CAFEICULTORES

Juliana Paulino toma posse como presidente da Associação dos Cafeicultores do Sul de Minas

Por: Nelson de Paula Duarte | Categoria: Agricultura | 14-02-2020 16:05 | 1857
Advogada e cafeicultora, Juliana Paulino da Costa Mello
Advogada e cafeicultora, Juliana Paulino da Costa Mello Foto de Nelson P. Duarte

A advogada e cafeicultora, Juliana Paulino da Costa Mello, é a presidente da recém-criada Associação dos Cafeicultores do Sul de Minas (ACAF). A solenidade de posse da diretoria foi no quinta-feira (13/2), no estande da EMATER-MG, na FEMAGRI, feira promovida pela Cooxupé.

Ao Jornal do Sudoeste Juliana Paulino disse que o objetivo principal da ACAF é a valorização do café do Sul de Minas, e terá abrangência de 149 municípios, por suas microrregiões. Ela enfatiza que o café sulmineiro sempre foi reconhecido dentro do país e internacionalmente como de “qualidade”, e sendo assim não pode ser tratado simplesmente como commodities.

“A ideia é buscar o aumento do valor do café produzido de forma consistente, contínua e sustentável, por meio de duas ações principais, ou seja, a qualificação do cafeicultor, seja com a transferência de conhecimento/educação, tecnologia e metodologias de gestão adequadas à realidade dos cafeicultores dessa região, e pelo fomento da criação de IG’s que buscam agregar valor ao café produzido pelo registro de sua identidade geográfica” disse.

Salienta que a ACAF irá trabalhar na capacitação do produtor na sustentabilidade. De vez que os cafeicultores já são sensíveis ao cuidado e preservação ambiental, e sempre se mostraram fraternos seja no dia a dia em suas propriedades ou colaborando no âmbito de seus municípios ou regiões, Juliana defende a necessidade de maior foco na sustentabilidade econômica.

“Nosso café precisa ser valorizado, com o preço que merece”, ressalta a presidente da ACAF, ao enfatizar as várias regiões produtoras de café em Minas, a “a das montanhas, a vulcânica,  dentre outras, todas com seus padrões de sabor”, variedade que hoje estão disponíveis em cafeterias no Brasil e mundo afora.

A proposta da Associação é aglutinar essas microrregiões, e conforme explica Juliana Paulino haverá regras, como se fosse uma certificação, de modo garantir um padrão mínimo de qualidade que vai da produção, gestão da propriedade e até envolvendo logística, para que a ACAF garanta tratar-se de café de qualidade.

A Associação nasce com o apoio de cooperativas, exportadores, de difusores de tecnologia. A ACAF participará das Feiras e Eventos do Setor da Cafeicultura do Sul do Estado, sempre no estande da Emater. “Começou com a Femagri em Guaxupé e seguimos para as demais. Outras regiões produtoras já conseguiram o  registro de indicação geográfica ou a marca coletiva . O que é uma grande estratégia de desenvolvimento territorial. Com ela, geramos possibilidades e melhoramos a visibilidade dos grãos”, explica.

A ACAF lançará plataforma digital nos próximos dias para adesões de cafeicultores, do pequeno ao grande produtor.

Juliana Paulino da Costa Mello, a presidente da ACAF, é advogada, e descendente de uma família de cafeicultores em Monte Santo de Minas, com experiência em produção e comercialização.