POLEPOSITION

Insano GP da Bélgica

Por: Sérgio Magalhães | Categoria: Esporte | 01-09-2019 11:21 | 979
Acidente ‘monstro’ na largada do GP da Bélgica de 1998
Acidente ‘monstro’ na largada do GP da Bélgica de 1998 Foto de LAT Images

“Ele tentou me matar, ele tentou me matar(!)”… Por aí dá para sentir como foi o clima do insano GP da Bélgica de 1998. Michael Schumacher desceu furioso de sua ‘Ferrari com três rodas’, como jamais visto em toda sua carreira, e se dirigiu até os boxes da McLaren para tirar satisfações com David Coulthard.

Se deixassem, o alemão certamente iria às vias de fato, mas a turma do deixa-disso o segurou. O motivo foi um grave acidente na volta 25 quando Schumacher foi colocar uma volta no escocês que era retardatário, e acabou ‘enchendo’ a traseira da McLaren a mais de 200 km/h, arrancando a suspensão dianteira direita da Ferrari. Por sorte Schumacher não se feriu, mas era o tipo do acidente que poderia trazer sérias consequências.

Recorrendo às versões dos envolvidos, “Fui informado que Michael estava atrás de mim e que deveria deixá-lo passar, e ele acertou a minha traseira”, disse Coulthard; Para Schumacher, “ele tirou o pé deliberadamente quando eu ia ultrapassá-lo… ele queria me matar”! A Federação Internacional de Automobilismo viu como acidente de corrida. Outros tempos!  

Chovia forte naquele domingo, 30 de agosto e apenas 8 dos 22 carros que largaram, receberam a bandeirada. A vitória foi de Damon Hill em dobradinha da Jordan com Ralf Schumacher em 2º. Um dia de festa para a equipe irlandesa que vencia pela primeira vez uma corrida de Fórmula 1 depois de 127 GPs disputados. Aquela acabou sendo também a 22ª e última vitória de Hill, campeão Mundial de 1996 com a Williams.  

Mas não foi só o entrevero entre Schumacher e Coulthard que marcou o GP da Bélgica que recebeu ameaças terroristas através de carta anônima exigindo US$270 milhões a ser enviado ao Sudão, sob ameaça inclusive de sabotar o carro de Schumacher.

Na sexta-feira, Jacques Villeneuve destruiu a Williams na desafiadora curva Eau Rouge, e Mika Salo fez o mesmo com a Arrows no dia seguinte. Ambos saíram ilesos, mas acidente maior estava por vir na largada da corrida quando o mesmo David Coulthard perdeu o controle do carro, bateu no guard-rail, ricocheteou de volta para a pista e causou uma reação em cadeia com 13 carros batendo. Por sorte, mais uma vez ninguém se feriu naquele que é um dos maiores acidentes da Fórmula 1em largada.

Com o abandono, Schumacher perdeu a chance de assumir a liderança do campeonato já que o líder, Mika Hakkinen, que também não completou a prova, se sagraria campeão ao final da temporada. 

Passada as férias de agosto, a Fórmula 1 está de volta com o GP da Bélgica no espetacular Circuito de Spa-Francorchamps, com seus 7.004 metros, intercalados por curvas de todos os tipos, retas longas em subidas e descidas, e o clima sempre imprevisto na região das Ardenhas.

Precisa ser otimista demais acreditar que possa haver reviravolta no Mundial com a diferença de 62 pontos de Lewis Hamilton para o segundo colocado, Valtteri Bottas, e 69 para o terceiro, Max Verstappen. Mas a Fórmula 1 vem de quatro cor-ridas espetaculares e as características e tradição de Spa-Francorchamps são convidativas para outra grande corrida amanha com largada às 10h10, ao vivo na Globo e Rádio BandNews FM. 

Este será o 64º GP da Bélgica, que tem como novidade a promoção de Alex Albon à Red Bull, no lugar de Pierre Gasly que fez caminho inverso, rebaixado à Toro Rosso. Ainda nos bastidores, a Mercedes renovou o contrato de Bottas para 2020, e a Renault anunciou para o ano que vem o francês Esteban Ocon no lugar de Nico Hulken-berg para a próxima temporada.