TERRA NOSTRA

Roma

Por: Manolo D´Aiuto | Categoria: Entretenimento | 17-06-2020 21:49 | 168
Foto de Reprodução

Bem-vindos de volta, amigos.

Agora Roma é uma república que estende seus domínios direta ou indiretamente da península Ibérica para a Grécia, passando pela África, até o poderoso reino do Egito é influenciado pelo poder de Roma.

Mas como era possível que em um período relativamente curto de tempo, uma pequena vila de pastores, ladrões e párias se tornasse a maior potência então conhecida?

As razões são muitas, o desejo inato de conquistar o povo romano, a sede de conhecimento, a necessidade de adquirir novos territórios e, principalmente, a busca de mão-de-obra na forma de escravos.

A economia romana foi fundada na escravidão; os escravos eram a força de trabalho que impulsionava o complexo mecanismo por trás da República.

No entanto, o romano era, em alguns aspectos, uma escravidão com alguns privilégios.

Em primeiro lugar, foi permitido aos escravos emanciparem-se, ou seja, se perderem dos cidadãos, isso significava que eles trabalhavam e os produziam de uma maneira melhor, a fim de obter sua liberdade.

Alguns deles se tornaram famosos nas artes e no comércio.

Esse modo de pensar, diferente, por exemplo, do egípcio, onde os escravos nasceram e morreram, fez com que todos cooperassem.

Claro que não foi nada fácil, eles ainda eram tratados como uma mercadoria, mas digamos que eram uma mercadoria preciosa.

Outro motivo foi pertencer a uma identidade nacional.

Quando os romanos começaram a conceder civitas romanas, ou cidadania, mesmo aos povos conquistados, um sentimento patriótico cresceu nessas populações, o que os fez sentir que pertenciam a algo grande e único.

Tolerância sem fim e engenharia que os romanos trouxeram durante suas conquistas.

Os romanos sempre foram extremamente tolerantes com os ritos e costumes dos povos conquistados, preferiram assimilar ao invés de sufocar, o que os tornou mais toleráveis   aos olhos dos povos derrotados; além disso, os romanos foram capazes de admiráveis   obras de engenharia que melhoraram a vida das nações conquistadas. significativamente, pense no complexo sistema de aquedutos que cobria todo o território da república ou na rede de comunicação rodoviária que ligava Roma a todas as principais cidades da época.

Mas esse poder crescente começou a minar a estabilidade da república.

Novas figuras, os generais, começaram a ter cada vez mais profundidade e domínio sobre o povo que minava a autoridade do Senado, sem mencionar que as plebes, que são de menor status social, os escravos não tinham o direito, começaram a reivindicar mais poder e digamos, em resumo, as bases estavam sendo lançadas para uma guerra social que inevitavelmente veio.

Os arquitetos eram duas figuras distintas, mas de gênio militar incomparável:

Gaius Mario, expoente do partido popular, homo novus, que não é da aristocracia romana e até nasceu em uma pequena cidade no sul da Lácio e filho de um trabalhador, contra Lucio Cornelio Silla, pertencente à nobre família Cornelii e empurrado pela facção patrício.

Mario liderou uma série de conquistas impressionantes para Roma, foi eleito cônsul sete vezes e casou-se com Julia, irmã de Júlio César, o futuro de Caio Júlio César.

Até Silla provou ser um comandante habilidoso, forçando até Partia, o império então mais poderoso conhecido por força militar, a uma paz favorável em Roma.

O pavio que desencadeou a guerra foi em 95 aC, no entanto, foi aprovada uma lei que decretava a expulsão de todos os que não eram cidadãos romanos, isto é, os que vieram de outras cidades italianas.

Em 91 aC - 88 aC Mario foi chamado para assumir, juntamente com Silla, o comando dos exércitos chamados para reprimir a perigosa revolta.

