• Dos Leitores •

Humanidade

Por: Redação | Categoria: Do leitor | 25-04-2020 20:16 | 88
Laércio Felício da Silva, membro da Academia Paraisense de Cultura
Laércio Felício da Silva, membro da Academia Paraisense de Cultura Foto de Reprodução

Estamos amedrontados convivendo com o inimigo oculto que se espalha e propaga assustadoramente. Apreensivos e vulneráveis, sobrevivendo a um verdadeiro pesadelo. O isolamento social desenvolve a sensibilidade humana. O convívio familiar nos ensina a dar valor a igualdade e a liberdade.

Ao invés de nos preocuparmos com a situação existente, sensato seria saber a razão e o porquê de tudo isso. Mesmo diante da crise que assola a humanidade, existem pessoas que se expõem sem a menor necessidade. Cobaias ambulantes colocam em risco a saúde pública, médicos, enfermeiros, técnicos em saúde que se desdobram para nos auxiliar.

O êxito só será possível se cada um fizer sua parte, mesmo que contrarie nossos hábitos é um desafio novo para a ciência. Quarentena! Embora pareça desastrosa oferece uma grande lição no sentido afetivo. No meu entender, fique em casa é simplesmente um alerta, o objetivo é evitar a propagação do mal que nos aflige.

Uma pessoa contaminada pelo vírus afeta, por consequência, as demais. Quando causamos a dor em outros, criaturas indefesas atormentadas, em agonia, não praticamos a Lei do Amor. Sem amor, amizade e fraternidade, quem poderia ser feliz? A felicidade depende do que esperamos obter.

Em todo o planeta não há uma só pessoa sob ameaça da pandemia, que parou o mundo e não se preocupe com o simples fato de contrair o vírus, transmitir a família, os amigos e a sociedade. Imagine a consciência de uma pessoa portadora do vírus por descuido ou negligência?

O desequilíbrio é atraído pela carga emocional, o medo diminui a resistência natural do corpo, nos tornamos presas fáceis a doenças, infecções e outros males. A humanidade foi criada para viver em harmonia, aqueles contrários ao isolamento social colocam em risco á própria vida e o bem estar social comunitário do semelhante.

O homem abusou tanto de seu domínio na terra que existe agora uma desarmonia generalizada manifestando em doenças físicas e emocionais. Compete a cada um mudar seu estado de espírito, vibrações positivas recuperam o desejo de se sentir bem.

A humanidade teve e têm cientistas, pessoas inteligentes, pesquisadores a estudar remédios e vacinas no combate a doenças, vírus e outros males. Amanhã será um novo dia, deve haver uma diminuição no seu ritmo e, enfim a paz, a esperança e a fé voltem a reinar.

Crise é sinal de mudança. Tenha o máximo em cuidados é uma luta desproporcional frente um inimigo desconhecido.

Tudo na vida passa, isso também passará...
Laércio Felício da Silva, membro da Academia Paraisense de Cultura