CRÍTICAS

Marcelo de Morais e Zé Luiz do Érica criticam situação envolvendo Ademir Ross

Por: João Oliveira | Categoria: Política | 08-08-2019 09:13 | 953
Vereadores criticam e lamentaram situação envolvendo vereador que foi preso por suspeita de extorsão do prefeito Walkinho
Vereadores criticam e lamentaram situação envolvendo vereador que foi preso por suspeita de extorsão do prefeito Walkinho Foto de ASSCAM

Os vereadores Marcelo de Morais e José Luiz do Érica comentaram na sessão de segunda-feira (5/8), sobre  situação envolvendo o vereador Ademir Ross, preso por suposto crime de extorsão contra o prefeito Walker Américo Oliveira. Antes, Morais pediu abertura de investigação do caso a Comissão de Ética e Decoro Parlamentar para cassar o mandato de Ademir caso fique provado que ele teria solicitado R$ 50 mil para votar em favor do prefeito em CPP que o investiga.

Morais retomou o caso envolvendo o vereador acusado e destacou que o pedido foi para que Ademir Ross tivesse o direito de ampla defesa. O vereador destacou a ação de Sérgio Aparecido Gomes, que teria sido o primeiro a tentar defender Ademir Ross e saber o que estaria acontecendo. Marcelo elogiou o trabalho da Polícia Civil e do Ministério Público, mas questionou o flagrante que culminou com a prisão do vereador Ademir e o porquê de o prefeito não estar preso.

Marcelo acusou Walkinho de aliciar o vereador. "O prefeito não contou ao delegado e nem ao Ministério Público que ele pegou o vereador e colou dentro do carro de um secretário - e briguei como o vereador por isto -, e foi jantar dentro da casa do prefeito. O prefeito estava aliciando o vereador, criando solo fértil para ele ter abertura e pedir propina. O Ademir errou, e vai responder por isto. Se eu tivesse essa influência toda que o vereador e prefeito citam neste áudio, quem estaria preso era o Walkinho e não o Ademir".

O vereador acusou também o prefeito de "usar o sofrimento do povo de Guardinha para aliciar o vereador" e disse ter provas de tudo que estava falando. "Tudo o que fizemos com o Ademir, foi para que o que aconteceu com ele não acontecesse", disse. O vereador afirmou que questionaria o MP, que segundo ele teria entrado em contato com o procurador do município "para tratar um assunto estritamente importante com o prefeito".

O clima ficou pesado com a manifestação de um dos expectadores da sessão, com quem Marcelo chegou a bater boca. O vereador Jerônimo Aparecido chegou pedir intervenção do presidente da Casa, "para colocar ordem". Jerominho, respondendo a acusação de que vereadores teriam ido a Prefeitura para articular manifestação contra Morais durante uso da tribuna, respondeu que lá esteve para "entregar cinco ambulâncias que o deputado Antônio Carlos arrumou, eles são meus amigos e conversei e converso com eles, vossa excelência não manda em mim", disse.

Por fim, após debate acalorado entre os vereadores, Morais disse que "cada um faz a sua escolha e que se o prefeito tivesse cortado o Ademir no primeiro parágrafo, hoje o Ademir não estaria preso e o prefeito não estaria sendo questionado. Estou fazendo uso da tribuna. Tudo o que falei aqui hoje, eu tenho como provar. Fica a minha indignação e meus questionamentos", completou.

ZÉ LUIZ DO ÉRICA
O vereador José Luiz das Graças lamentou o ocorrido e lembrou a situação que desencadeou todo o ocorrido: a CPP dos honorários. "Foi um episódio lamentável envolvendo o vereador Ademir Ross e Walkinho", disse.

Afirmou que tem acompanhando as redes sociais viu muitos comentários onde diziam que vereadores deveriam se unir ao prefeito. "Eu não me uno a um prefeito que vem sendo investigado por várias comissões. Os fatos foram apurados com base em documentações e interrogatório de testemunhas que deram depoimentos importantes a essas CPPs ou CPIs", afirmou.

Disse ainda que é vereador e que vota no que é certo, independente do prefeito que esteja no poder. Teceu críticas a atual gestão municipal. "É importante ressaltar que a CPP está apurando um possível crime de improbidade administrativa por parte do prefeito há mais de três meses", lembrou.

Por fim, segundo o vereador, o caso envolvendo Admir deve ser apurado minuciosamente. "Nós, vereadores, iremos tomar as medidas cabíveis, conforme determina a lei. Espero que a justiça possa fazer seu trabalho, como sempre, que é para apurar possíveis crimes", completou.

PREFEITO
Segundo o Prefeito Walker Américo, a acusação ventilada pelo vereador Marcelo de Morais é inconsistente e não merece nem ser debatida, pois, "toda questão envolvendo tais fatos já está sendo deliberada pelo judiciário em segredo de justiça que, após a conclusão dos trabalhos, acredito que irá externar a decisão", afirmou.

Vereador  José Luiz do Érica