LINHA CHILENA

Ocorrência de Maria da Penha termina com apreensão de fábrica clandestina de linha chilena

Por: João Oliveira | Categoria: Polícia | 26-08-2020 09:51 | 924
Foto de Reprodução

Uma ocorrência inicialmente comunicada como Maria da Penha (agressão à mulher), no bairro Muschioni, na tarde desta terça-feira (25/8), terminou com a prisão de um homem, de 34 anos, pela prática de fabricação clandestina de linha chilena, um material ilegal com mais poder de corte que a linha cerol, comumente usada por jovens para soltar pipa.

Conforme informações da Polícia Militar, o suspeito mantinha a fábrica no quintal da casa de sua companheira, que não concordava com a fabricação do material, o que vinha gerando diversos conflitos entre o casal. Segundo a PM, ele teria chegado nervoso a residência e quebrado uma cadeira, além de xingar a mulher, motivo pelo qual a PM foi acionada.

No local, a mulher mostrou aos militares a fábrica de linha chilena, localizada nos fundos da sua residência, e os materiais que já estavam prontos. Segundo informou à polícia, cada carretel, de 500 metros, era vendido por cerca de R$ 20, sendo seus compradores, geralmente adultos de Paraíso e também de outras cidades.

O suspeito trabalhava como mototaxista e havia parado temporariamente com a fabricação da linha, tendo retomado a atividade alegando que, devido a pandemia, a venda da linha seria a única fonte de renda que possuía.

No momento em que a Polícia recolheu o material, ele não estava na residência, tendo sido preso posteriormente. O homem foi preso pelo crime de danos, injuria e fabricação ilegal de linha chilena. A linha era produzia com óxido de alumínio, um material mais perigoso que o pó de vidro utilizado por alguns jovens na produção de linha com cerol, ambos materiais ilegais. O suspeito foi preso e encaminhado a Delegacia de Polícia Civil.