CORONAVÍRUS

Médico infectologista orienta sobre cuidados com o frio neste momento de pandemia

Por: João Oliveira | Categoria: Saúde | 28-05-2020 13:24 | 696
Foto de Reprodução

São Sebastião do Paraíso bateu recorde de temperaturas baixas nesta semana com a chegada da massa de ar frio na região, tendo sido registrado uma temperatura de 2,5 graus. Com o frio, também se torna frequente o aumento de doenças relacionadas às questões respiratórias e, a mais temida delas neste momento em que vivemos: a gripe.

Segundo aponta o médico infectologista do município, José Carlos Costa Junior, com o ar mais seco, a e a tendência das pessoas em permanecer em ambientes fechados, isto favorece o aparecimento ou agravamento de várias doenças, entre essas as mais comuns são a rinite alérgica, asma, exacerbação de bronquite crônica ou DPOC ( doença pulmonar obstrutiva crônica ), sinusite, gripes e resfriados, pneumonia, meningite e amigdalite.

“Algumas medidas são recomendadas para a  população nesta época, entre elas evitar lugares aglomerados e/ou fechados; quando tossir, cobrir a boca e nariz; deixar a casa sempre arejada; lavar as mãos com água e sabão ou utilizar álcool em gel; evitar acúmulo de poeira e deixar as roupas de cama sempre limpas; tomar bastante água e uma alimentação balanceada e manter o cartão de vacinas atualizados e ficar atento com as campanhas e recomendações do Ministério da Saúde”, orienta.

Conforme o médico, neste ano estamos vivendo uma pandemia por uma doença viral também respiratória, a COVID 19. Diante disto, medidas mais rigorosas foram adotadas: evitar ao máximo sair de casa, manter distância entre as pessoas, uso de máscaras, intensificação na higienização das mãos.

“A população idosa e pessoas com comorbidades (problemas de coração, pulmão, insuficiência renal, diabetes, imunodeprimidos) merecem muita atenção porque elas têm maior chance de complicações. São elas que correm maior risco de hospitalização, necessidade de UTI e óbito em decorrência de doenças virais respiratórias como o COVID 19 ou Influenza (por exemplo H1N1). Gestantes e crianças pequenas também têm que ter um cuidado especial”, alerta o especialista.

GRIPE OU CORONAVÍRUS
Conforme explica o médico, com o início dos sintomas é difícil diferenciar uma gripe comum do coronavírus, pois o quadro pode ser parecido. Segundo ele, caso a pessoa sinta desconforto respiratório ou falta de ar, aumento da tosse ou agravamento da febre deve procurar uma unidade de pronto atendimento imediatamente.

“Com a avaliação médica e se necessário exames complementares é possível detectar complicações como o acometimento pulmonar e identificação do vírus - coronavírus - através de exames específicos (biologia molecular/PCR ou sorologia). Lembrar que os critérios para realização de PCR ou sorologias são estabelecidos por protocolos clínicos recomendados pelo Ministério da Saúde e Secretaria estadual de Saúde”.

Ele observa que em relação a idosos e crianças pequenas, eles podem apresentar sinais de gravidade inespecíficos como sonolência, irritabilidade, dificuldade respiratória, apatia com ou sem febre, neste caso devem também procurar atendimento. “Neste momento de pandemia e a chegada do frio é muito importante que a população fique tranquila e siga as recomendações das equipes de saúde e das autoridades sanitárias. Se cada um fizer a sua parte estaremos protegendo toda a comunidade”, completa.