GOLPE

Mulher disse ser vítima de golpistas que sacaram seu auxílio emergencial

Por: Roberto Nogueira | Categoria: Brasil | 20-06-2020 09:27 | 1424
Apesar de atrativo Auxilio Emergencial tem trazido problemas a alguns trabalhadores sem renda
Apesar de atrativo Auxilio Emergencial tem trazido problemas a alguns trabalhadores sem renda Foto de Divulgação

Uma mulher moradora de São Sebastião do Paraíso, entrou em contato com o Jornal do Sudoeste para relatar que foi vítima de alguma pessoa que agindo em seu nome sacou os R$600,00 da segunda parcela, de seu auxílio emergencial. Conforme o relato feito via e-mail ela fez contato com a Ouvidoria da Caixa Econômica Federal (CEF) e foi ressarcida, mas seu intuito é de alertar a tantas outras pessoas que podem ter se envolvido na mesma situação. “Enfim, infelizmente em tempos de pandemia, com tudo que estamos enfrentando, existem quadrilhas aproveitando para roubar o dinheiro da classe mais necessitada neste momento”, disse.

A mulher que pediu a produção de uma reportagem para alertar outras pessoas para que não caiam na mesma situação que ela teve de enfrentar. Assim como grande parte da população que se viu sem renda para se manter devido ao período da pandemia do coronavírus, a concessão do auxílio pelo governo passou a ser uma opção de complemento de renda. “Sou microempreendedora individual e estou recebendo o auxílio emergencial de 600 reais, a primeira parcela recebi corretamente”, conta.

O que ela não contava é que com a mudança de estratégia pela Caixa Econômica Federal que passou a fazer o pagamento a partir da segunda parcela somente a partir do aplicativo, e por meio de uma conta digital, viesse a ter dificuldades e problemas para receber. “Notei que a segunda parcela não caiu na minha conta no Banco do Brasil, onde indiquei e recebi a primeira vez”, observa. A constatação era só o início de uma questão que levou vários dias para se resolver.

Ao estranhar a situação na qual se encontrava a micro-empreendedora afirma ter ido atrás de seus interesses e direitos. “Depois de quase uma semana correndo atrás de respostas, consegui falar na ouvidoria da Caixa Econômica”, narra. Foi quando ela descobriu ter sido vítima de golpistas que têm se aproveitado de milhares de pessoas que, semelhante a ela podem ter tido um descuido ao apresentar dados pessoais na internet. “Descobri que alguém usou meus dados e acessou o aplicativo caixa tem para criar uma senha e usar uma conta eletrônica que foi aberta automaticamente pela caixa”, cita. “Provavelmente uma quadrilha ou um hacker utilizou meus documentos e meus dados e solicitou uma senha, cadastrando um e-mail que não era meu, após fazer isso, o dinheiro foi utilizado por isso não caiu na minha conta do BB na data agendada”, completa.

A mulher vítima de golpistas não se deixou abater e foi atrás de seus direitos. Ela informou que esteve na CEF para registrar o fato e solicitou o reembolso do valor da segunda parcela. “Pedi também o bloqueio dessa conta eletrônica a qual eu não tenho acesso”, ressalta. Preocupada a mulher acredita que teme por outras pessoas que tenham se envolvida na mesma situação. “Perguntei à atendente se aconteceram com outros, ela respondeu que sim. Portanto, infelizmente, estão havendo fraudes e roubo do Auxílio Emergencial de muita gente que precisa”. A mesma funcionária teria informado que o banco levaria todas as situações à polícia.

Ficou acordado entre o banco e a vítima que a mesma seria ressarcida nos dias seguintes. “Enfim, infelizmente em tempos de pandemia, com tudo que estamos enfrentando, existem quadrilhas aproveitando para roubar o dinheiro da classe mais necessitada neste momento”, finaliza.

CEF alerta para ações fraudulentas e dá dicas para movimentações seguras

A Caixa Econômica Federal, responsável pelo repasse do auxílio emergencial de R$ 600, orienta a população para que fique atenta às medidas de prevenção de fraudes e a forma de reconhecer os golpes. Através de sua assessoria de comunicação o banco também instrui a população quanto a forma de fazer a contestação, reconhecer os golpes através de páginas falsas de internet e tentativa de contatos.

