VACINA

Paraíso aguarda resposta da Regional de Saúde sobre a vacina Pentavalente

Por: João Oliveira | Categoria: Saúde | 15-01-2020 08:50 | 961
Órgãos de saúde também aguardam com expectativa chegada de novas doses para regularizar vacinação de crianças
Órgãos de saúde também aguardam com expectativa chegada de novas doses para regularizar vacinação de crianças Foto de Divulgação

A Coordenação de Vigilância em Saúde, da Prefeitura de São Sebastião do Paraíso, aguarda para esta quarta-feira,15, resposta da Diretoria Regional de Saúde de Passos para definir a data da retomada da vacina Pentavalente. O atendimento à população está suspenso desde meados do segundo semestre do ano passado em todo o País por falta do medicamento. A reprovação no lote da vacina fez com que o Brasil suspendesse a aquisição da vacina e a distribuição das novas doses aos Estados começou a ocorrer nesta semana.

São Sebastião do Paraíso é um dos municípios que tem sofrido com a falta de doses da vacina pentavalente, que combate doenças como difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e a bactéria Haemophilus Influenze Tipo B. Isso se deu porque, conforme divulgado pelo Ministério da Saúde, A vacina não é fabricada no Brasil e houve problema em lote produzido no exterior. Com a reprovação do lote, isto levou o desabastecimento em todo o país, inclusive em Paraíso.

Conforme a coordenadora municipal de Vigilância em Saúde, Daniela Cortez Aguiar, desde o final do ano passado que Paraíso está sem as doses da vacina. A Secretaria Estadual de Saúde havia repassado entre o final de outubro e começo de novembro cerca de 2.330 doses da vacina que foram distribuídas aos municípios. “Nós aguardamos para esta quarta-feira,15, um novo contato da Diretoria Regional que nos dará um posicionamento oficial de quando chegarão as novas doses. Assim que tivermos uma resposta definitiva faremos um comunicado à população”, acrescenta.

A pentavalente é uma das vacinas que faz parte do Programa Nacional de Imunização e é importante porque protege o indivíduo de cinco doenças. Desde 2012, o programa do Ministério da Saúde, oferta gratuitamente esta vacina na rotina do Calendário Nacional de Vacinação. Na rede particular de saúde, a dose desta vacina pode chegar a R$ 400. A vacina é dada em três doses na criança sendo aplicada aos dois, quatro e seis meses, com reforço aos 15 meses e outro aos quatro anos.

O Ministério da Saúde solicitou a reposição do fornecimento do material e adquiriu cerca de 6,6 milhões de doses que começaram a chegar de forma escalonada no Brasil em agosto.

A previsão é que o abastecimento volte à normalidade já nas próximas semanas, uma vez que a distribuição aos estados está sendo retomada de forma gradativa. Quando os estoques forem normalizados, o Sistema Único de Saúde (SUS) fará uma busca ativa pelas crianças que completaram dois, quatro ou seis meses de idade entre os meses de agosto e novembro para vaciná-las.
(Com a colaboração do repórter João Oliveira)