ENEM 2020

Ministério da Educação propõe três novas datas, participantes devem escolher

Por: João Oliveira | Categoria: Brasil | 14-06-2020 08:03 | 366
Foto de Reprodução

Longe de um fim, a polêmica envolvendo o Exame Nacional do Ensino Médio ganhou mais um capítulo nesta semana. Conforme divulgado pelo Ministério da Educação (MEC), os participantes do ENEM 2020, de forma voluntária, poderão votar em uma enquete sobre a escolha das datas para a realização da prova. A enquete será realizada entre os dias 20 e 30 de junho.

De acordo com o MEC, os inscritos terão três opções de datas para votar, distribuídas entre os meses de dezembro deste ano, janeiro ou maio de 2021, considerando o adiamento das provas em 30, 60 ou 180 dias das datas previstas em edital. A iniciativa, segundo justifica o MEC, é importante para dar oportunidade aos interessados de sugerirem o melhor período para a realização das provas e garantir transparência.

Durante o período da enquete, os inscritos deverão acessar a Página do Participante através do endereço enem. inep.gov.br, com CPF e senha utilizados no cadastro do portal único do Governo Federal, e indicar um dos períodos: Enem impresso: 6 e 13 de dezembro de 2020 e  Enem digital: 10 e 17 de janeiro de 2021; Enem impresso: 10 e 17 de janeiro de 2021 / Enem digital: 24 e 31 de janeiro de 2021; ou ainda Enem impresso: 2 e 9 de maio de 2021 / Enem digital: 16 e 23 de maio de 2021.

Conforme justifica o Ministério da Educação, "o adiamento nas datas de realização do Enem 2020 foi determinado pelo Ministério da Educação (MEC) e pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) em razão do impacto da pandemia do novo coronavírus. O Enem impresso estava previsto para os dias 1º e 8 de novembro, e o digital, para 22 e 29 do mesmo mês". Neste ano, segundo dados divulgados pelo MEC, o Enem contou com mais de 6 milhões de inscritos, sendo que a maioria, 65%, indicou que já havia concluído o ensino médio em anos anteriores. Outros 23% estão no terceiro ano e 12% são "treineiros", estudantes que fazem a prova para testar conhecimentos.

ENTENDA
O Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), com versão digital prevista para 11 e 18 de outubro e impresso para 1º e 8 de novembro, teve a sua situação prejudicada pela imprevisibilidade ocasionada pela pandemia da Covid 19. O Senado chegou a aprovar projeto de lei, por 75 votos contra um, que adiava as datas programadas para as provas, em contrapartida, o Ministério da Educação já havia informado que no final de junho faria consulta aos participantes para melhor definir uma data.

Após aprovação da lei, o Inep, responsável pela realização da prova, emitiu nota confirmando o adiamento da prova por um período de 30 a 60 dias. De acordo com Instituto, "atento às demandas da sociedade e às manifestações do Poder Legislativo em função do impacto da pandemia do coronavírus no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) e o Ministério da Educação (MEC) decidiram pelo adiamento da aplicação dos exames nas versões impressa e digital. As datas serão adiadas de 30 a 60 dias em relação ao que foi previsto nos editais".

Em Minas, o governador Romeu Zema também defendeu o adiamento das datas, acreditando que é o melhor a se fazer para evitar aglomerações, que podem agravar a situação da contaminação pelo coronavírus. No Estado ainda não há previsão de retorno das aulas, mas governador chegou a falar em suspensão pelo resto do ano, com retorno para 2021. Dada a situação, diversas frentes vinham lutando para que a prova fosse adiada para que houvesse justiça social, dada as diferenças de condições entre os alunos da rede particular e da rede estadual.