A Caixa informa que a área de segurança do banco realiza o monitoramento e mapeamento de ocorrências em colaboração com os órgãos de Segurança Pública para coibir eventuais ocorrências de fraude. Segundo a CEF, um levantamento realizado no final de abril pela consultoria de segurança digital PSafe apontou a existência de 250 aplicativos falsos e 125 páginas maliciosas envolvendo o tema coronavírus e que os compartilhamentos de links para a aplicação de golpes atingiram a marca de 11 milhões. Também continuam sendo registradas diariamente por todo o Brasil prisões de pessoas individuais e quadrilhas que tem tentado se beneficiar de ações fraudulentas e criminosas contra beneficiários do Auxílio Emergencial.

Conforme levantamento, beneficiários do auxílio emergencial e até mesmo pessoas que ainda não receberam ou nem se quer pediram o benefício podem ser vítimas de golpes envolvendo a renda distribuída pelo governo durante a crise do coronavírus. Com alguns cuidados, porém, o cidadão pode reduzir bastante o risco de ter uma ou mais parcelas subtraídas por golpistas ou de ver o seu CPF utilizado em uma fraude envolvendo o auxílio emergencial, segundo a Caixa Econômica Federal, responsável por pagar o benefício.

Assim como em outras fraudes bancárias, o comportamento da vítima é o ponto fraco do sistema de segurança das instituições financeiras. Em geral, fraudadores tiram proveito da distração do usuário para fazer com que ele digite números de documentos, senhas e outros dados pessoais em sites ou aplicativos falsos. A recomendação é para quem pediu ou vai pedir o auxílio emergencial, certificar-se de estar usando apenas os canais remotos oficiais da Caixa (aplicativos Caixa Auxílio Emergencial e Caixa TEM, o site auxilio.caixa.gov.br) é a principal garantia de segurança.

O risco de sofrer um golpe, porém, não está restrito a pessoas que são levadas a utilizar sites e aplicativos que imitam os canais oficiais da Caixa. Propagandas de promoções aparentemente imperdíveis na internet podem levar o cidadão a clicar em links que abrem portas para a entrada de malwares, programas que roubam dados do computador do usuário. Com os dados do usuário, criminosos podem tentar fazer a inscrição no auxílio emergencial ou aplicar os mais diversos tipos de golpes eletrônicos.

A forma mais adequada de verificar se o CPF foi utilizado para pedir ou movimentar irregularmente o auxílio emergencial é realizar a consulta no site https://consultaauxilio.dataprev.gov.br/consulta/#/ , segundo a Data prev, empresa de tecnologia da Previdência que é responsável pelo sistema que analisa os cadastros de candidatos ao benefício.

Em nota a CEF afirmou que as medidas de distribuição de renda durante a pandemia consistem no maior programa de benefícios já implementado, em tempo recorde, sendo ainda o maior movimento de inclusão financeira, social e digital do País, com mais de 108 milhões de pagamentos realizados para 58,6 milhões de beneficiários, totali-zando mais de R$76 bilhões creditados.

O banco público informa ainda que o volume de fraudes é extremamente baixo frente aos volumes envolvidos, estando dentro do nível de segurança planejado para o processo.

Recursos
Se o beneficiário teve o dinheiro de uma ou mais parcelas desviadas por golpistas ou teve seu CPF utilizado de forma irregular, algumas medidas são recomendadas como registrar um boletim de ocorrência, fazer uma denúncia ao Ministério da Cidadania pelo telefone 121 e comunicar a fraude em uma das agências da Caixa. Se o cliente notar que ocorreu alguma fraude, deve fazer uma contestação pessoalmente em qualquer agência da Caixa.

A Caixa fará a análise da contestação e adotará as providências necessárias. Segundo o banco, o processo é avaliado no menor prazo possível, sendo que os beneficiários são devidamente ressarcidos quando é comprovado o saque fraudulento. A agência da Caixa entrará em contato com o cliente e estará à disposição para acompanhamento da solicitação e informações. Para evitar cair nesses golpes e ter dados roubados, é importante que o cidadão se utilize única e exclusivamente dos canais oficiais da Caixa ou do Governo para buscar informações e acessos aos serviços.

Por fim o banco esclarece que não envia SMS com link. Para se assegurar que as transações dos clientes sejam feitas com segurança, a Caixa utiliza diversos recursos para proteger as contas e operações financeiras. Mas apesar dos dispositivos de segurança nas plataformas digitais do banco, o cliente deve estar sempre atento a qualquer atividade e situação não usual, e principalmente não clicar em links recebidos por SMS, WhatsApp ou redes sociais para acesso a contas e valores a receber, desconfiando de informações sensacionalistas e de “oportunidades imperdíveis”. O banco reforça que qualquer tentativa de contato com o cidadão pode ser caracterizada como tentativa de fraude e deve ser des-considerada, bloqueada e reportada aos órgãos fiscalizadores competentes.