INCÊNDIO

Corpo de Bombeiros esclarece demora em atendimento de ocorrências de incêndio

Por: João Oliveira | Categoria: Cidades | 10-07-2019 17:46 | 5345
Foto de Reprodução

Moradores no Jardim das Paineiras passaram por maus momentos na tarde de segunda-feira (8/7) quando extensa área foi tomada pelas chamas provocando muita fumaça. Segundo relatos, foi o terceiro incêndio, somente nesta semana. O Jornal do Sudoeste recebeu vários telefonemas de moradores queixando-se que a situação estava "insustentável", lamentando que bombeiros haviam sido acionados, e até o momento em que ligaram para a redação do "JS" não tinham comparecido para combater as chamas.

O 2º Pelotão de Bombeiros Militares em São Sebastião do Paraíso esclareceu em nota as razões que levaram ao não atendimento imediato de ocorrência de incêndio registrado ontem (8/7) do Jardim das Paineiras. Segundo informou o 2º Pelotão, outras duas ocorrências graves estavam em andamento no mesmo horário, uma envolvendo um acidente entre carro e moto na Wenceslau Brás e outra envolvendo o resgate de um animal que teria caído na Lagoinha. Diante disto, e verificando que não havia riscos, não puderam se deslocar naquele momento para combater o incêndio.

Conforme informou o sargento Giovani Duarte, o período é de muita estiagem e, portanto, mais propício aos focos de incêndios devido ao clima seco. "As queimadas, como todos sabem, afetam a qualidade do ar. Pelo telefone de urgência e emergência "193", recebemos diversas reclamações, e a maioria dos relatos verificamos que não há risco de incêndio em residências, mas sim, incomodadas com a fumaça, e com razão, pois além de prejudicar a qualidade do ar, prejudica a saúde das pessoas, principalmente crianças e idosos, com problemas respiratórios, rinite, sinusite entre outras doenças", destacou

Após atender as ocorrências de maior prioridade, bombeiros se deslocaram até o Jardim da Paineira, onde extinguiram o incêndio que acometia um lote vago. Uma área de quatro hectares foi queimada pelas chamas. Segundo o Corpo de Bombeiros, tratava-se de uma área muito complicada, com terreno muito acidentado. Por não apresentar nenhum risco às demais residências vizinhas, priorizou-se os demais casos, onde havia vidas envolvidas.

"Devido este período de estiagem, o Corpo de Bombeiros tem uma crescente demanda diária decorrente de focos de incêndio principalmente em área urbana, e a maioria por ação humana, ou seja, insistem em queimar lixo e mato nos terrenos para "limpeza". Causar incêndio é crime previsto em leis e o autor responde pelos seus atos, dependendo da gravidade além de multa, pode causar até prisão", ressalta Giovani.

Conforme o bombeiro, colocar fogo em terreno, ainda que seja para fazer limpeza e provocar fumaça, ainda que não haja vítimas, é considerado crime de incêndio. Lembrando ainda que o incêndio pode causar danos em outros patrimônios, como residências vizinhas e o autor responde por todos os danos causados. Se o cidadão presenciar alguém provocando incêndio, deverá solicitar a lavratura de um boletim de ocorrência policial por crimes ambientais decorrentes de incêndio", destaca sargento Giovani.

O Corpo de Bombeiros alerta ainda que lixo, mato crescido que evidenciam risco de incêndio poderão ser denunciados diretamente na Secretaria do Meio Ambiente do município ou fiscalização correspondente e, em caso de incêndios em lote vago e matas, o cidadão deverá acionar o Corpo de Bombeiros.

"Quero explicar que atendemos diversos tipos de ocorrências, além de combate à incêndios, socorro público através de resgate, salvamentos diversos, defesa civil entre outros, e dependendo da demanda e da diversidade de ocorrências atendidas pelo Pelotão serão priorizados os incêndios com risco à residências, matas nativas e em rodovias devido ao risco de acidentes", ressalta.

Sargento Giovani ressalta ainda que é primordial que a população se conscientize. "Os proprietários são responsáveis pelos lotes vagos, deverão realizar sua limpeza e conservação. Para a população em geral, não jogar lixo, papel, madeira, móveis usados, pneus em terrenos entre outros. Na área rural, proprietários de sítios e fazendas devem realizar aceiro adequado para que o incêndio não passe para as plantações, mata nativa e não tenha risco para sua residência", acrescente.

Por fim, o bombeiro destaca que o município de São Sebastião do Paraíso possui lei municipal que prevê sobre a limpeza dos terrenos, onde os proprietários são responsáveis por isto e deve evitar o uso do fogo, ajudando com isto no combate a doenças como dengue e proliferação de animais peçonhentos como cobras e insetos. Destaca ainda que é terminantemente proibido o acúmulo de lixo e pneus. "Com relação a pneus usados, o município tem um local de coleta, com isso a população não precisa descarta-los em lotes vagos", completa sargento Giovani.