ESPECIAL - INTERLAGOS

Max Verstappen vence frenético GP do Brasil, em Interlagos

Mesmo com os campeonatos de pilotos e de construtores já decididos, Interlagos assistiu à melhor corrida do ano da Fórmula 1
Por: Sérgio Magalhães | Categoria: Esporte | 17-11-2019 18:54 | 1332
Max Verstappen festeja grande vitória no GP do Brasil
Max Verstappen festeja grande vitória no GP do Brasil Foto de F1 / Divulgação

Sergio Magalhães, de Interlagos

O Circuito de Interlagos manteve a tradição de sempre proporcionar boas corridas. Hoje não foi diferente. Numa pista em que as características do próprio traçado proporcionam grandes disputas, o que se viu foi a melhor corrida do ano. Não por acaso os pilotos adoram correr aqui. Foi frenético o 48º GP do Brasil. Uma corrida marcada por estratégias diferentes de pneus entre vários pilotos e que terminou com festa de Max Verstappen que venceu pela terceira vez no ano. 

Versteppen tinha um caso mal resolvido com Interlagos quando no ano passado caminhava para uma vitória tão brilhante quanto a de hoje, mas envolveu-se numa disputa desnecessária com um retardatário e acabou perdendo a corrida para Lewis Hamilton.

Desta vez o holandês fez corrida impecável, apesar de levar um susto no primeiro pit stop quando quase foi acertado por Robert Kubica. E confirmou o bom desempenho da Red Bull desde os treinos. Versteppen largou da pole position, segurou a primeira posição na largada e ainda protagonizou dois grandes duelos com Lewis Hamilton para ganhar a corrida.

A festa não foi só de Verstappen. A Honda também teve muito o que comemorar e sai de Interlagos com um saldo extremamente positivo depois de conquistar a pole com Verstappen, vencer a corrida e colocar dois pilotos no pódio com o 2º lugar de Pierre Gasly, da Toro Rosso. O francês acabou fazendo história em Interlagos ao segurar na última volta o ataque de Hamilton. 

Por um instante da corrida os carros com motores Honda chegaram a ocupar as três primeiras posições depois da batida entre as duas Ferrari e um terceiro pit stop de Lewis Hamilton que aproveitou o momento de safety car na pista.

Mas foi o próprio Hamilton quem cometeu um erro na penúltima volta ao tocar em Alexander  Albon na curva Bico de Pato, impedindo o que poderia ser uma dobradinha da Red Bull.

Desta confusão, Pierre Gasly que havia sido ultrapassado por Hamilton na relargada, retomou a posição e terminou em 2º. 

Após a corrida os comissários da Federação Internacional de Automobilismo aplicaram punição de 5 segundos a Hamilton pelo toque em Albon e acabou perdendo a 3ª posição para Carlos Sainz Jr, da McLaren que largou da última posição por quebra de motor no treino, e fez a corrida toda com apenas um pit stop. 

Hamilton que chegou a subir no pódio em 3º, ficou em 7º após a punição. Foi o primeiro pódio de Sainz na Fórmula 1, e o primeiro da McLaren desde o GP da Austrália de 2014.

Pelos lados da Ferrari, Sebastian Vettel e Charles Leclerc vão ter muito o que explicar para a direção da equipe depois do enrosco entre os dois na 66ª volta. Eles travaram uma disputa intensa pela 4ª posição quando Leclerc ultrapassou Vettel na freada do S do Senna, e ao tentar revidar no final da reta oposta, Vettel acabou tocando no companheiro de equipe, levando os dois ao abandono. Leclerc com a suspensão quebrada, e Vettel com um pneu furado.

Pouco antes, Valtteri Bottas que fazia corrida discreta, em 4º, abandonou com o motor quebrado, ocasionando a primeira intervenção do safety car. Neste momento a corrida começou a se definir. Verstappen foi para os boxes e fez o segundo pit stop, substituindo os pneus médios pelos macios. Hamilton permaneceu na pista. Um erro da Mercedes, já que seus pneus haviam sido trocados na volta 21. 

Mais do que ter os pneus gastos, o hexacampeão ainda teria a desvantagem de estar com os compostos médios contra os macios novos de Verstappen. Não deu outra, na relargada Verstappen ultrapassou Hamilton no S do Senna, o piloto da Mercedes ainda tentou dar o troco no final da reta oposta, mas prevaleceu a maior velocidade de Verstappen que assumiu a ponta para não mais perder.

Destaques também para a boa corrida da Alfa Romeo que com o abandono de Bottas e das Ferrari, terminou em 5º e 6º com Kimi Raikkonen e Antonio Giovinazzi, respectivamente.

Daniel Ricciardo que se tocou com Kevin Magnussen no começo da corrida subiu para 6º com a punição de Hamilton, salvando a Renault num final de semana para esquecer, em Interlagos. Lando Norris terminou em 8º com o outro carro da McLaren, seguindo por Sergio Pérez (Racing Point) e Daniil Kvyat (Toro Rosso) completando os dez primeiros. 

Dos 20 carros que largaram, apenas Bottas abandonou a corrida. A Fórmula 1 se despede de São Paulo e encerra a temporada daqui a 15 dias em Abu Dhabi, completando o calendário mais longo da história da categoria com 22 provas.