POLEPOSITION

Deu ‘pau’ na bandeirada eletrônica da F1

Por: Sérgio Magalhães | Categoria: Esporte | 19-10-2019 08:29 | 1409
A tradicional bandeira quadriculada  é apenas simbólica na Fórmula 1.  O que vale é a sinalização eletrônica que ‘deu pau’ em Suzuka
A tradicional bandeira quadriculada é apenas simbólica na Fórmula 1. O que vale é a sinalização eletrônica que ‘deu pau’ em Suzuka Foto de Divulgação

Um fato inusitado passou despercebido durante a transmissão do GP do Japão, e os desdobramentos só foram percebidos depois da corrida.

‘Deu pau’ no sistema eletrônico da Fórmula 1(!). Quem lida com computadores, internet, conhece bem essa gíria de quando há um mau funcionamento do aparelho. 

Desde o GP do Canadá do ano passado, quando  a modelo canadense, Winnie Harlow, convidada para agitar o pano quadriculado para o vencedor, Sebastian Vettel, cometeu o engano de fazê-lo duas voltas antes das 70 programadas, a Fórmula 1 adotou um sistema eletrônico em que a bandeira quadriculada aparece num painel na entrada da reta dos boxes, determinando o fim da corrida. Na prática, é o sinal eletrônico, e não a bandeira física, ou as voltas programadas que encera a prova.

Em Suzuka, os carros percorreram as 53 voltas programadas, mas na 52ª a bandeira quadriculada eletrônica apareceu no painel e o diretor de provas, Michael Masi, não estava certo se o líder da corrida, Valtteri Bottas, havia visto o sinal quando entrou pela penúltima vez na reta dos boxes. Masi estava certo apenas de que a sinalização fora visualizada pelos demais pilotos, e foi rápido, na via das dúvidas, em pedir à Mercedes para que Bottas continuasse acelerando. 

Por coincidência, na volta 53 (última), Sergio Pérez que disputava a 8ª posição com Pierre Gasly, levou a pior e bateu na barreira de proteção. Na pista, o mexicano ficou na 14ª posição, mas na correção da falha eletrônica, foi consideradas as posições de cada piloto na volta 52 como resultado oficial da corrida, o que garantiu os dois pontos da 9ª posição de Pérez, causando desdobramentos daí para trás. Pior para o companheiro de Pérez na Racing Point, Lance Stroll, então 10º colocado, caiu para 11º e perdeu o ponto que conquistaria, e Nico Hulkenberg que somaria 2 graças à batida de Pérez, caiu para 10º, marcando apenas um ponto para a Renault.    

A Fórmula 1 que sempre busca a perfeição acabou sendo vítima da própria tecnologia que ela implantou para evitar um erro humano. 

Mercedes hexa, Hamilton quase lá
A vitória de Valtteri Bottas e o 3º lugar de Lewis Hamilton garantiu à Mercedes a conquista do sexto título consecutivo do Mundial de Construtores, igualando o recorde da Ferrari, campeã de 1999 a 2004. De quebra, o resultado do GP do Japão limou as chances da dupla da Ferrari (Sebastian Vettel e Charles Leclerc), e Max Verstappen (Red Bull) da disputa do título de pilotos, agora matematicamente apenas nas mãos de Lewis Hamilton e Valteri Bottas, mas com larga vantagem para o inglês, 64 pontos (338 a 274), que tem o primeiro match point já no próximo final de semana, no México, para conquistar também o seu hexacampeonato, caso consiga somar 14 pontos a mais que o companheiro de equipe. Se não der no México, Hamilton ainda terá os GPs dos Estados Unidos, Brasil e Abu Dhabi para ficar apenas um título atrás do maior vencedor de todos os tempos da Fórmula 1, Michael Schumacher. 

Stock Car
Depois de um mês sem corridas, a Stock Car está de volta neste final de semana com a 9ª etapa do campeonato que entra na reta final com rodada dupla de Cascavel, no oeste do Paraná. Depois vão faltar três etapas para o final. Ricardo Mauricio é o novo líder com 245 pontos, contra 239 do vice, Daniel Serra, mas existem pelo menos seis pilotos com chances reais de título.