POLEPOSITION

F1 terá campeonato atípico

Por: Sérgio Magalhães | Categoria: Esporte | 07-06-2020 11:50 | 373
F1 terá largada com duas corridas na Áustria, dias 5 e 12 de julho
F1 terá largada com duas corridas na Áustria, dias 5 e 12 de julho Foto de Leonhard Foeger / Reuters

Dentro de um mês a temporada da F1 que era para ter começado em 15 de março, na Austrália, dará a largada com dois GPs na Áustria. A Federação Internacional de Automobilismo divulgou nesta semana o calendário parcial com apenas oito corridas em 6 pistas - todas na Europa e com portões fechados - em dez finais de semana, começando pela Áustria nos dias 5 e 12 de julho, e na sequência Hungria, Inglaterra (também com rodada dupla em Silverstone), Espanha, Bélgica e Itália dia 6/09.

Oito é o mínimo de corridas necessárias para que o campeonato seja validado de acordo com o regulamento, mas a F1 precisa de pelo menos 15 GPs para que não haja quebra de contrato com as emissoras de TV e não tenha que pagar multas elevadas.

A Liberty Media, dona dos direitos comerciais da F1 mantém-se firme na proposta de realizar entre 15 e 18 corridas até o final do ano, mas não estabeleceu prazo para confirmação das demais etapas em outros continentes. Há certo receio de que a categoria possa correr apenas na Europa este ano, mas isso vai depender da posição dos governos de cada país diante da situação da pandemia. Os GPs da Austrália, Mônaco, França e Holanda já foram oficialmente cancelados, e os próximos devem ser os do Canadá e de Cingapura.

Há de se levar em conta que a partir de outubro torna-se praticamente inviável correr no Canadá por conta das baixas temperaturas. Nos Estados Unidos vai depender muito da situação da pandemia para que a corrida de Austin seja realizada, e no Circuito Hermanos Rodriguez, que deseja realizar a corrida, foi montado hospital de campanha para o tratamento da Covid-19 na Cidade do México.

Por aqui, os organizadores do GP do Brasil aguardam a divulgação do calendário para colocar os ingressos a venda(!); Eles podem estar sendo otimistas demais em realizar o evento com a presença de público numa cidade apontada como o epicentro da pandemia no país. Se a F1 vier para São Paulo com os portões fechados, já estará no lucro neste que pode até ser o último GP do Brasil, já que o contrato com a F1 termina neste ano.  

Calendário a parte, o fato é que a F1 tem uma grande chance de testar novos conceitos e formatos de final de semana de corrida já que estamos diante de uma temporada atípica. Mas também não se pode abusar com medidas que fere a competição como a idéia rejeitada pela Mercedes de se fazer uma mini corrida no sábado nas pistas que receberão duas provas seguidas, como formação do grid de largada da corrida do domingo.

Até aí nada contra, mas o formato desta mini corrida é que fere o espírito esportivo na minha modesta opinião. Uma das coisas que eu não gosto no automobilismo é do tal do "grid invertido". Vai contra a essência do esporte. Seria o mesmo que começar uma partida de futebol com o time mais fraco ganhando de 3 a 0 do mais forte. A posição de largada dessa mini corrida seria formada pela ordem inversa da classificação do Mundial, ou seja, o líder largaria em último, e o "lanterna" em primeiro, e assim por diante. 

Não acho legal punir os melhores, o que precisa é dar mais condições às equipes menores para que possam competir de forma mais justa e competitiva.

Há uma necessidade emergencial para que a temporada deste ano seja realizada sob risco de haver quebradeira entre algumas equipes, das quais a McLaren, que teve recusa de ajuda do governo britânico, anunciou que demitirá cerca de 1.400 funcionários, 70 deles ligados à equipe de F1, e a Williams, sem dinheiro e com o chapéu na mão, está à venda.

Indy no BandSports
Depois da Nascar, a F-Indy é a primeira a categoria de peso a começar a temporada nesta noite de sábado, às 21h com a etapa do Texas, e transmissão ao vivo do canal BandSports.