro e cobriu seu seio e o corpo, fecundando-a. E por que não nasceu Perseu? Não sei, minha querida. Entendo pouco de genética.
(*)Ely Vieitez Lisboa  é escritora.
elyvieitez@uol.com.br