ELY VIEITEZ LISBOA

Quando os sonhos morrem

Por: Ely VIeitez Lisboa | Categoria: Cultura | 09-05-2020 07:10 | 278
Foto de Reprodução

Não se deve bulir com o passado. Nem sei se ele existe, pois o que se guarda na mente tem muito pouco de realidade. Por isso sou presentista ferrenha, vivo com um pé no presente e outro no futuro: muito atenta ao que acontece e alimentando os ideais para concretizá-los no tempo que virá.

A culpa foi do tio querido que vive em Bagé, na divisa do Uruguai. Veio visitar-nos e teve um ataque de saudade: quis ir até à cidadezinha de Minas, onde nós dois nascemos. Eu preferia não ir, mas ele fez aquele ar pidão, morria de vontade de ver nossa terra natal.

Antes de chegarmos lembrei-me de que raras vezes ia até lá. Só nos casamentos e enterros. E já era muito. Tudo diferente, mudado. Também eu só queria ver a casa onde nasci, na realidade, olhar os belos canteiros em formato de estrelas, repletos de margaridas. Eram meu encantamento na infância.

A casa, totalmente reformada, avançara até o passeio. E meu jardim, as margaridas leitosas, com seus miolos de ouro? Senti-me roubada e temerosa. A outra casa para onde nos mudamos após, com seus cômodos grandes e o rico pomar no fundo? Teria sido destruída também? Havia mais de uma dezena de espécies frutíferas. As macieiras pejavam de pomos coloridos, as ameixas amarelas e macias, caldentas, cobertas de doce penugem, os pés de carambolas arqueados de frutos agridoces gomosos. Tudo fora ilusão, sumira nos dentes de Cronus, desaparecera?

Quando cheguei ao local do meu pomar, o coração apertou. Erradicaram todos os pés de frutas e construíram casinhas geminadas, para alugar. Parecia um pequeno Conjunto Habitacional de mau gosto. Uma lástima!

Na volta, vim silenciosa. Aprendera amarga lição. O passado, as recordações são tesouros do íntimo de cada um. As lembranças ficam cristalizadas, não mudam, enquanto a realidade é de um dinamismo inexorável.

A lição de Machado de Assis é sábia. Há que segui-la. O criador de D. Casmurro aconselha: Coloque uma laje sobre o passado e uma placa com os dizeres: Descanse em paz.

 

(*)Ely Vieitez Lisboa é escritora

E-mail: elyvieitez@uol.com.br