CARGOS E CARREIRA

Área Azul, Plano de Cargos e Carreira do Magistério e GCM voltam a ser cobrados por vereador

Por: João Oliveira | Categoria: Política | 06-11-2019 10:42 | 453
Foto de ASSCAM

A Área Azul voltou a ser tema de discussão na Câmara Municipal. A polêmica girou ao redor da ausência de agentes da empresa para a venda de bilhetes e também sobre cobrança de R$ 10 referente ao tempo "extrapolado" no estacionamento. O secretário de Segurança Pública, Trânsito, Transporte e Defesa Civil, Miguel Félix, explicou que não é a função do agente vender bilhete, mas garantir a rotatividade do estacionamento. Segundo ele, para venda de bilhete há dois pontos fixos e também 12 pontos credenciados em comércio no centro.

O vereador Marcelo de Morais ressaltou que a reclamação  é antiga. "Parece que esses agentes se escondem quando a gente estaciona. Você olha em volta à procura de plaquinhas com os pontos de venda, e nada. Vai no aplicativo, não está funcionando - prova disso foi um teste que fizemos no centro. Do nada, já aparece a notinha notificando sobre o estacionamento irregular, senão seremos multados", destaca o vereador.

Morais, após tecer duras críticas à gerência do estacionamento rotativo, disse ainda que foi procurado por uma cidadã que reclamou de duas multas, uma delas de que ela teria estacionado a moto em vaga de carro, mas que não havia foto na notificação comprovando a infração. Após fazer esses apontamentos, o vereador cobrou ainda o envio de projetos de lei que tratam sobre o plano de cargos e carreira do magistério e da Guarda Civil Municipal.

"O ano já está acabando, depois dizem que nós é que não aprovamos. Segundo o Rildo (presidente do Sempre), tem sido feitas reuniões sucessivas para poder deliberar sobre essas questões. Não temos tido resposta. Pedimos ao chefe do Executivo que encaminhe esses projetos para que possamos deliberar ainda este ano. Sabemos que no próximo ano é ano político e assim não criamos problema para ninguém", completou.

ÁREA AZUL

O secretário de Trânsito, Miguel Félix, à reportagem do Jornal do Sudoeste disse que já notificou a empresa para divulgar melhor a função do agente da área azul. "As pessoas têm a visão de que o agente está ali para vender, e não é esta a função desse agente, ele está ali para garantir a rotatividade do estacionamento. Para a venda de bilhetes foram instalados dois pontos fixos, um na Praça da Fonte e outro na Praça da Matriz, além de 12 pontos em comércios credenciados", explica.

Em relação ao aplicativo, que de acordo com reclamação de vereadores não estaria funcionando, o secretário disse que já tomou conhecimento da situação e que solicitou providências o quanto antes da empresa e explicou que a taxa de R$ 10 para o extrapolamento de tempo no estacionamento rotativo, foi um acordo feito com a empresa para que ao invés de se multar o veículo estacionado irregularmente, o cidadão pudesse apenas pagar esse valor e ter seu veículo liberado.

"Vamos nos reunir com a empresa novamente para resolver a questão. Essa tarifa se deu pela seguinte questão: ao invés do condutor pagar R$130 de multa pelo estacionamento irregular, para que não leve esta multa direto e tenha o veículo removido, por sugestão do diretor da Zona Azul foi colocada essa tarifa; é uma condição para o condutor não ter que pagar a multa. Mas se está gerando todo esse transtorno, iremos revogar essa taxa, no entanto, a partir do momento que isso acontecer, vai ser muito pior, porque assim que for identificado o estacionamento irregular, o condutor será autuado conforme a legislação", explica o secretário.

Por fim, Miguel falou que será discutido com a empresa a respeito da taxa, mas a partir do momento que ela for tirada, o condutor correrá o risco de ser autuado no momento que for identificado o estacionamento irregular. "Essa é uma preocupação nossa, mas se a população está reclamando da taxa, iremos tirá-la", completou.