CRÔNICA HISTÓRICA

Deputado Cláudio Herculano Duarte

Por: Luiz Carlos Pais | Categoria: Cultura | 04-03-2020 15:04 | 1516
O Pharol. Juiz de fora, 7 de setembro de 1888.
O Pharol. Juiz de fora, 7 de setembro de 1888. Foto de Reprodução

Na cidade mineira de São Sebastião do Paraíso, próximo à atual esquina da Rua La Salle com a avenida Wenceslau Braz, inicia a Rua Cláudio Herculano Duarte. A denominação dessa via pública reverencia a memória do primeiro juiz de direito da comarca local, nomeado em 1892. Uma década antes, tinha o ilustre magistrado sido eleito deputado provincial pelo colégio eleitoral de Pouso Alegre, sua terra natal, onde seu pai era importante líder político. Fora eleito pelo Partido Conservador, em 31 de outubro de 1881, quando houve a renovação de oito deputados, sendo a maioria do Partido Liberal.

Foram eleitos, no referido pleito, os seguintes deputados: Antônio Augusto Velloso (conservador), Montes Claros; Major Antônio Cesário da Silva Oliveira (liberal), Uberaba; Antônio Jacob da Paixão (liberal), Rio Novo; Padre Antônio Ribeiro da Luz (conservador), Itajubá; Capitão Antônio de Santa Cecília (liberal), Leopoldina; Antônio Zacharias Álvares da Silva (liberal), Abaeté; Barão de Coromandel (liberal), Itaverava e Cláudio Herculano Duarte (conservador). Essas informações indicam que a tendência majoritária dessa assembleia era liberal, enquanto a linha política conservadora era minoritária, a qual estava associado o magistrado cujo nome ficou na história paraisense.

A comarca de São Sebastião do Paraíso, em 1905, além da sede, compreendia as paróquias de Espírito Santo da Prata, Peixotos, e São Tomás de Aquino, perfazendo uma população de 21 mil almas. Cláudio Herculano Duarte exercia o cargo de juiz direito, enquanto Braz Calafiori estava nomeado com suplente e o advogado Antônio Vilella de Castro, como promotor de justiça. Como tabelião do 1º ofício atuava coronel José Luiz Campos do Amaral, que depois seria eleito deputado estadual.

Mineiro de Pouso Alegre, Cláudio Herculano Duarte bacharelou-se em ciências jurídicas na Faculdade de Direito de São Paulo, em 10 de dezembro de 1863. Foi colega de turma de Prudente José de Moraes Barros, que anos depois seria o primeiro presidente civil do Brasil. Dois anos depois de receber o diploma, o jovem advogado foi nomeado juiz municipal de Jacuí, berço geográfico do Sudoeste Mineiro, em 5 de junho de 1865. Passados cinco anos, foi reconduzido ao mesmo cargo. Em 1870, quando a sede do antigo município de Jacuí foi transferida para São Sebastião do Paraíso, Cláudio Herculano Duarte passou a ocupar o cargo de juiz municipal da equipe que instalou o novo município.