TERRA NOSTRA

Sobrenomes Italianos

Por: Manolo D´Aiuto | Categoria: Cidades | 13-05-2020 07:35 | 170
Foto de Reprodução

Bom dia e bem-vindo de volta aos amigos de São Sebastião do Paraíso!

Faz muito tempo desde a última vez que escrevi nas colunas deste jornal, mas é com orgulho e alegria  que retorno a vocês, queridos leitores, e faço isso como cidadão paraísense!

Na volta anterior, partimos das origens dos sobrenomes italianos que fizeram a história da cidade, descrevendo sua origem, etimologia e localização.

Hoje, no entanto, gostaria de começar uma excursão pelas origens da Itália, um viagem que levará alguns de vocês a se sentirem mais próximos de suas origens, a descobrir lados que você não conhecia, mergulhando na cultura italiana tão distante do Brasil, mas que flui pelas veias de muitos de vocês através do sangue de antepassados que chegaram muito anos atras.

Quando falamos da Itália, inevitavelmente falamos de Roma. Toda a história da península está intimamente ligada à de sua capital, que desde a sua fundação até hoje vincula os destinos dos habitantes daquela bota que os gregos chamavam Vitulia, que em de latim significa, a terra dos touros.

Existem várias histórias sobre a fundação de Roma que inevitavelmente se fundem entre realidade e mito.

O mais conhecido é, sem dúvida, os dos gémeos Romulus e Remus que, filhos de um vestal Rea Silva e do deus Marte, teriam fundado a cidade na margem do rio Tiber.

Hoje sabemos que realmente existiam dois personagens com esse nome, provavelmente exilados da cidade vizinha de Alba Longa que se assentaram em um vale pantanoso infestado de mosquitos, perto do rio Tiber, em 21 de abril do ano 753 a.C.

Deixando de lado o mito de que Romulus quer ter matado seu irmão por ter ultrapassado o pomerio, o limite sagrado da cidade, é interessante observar como o assassinato marca o nascimento de um povo que será movido pelo honor,  força e pela guerra.

Romolo, necesitando povoar a cidade,  começará a trazer de volta a si todas as pessoas que não tinham um lar permanente, muitos deles ladrões, bandidos e pastores.

Imediatamente o rei teve que enfrentar a necessidade de escassez de mulheres, sem a qual eles não teriam sido capazes de garantir a contribuição necessária ao exército, que seria o ponto de apoio da nova cidade, preparada desde o início para a expansão nos territórios próximos.

O estratagema que Romolo usou para remediar essa deficiência foi muito engenhoso, depois de ter enviado mensagens aos povos vizinhos para se casar com suas filhas e ter recebido algum “nãos” , aparentemente resignado, decidiu convidá-los para uma festa em homenagem a Netuno equestre, o Consualia.

Quando todo mundo estava bêbado por causa das celebrações, ele ordenou que os jovens romanos sequestrassem todas as filhas da população que vieram, dando origem ao que aconteceu na história como o Rapito das Sabinas, em nome dos Sabines, um povo estacionado perto de Roma.

Com o passar do tempo, as mulheres sequestradas se apaixonaram por seus sequestradores e se certificaram de que havia paz entre os sabinos e os romanos.

Assim começou uma série de longas campanhas militares lideradas pelo rei Romolo que lentamente levaram Roma a expandir seu domínio, a ponto de tornar-se um perigo e uma ameaça para povos vizinhos como o etrusco, sobre o qual falaremos na próxima vez.

O fim de Romulus, como seu nascimento, é confundido entre mito e realidade.

Cada vez mais importante e poderoso Romulus após trinta e oito anos de reinado, ele foi levado para o céu enquanto revisava o exército, perto de Campo Marzio.

Esse evento milagroso fez que mais tarde fosse divinizado com o nome de Quirinus, filho de Marte e pai de Roma, do qual Quiriti nome com o qual os romanos se chamavam.

Uma lenda posterior conta como Romulus, agora Quirinus, apareceu a Proculus Julius, seu amigo e antigo ancestral de César, anunciando a futura grandeza de Roma.

Na realidade, o fim de Romulus foi muito mais triste, tornou-se cada vez mais despótico o suficiente para humilhar o Senado e seus membros, foi morto durante uma conspiração.

Bem, hoje encerramos nossa longa jornada, que nos levou a descobrir o início do nascimento de Roma, através do trabalho de seu fundador, entre o mito e a realidade. Na próxima semana, falaremos sobre os povos que habitavam a Itália antes dos romanos e depois retornaremos, rapidamente aos reis que reinaram em Roma até o nascimento da República.

Manolo D’Aiuto/Il Vero Italiano