BULLYING

Criança sofre bullying e mãe recorre à Comissão de Educação da Câmara pedindo providências

Por: João Oliveira | Categoria: Educação | 28-09-2019 10:20 | 1041
Foto de Reprodução

A mãe de uma criança de cinco anos que estuda no Caic, em São Sebastião do Paraíso, recorreu à Câmara Municipal para que sejam tomadas providências em relação ao bullying que, segundo afirma, a filha vem sofrendo na escola. De acordo com a correspondência lida durante a sessão da Câmara desta semana, a criança sofre de um caso particular em que uma bactéria fez com ela perdesse todos os dentes e, desde então, vem sofrendo bullying por parte de alunos.

"Peço que a Comissão de Educação possa ajudar a mim e a minha família a obter uma solução. Minha filha, de cinco anos, possui um problema de saúde causado por uma bactéria encontrada no bico na mamadeira. Isso veio a causar um sério problema nos dentes, vindo a causar a perda de grande parte deles. Ela já está fazendo tratamento com o dentista, que fará a extração dos demais dentes afetados pela bactéria", explicou.

De acordo com a mãe da criança, devido a este problema de saúde a criança vem sendo vítima de bullying na escola. Segundo alega, colegas da criança ofendem a menina, principalmente no ônibus. "No transporte, minha filha pediu uma bolacha para um colega e este negou, dizendo que ela não poderia comer porque os seus dentes eram podres. Eu como mãe, fico indignada, porque a minha filha está traumatizada e não quer ir mais à escola", conta.

Segundo a mãe da criança, ela não foi atendida pela direção da escola, mas em conversa com a assistente social relatou toda a história e assinou um termo na presença de uma testemunha. Alegou ainda que a assistente social buscaria conversar com esses colegas e resolver a situação, mas até agora nada foi feito. "Sobre a situação no ônibus, liguei na escola e fui informada que esta só era responsável pelo aluno do portão da escola para dentro, que do portão para fora não era mais responsável. De quem é então?", questionou.

Ainda, de acordo com a reclamante, ela solicitou uma reunião de pais para expor a situação, mas até o momento não obteve resposta. "Peço ajuda da Comissão de Educação para que providências sejam tomadas para que minha filha possa ter uma vida normal, sem passar por nenhum tipo de agressão psicológica", completa.

A COMISSÃO
Ciente da situação, a Comissão de Educação da Câmara já se mobilizou para tentar buscar uma solução para a situação. De acordo com o membro da Comissão, Luiz Benedito de Paula, já foram feitos contatos e situação está em andamento para solucionar o problema. "É muito triste uma criança passar por isso. Segundo a mãe, ela não conseguiu falar com a diretora, então iremos averiguar e busca a melhor solução possível".

Cidinha Cerize ressaltou que o caso da criança é delicado, e que é preciso dar um carinho a essa mãe e explicar aos demais pais a situação e orientar a essas crianças a não fazerem isso com a criança. "Acredito que fale sempre a sensibilidade de todos para resolver a situação. Vamos contar com o apoio da Secretaria de Educação, com a equipe da Saúde para resolver esse caso", completou. 

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO
A reportagem do Jornal do Sudoeste entrou em contato com a Secretaria de Educação por meio da assessoria de comunicação da Prefeitura, mas até o fechamento desta matéria não obteve retorno. Entretanto, a assessoria de comunicação do município ressaltou a importância da população em registrar toda e qualquer reclamação na Ouvidoria do município, para que a Prefeitura tenha isso oficializado e possa tomar as providências cabíveis.