WALKINHO

Notificação de vereador a Walkinho termina em boletim de ocorrência

Por: Bruno Félix | Categoria: Cidades | 06-07-2019 18:34 | 124
Foto de Reprodução

Nova polêmica envolvendo o prefeito Walker Américo Oliveira e o presidente da Comissão Parlamentar Processante (CPP) da Câmara Municipal, Luiz Benedito de Paula, foi registrada na manhã de quinta-feira (4/7).

Segundo informações, Luiz teria ido ao gabinete de Walkinho para abrir vistas dos autos para o prefeito apresentar sua defesa no processo, quando o prefeito teria feito ameaças de morte. Walkinho, em nota encaminhada ao Jornal do Sudoeste, negou o ocorrido e disse que já está tomando providência quanto a isto.

A CPP investiga o prefeito por possível improbidade administrativa em pagamento de honorários sucumbenciais ao INPAR.

Walkinho disse que foi surpreendido pela publicação feita por um portal de notícias, já que não foi procurado para um posicionamento. De acordo com ele, “a notícia foi mentirosa”. O prefeito diz que, de fato, recebeu o vereador Luiz Benedito de Paula e, após conversa, falou sobre seu ponto de vista do que os vereadores estão fazendo na CPP e que expôs um fato ocorrido quando serviu o Tiro de Guerra.

“Surpreende-me a coragem do vereador em colocar palavras na minha boca, mesmo com a presença de quatro pessoas na sala, sendo os vereadores Jerônimo e Serginho e os assessores Pedro Ivo e Denis Menezes, que podem comprovar que não houve qualquer fala desta natureza. Lamento a interpretação do vereador ser distante do que foi retratado, até porque sou pessoa muito religiosa e jamais ameaçaria qualquer pessoa”, defendeu o prefeito.

Walkinho disse ainda que se sente perseguido e que tem encontrado dificuldades para trabalhar. “Tenho que gastar tempo e energia para me defender de algo que não cometi, ao invés de focar em resolver outros tantos problemas existentes na Prefeitura. Ressalto que é preciso contribuir para a cidade apontando soluções ao invés de perder tempo com intrigas e fofocas vazias, que não contribuem em nada para nossa sociedade”.

Entretanto, o vereador Luiz Benedito de Paula, presidente da CPP, diz o contrário. Segundo o vereador, na quinta, por volta das 11h30, ele esteve na prefeitura para levar o relatório da CPP ao prefeito. Disse que foi atendido rapidamente e que na sala estavam os vereadores Sérgio Aparecido Gomes, Jerônimo Aparecido da Silva. Após situação, o vereador registrou boletim de ocorrência.

“Ele assinou as vias, olhou para o relatório, disse que era um absurdo, que era inocente e que não devia nada. Disse que se fosse caçado iria morrer gente por causa dessa cassação e deu um tapa no relatório e disse um monte de outras coisas. Eu questionei, dizendo que já que ele seria inocente porque não se defendeu dentro do prazo. Começou a bater boca comigo e eu simplesmente saí da sala. Estou cumprindo meu papel de presidente da CPP e não posso recuar”, completou.

Conforme os trâmites da CPP Walkinho terá o prazo de cinco dias para apresentar sua manifestação. Após esse período, os documentos do processo serão entregues ao relator da CPP, vereador Vinicio Scarano, para elaboração do parecer final. Em seguida, será agendada uma sessão de julgamento do processo na Câmara Municipal, que pode culminar no arquivamento do mesmo ou na cassação do cargo do prefeito.

Walkinho chegou a ser caçado em mesmo processo, em abril, mas reverteu situação após entrar com mandado de segurança para reintegração do cargo.