CURTAS EDIÇÃO 2391

Curtas

Por: Redação | Categoria: Cidades | 25-03-2020 14:58 | 126
Foto de Reprodução

Credibilidade
Pesquisa do Instituto Datafolha avaliou junto a população, credibilidade nas informações divulgadas diariamente sobre a pandemia provocada pelo coronavírus. Segundo o Datafolha, veículos tradicionais como televisão, rádio e jornais gozam de maior confiança junto ao público. Redes sociais aparecem na ponta da linha, com menor confiabilidade. De acordo com a pesquisa 61% das pessoas confiam em noticiários das tevês, 56% nos jornais impressos, 50% no rádio, 38% em sites de notícia, 12% no Facebook e 12% no Whatsapp.

Água fria
E a pandemia de coronavírus lançou um balde de água fria nas pretensões de muita gente que já estava em pré-campanha para as eleições de outubro, que começa a ficar em risco. Nos bastidores políticos em Brasília já se debate a possibilidade do adiamento do pleito para o próximo ano. Uma das sugestões defendidas até mesmo pelo ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta é a utilização dos recursos do fundo partidário sendo aplicado no tratamento das vítimas do coronavírus. Movimentação até no Congresso Nacional já existe no sentido de aprovar projeto de lei aprovando o uso da verba pelos partidos e deixando a votação para 2021.

Histórico
É histórica a mobilização das pessoas em torno da prevenção ao novo coronavírus, que em época de pandemia atinge todo o mundo. Em São Sebastião do Paraíso as autoridades se esforçam para organizar a comunidade, onde muitos colaboram e auxiliam no cumprimento das medidas, principalmente em relação ao isolamento social. Contudo, ainda existem muitas pessoas que abusam fazem de tudo para colocar em xeque as ações e os trabalhos que são realizados. Como a situação está apenas começando serão longos dias de espera até que tudo se normalize.

Questionamento
Há uma semana a Secretaria Municipal de Saúde passou a divulgar o relatório sobre ao coronavírus no município paraisense. O boletim apresentado nas redes sociais todos os dias apresenta a relação de casos suspeitos, de confirmados e descartados. Pessoas desinformadas estão questionando os números apresentados e a situação dos pacientes que permanecem como suspeito por vários dias. Os dados conferem com a divulgação da Secretaria de Estado da Saúde que também apresenta Boletim Epidemiológico diariamente.

Volume
O que as pessoas questionadoras não entendem ou não querem entender é que o volume de exames para serem analisados aumentou demasiadamente. A Fundação Ezequiel Dias é o único órgão no Estado que faz a classificação de toda Minas Gerais. Por isso o prazo que antes era de 10 dias para se ter o resultado, passou para 20 e agora não há prazo estipulado. Cobrança pode ser feita ao Estado para o credenciamento de outros órgãos que ajude a agilizar nos resultados dos diagnósticos.

Gaguejou
No início da semana usuário do Facebook residente em Paraíso fez postagem afirmando que uma autoridade na área de Saúde no município teria impedido que funcionários do setor divulgassem um caso que seria positivo para coronavírus. Postagem puramente irresponsável, conforme atestou o Jornal do Sudoeste. Entramos em contato com o autor da postagem e o questionamos que dissesse quem lhe teria dado essa informação. A mesma pergunta lhe foi feita por assessora de comunicação da Prefeitura. Resultado, o autor da postagem desconversou. Esta coluna entende que autoridades deveriam agir com maior rigor em relação a quem anda, “por ouvir dizer”, espalhando informações falsas.

Competência
Desde a sexta-feira (20), alguns prefeitos da região assinaram decretos municipais e ordenaram o fechamento dos acessos a suas cidades. De acordo com os decretos desses chefes do Executivo, veículos com placas de outras localidades estão proibidos de entrar na cidade. Para os procuradores e promotores, não é de competência dos municípios estabelecer restrição genérica de acesso ao seu território. Ainda de acordo com a recomendação, as prefeituras podem implantar as barreiras sanitárias com amparo nas regras de enfrentamento à pandemia do Coronavírus.

Sem barreiras
O Ministério Público Federal (MPF) e o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) elaboraram recomendação conjunta no início de semana para que os prefeitos suspendam o fechamento dos acessos em suas cidades. Em vários locais foram utilizados desde cavaletes, correntes, manilhas, terra, ônibus escolares e máquinas pesadas foram atravessados nas rodovias e estradas de acesso a esses municípios. O documento é assinado por procuradores da República e por promotores do Ministério Público do estado. A medida é contrária a decisão de vários prefeitos que desde o final de semana ordenaram o fechamento dos acessos em suas cidades. A iniciativa visa impedir a dissemina-ção do COVID-19

Insustentável
A decisão se baseia na consideração de que a propagação da doença quando em fase de transmissão comunitária, como já declarado pelo Ministério da Saúde com relação a todo o território nacional, não é inibida pelo simples fechamento de determinado território do município com barricadas, barreiras policiais. O mesmo se aplica ao impedimento da entrada de não residentes, o que faz com que esta medida não guarde pertinência com a finalidade de conter a circulação do vírus. Os promotores, argumentam que as medidas adotadas pelas prefeituras não têm sustentação em ‘evidências científicas e em análises sobre as informações estratégicas em saúde’”.

Fazendária
A Secretaria de Estado da Fazenda é mais uma repartição estadual que desde ontem (23/03) mudou a forma de atendimento público, com o intuito de evitar aglomeração de pessoas, em função do Coronavírus. O órgão passou a atender presencialmente apenas mediante agendamento prévio para casos de extrema necessidade. Contribuintes do interior deverão fazer contato por e-mail para solicitar o agendamento. Apesar da indicação o link estava indisponível para os acessos do interior na terça-feira. O órgão reitera que a maior parte dos serviços prestados está disponível na internet, onde é possível ter acesso ao catálogo de serviços.