TEMPO INTEGRAL

Retomada do Ensino em Tempo Integral é anunciada para quatro escolas de Paraíso

Por: Roberto Nogueira | Categoria: Educação | 26-06-2019 17:18 | 751
Foto de Reprodução

A retomada do Ensino em Tempo Integral em 894 estabelecimentos do Estado de Minas Gerais foi anunciada no início da semana. As atividades que deverão ser reiniciadas a partir de agosto contemplam quatro escolas de São Sebastião do Paraíso onde estão sendo divulgadas a disponibilização de cerca de 150 vagas para estudantes dos anos finais. Segundo o deputado estadual Antônio Carlos Arantes, "gradualmente mais escolas serão beneficiadas", comentou.

O anúncio ocorre três meses depois de o governador Romeu Zema ter reduzido o programa no Estado no início deste ano. No primeiro momento passaram a ser atendidos a partir de maio deste ano 30.675 estudantes do ensino fundamental em 500 escolas estaduais. Em Paraíso o serviço foi mantido apenas nas escolas Clóvis Salgado, Inês Miranda Almeida e São João da Escócia. Já em outras escolas onde o serviço funcionava no ano passado as atividades foram suspensas. Na E.E. Coronel José Cândido em 2018 havia pelo menos duas turmas com 60 alunos no total, do 1º ao 5º ano que eram atendidos.

Segundo a Secretaria de Estado da Educação mesmo diante da extrema precariedade financeira do Estado o Governo de Minas Gerais, assegurou a manutenção e realização da educação em tempo integral no Ensino Fundamental em 2019. A iniciativa foi retomada, inicialmente, em escolas com alunos de menor índice socioeconômico, atendendo às comunidades de maior vulnerabilidade social em várias regiões do Estado. O critério usado para a seleção das escolas foi o indicador de Nível Socioeconômico das Escolas (Inse) até o Nível III, apontado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), a partir da participação dos estudantes na Prova Brasil. Fazem parte do Nível III do Inse os alunos com renda familiar mensal de até 1,5 salários mínimos.

Na semana passada a secretária de Estado da Educação, Júlia Goytacaz Sant´Anna, apresentou à Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) a prestação de contas da pasta referente aos primeiros quatro meses deste ano. A falta de verbas foi o motivo apontado pela secretária para "algumas escolhas" que o governador teve que fazer e para o investimento inferior aos 25% previstos para o setor. No caso da educação de tempo integral, ela informou que também está sendo elaborada uma nova matriz curricular integrada, para que os alunos não fiquem mais "soltos" no contra-turno, ou período da tarde, após as aulas do currículo regular. Mas a secretaria não apresentou o cronograma exato da recomposição das vagas que foram cortadas, vagas essas que o governo prometeu retomar, gradativamente.

A decisão inicial do governador foi muito criticada na Assembleia Legislativa onde os deputados não concordavam com a medida. O deputado estadual Doorgal Andrada chegou a entrar com uma ação na Justiça para cobrar a retomada do programa. No final de abril o governador se comprometeu em reativar 25 mil vagas suspensas em agosto de 2019 e prometeu retornar com mais 55 mil em fevereiro de 2020, totalizando 80 mil vagas que tiveram as atividades paralisadas. A redução atingiu o montante de 1640 para 500 escolas em que o programa está funcionando.

Retomada
Na tarde de segunda-feira, 24, o deputado estadual Antônio Carlos Arantes divulgou que o Governo de Minas havia anunciado a voltada Educação Em Tempo Integral para 894 escolas. "Compartilho com satisfação o anúncio do Governador Romeu Zema que autorizou a expansão, já para o 2.º semestre deste ano de 2019, da educação em tempo integral para 894 escolas estaduais. Gradativamente mais escolas serão beneficiadas", disse.

Ele acredita que a medida é fruto do diálogo e das conversações que Zema vem mantendo com diversos setores inclusive a Assembleia. "É o que sempre digo, quem ouve mais erra menos e foi isso que fez o Governo do Estado, ouviu a nós deputados e à população e voltou com o ensino em tempo integral, que vai beneficiar mais de 30 mil alunos em todo o Estado", acrescenta.

Arantes garante que não faltará apoio dos deputados para que os projetos do Governo visando recuperar a saúde financeira do Estado sejam aprovados na Assembleia. "Por isso que mesmo diante das dificuldades econômicas e financeiras, que estão aos poucos sendo reequilibradas, apoiamos o governo nos avanços necessários para dar novamente uma vida melhor a todos os mineiros", finaliza.

No entanto, em pelo menos três escolas consultadas pela reportagem onde havia o funcionamento das atividades em Tempo Integral, não havia informações oficiais sobre a retomada do programa. Ainda na tarde de segunda-feira, 24, foi realizada reunião da equipe do governo com representantes do Sindicato Único dos Trabalhos do Ensino de Minas Gerais.

Sindicalistas saíram insatisfeitas do encontro alegando que foram cobrados a lista de escolas e o cronograma do tempo integral que será ampliado em agosto. A resposta é de que haverá uma resposta até 28 de junho. Na avaliação do sindicato, as negociações não têm avançado. A queixa é de que o governo não atende às demandas da Educação e dos trabalhadores, além de atrelar toda a pauta financeira da Educação à adesão ao plano de recuperação fiscal.