Após a guerra na Itália, uma nova frente se abriu na Ásia, onde Mitrídates, rei de Pontus, na tentativa de ampliar as fronteiras de seu reino para o oeste, invadiu a Grécia. Diante da escolha de confiar ou não o comando da inevitável guerra contra Mitrídates a Silla ou Mario, o Senado, a princípio, escolheu Silla. Mais tarde, no entanto, quando a tribuna da plebe Publio Sulpicio Rufo, apoiada por Mario, tentou aprovar uma lei para distribuir os aliados itálicos nas tribos da cidade, de modo a influenciar seus comícios com seu voto, surgiu um confronto no qual o filho do cônsul Quintus Pompeu Rufo encontrou a morte.

 

Silla, escapando da confusão, refugiou-se na casa do próprio Mario. Enquanto isso, a lei foi aprovada e as tribos que agora também continham os novos cidadãos aprovaram uma lei segundo a qual Mario foi encarregado da guerra contra Mitrídates. Enquanto isso, Silla se juntou ao exército em Nola e Mario enviou dois tribunos para levar o exército a Roma. Mas o exército matou os tribunos e Silla marchou com o exército sobre Roma. Mario na chegada de Silla deixou precipitadamente Roma, refugiando-se no exílio. Gnaeus Octavius   e Lucius Cornelius Cinna foram eleitos cônsules em 87 aC, enquanto Silla, nomeado procônsul, marchou para o leste com o exército.

Enquanto Silla conduzia sua campanha militar na Grécia, em Roma se intensificou o confronto entre a facção conservadora de Otávio, que permaneceu fiel a Silla, e a popular e radical de Cinna, resultando em confronto aberto. Nesse ponto, na tentativa de derrotar Octavius, Mario, junto com seu filho, retornou da África com um exército reunido lá e juntou forças com Cinna, que havia reunido tropas filomarianas ainda engajadas na Campânia contra o exército. últimos membros rebeldes. Os exércitos aliados entraram em Roma, de modo que Cinna foi eleita cônsul pela segunda vez e Mario pela sétima. Uma repressão feroz se seguiu contra os membros do partido conservador: Silla foi proscrita, suas casas destruídas e suas propriedades confiscadas. No entanto, no primeiro mês de seu mandato, aos 71 anos, Mario morreu.

Mais tarde, Cinna foi reeleita cônsul mais duas vezes, apenas para morrer, após um motim, enquanto estava a caminho da Grécia com o exército. O exército de Silla, depois de ter concluído com sucesso a campanha em Pontus, retornou à Itália aterrissando em Brindisi em 83 aC e derrotou o filho de Mario, Gaius Mario, o Jovem, que morreu em combate em Preneste, a cerca de 50 quilômetros de Roma. Caio Júlio César, neto da esposa de Mario, casou-se com uma das filhas de Cinna. Após o retorno de Silla a Roma, foi estabelecido um regime de restauração que perpetrou as repressões mais ferozes, tanto que Júlio César foi forçado a fugir para a Cilícia, onde permaneceu até a morte de Silla em 78 aC.

Em 88 aC, quando foi declarado inimigo público por Silla e forçado a fugir de Roma, Mario refugiou-se nos pântanos de Minturnae. Os magistrados locais decretaram sua morte nas mãos de um escravo cimbriano que, no entanto, se moveu com compaixão ou intimidado, não realizou a execução. O busto de bronze de Gaius Mario está atualmente localizado no município de Minturno. Plutarco, em Marium, escreveu que os Minturnesi, com compaixão, o ajudaram a embarcar no navio de Beleo, com destino à África.

Silla até sua morte em 78 aC ele governou o governo de Roma como ditador.

Após essa data, a república retornou, mas agora o sistema republicano havia sido minado por dentro e logo duas outras figuras teriam destruído completamente esse sistema:

Gneo Pompeo Magno e Caio Giulio Cesare.

Até a próxima vez

Ciao

Manolo D’Aiuto/Il Vero Italiano