SANTA CASA

Santa Casa passa por modernização de registro médico eletrônico

Por: João Oliveira | Categoria: Saúde | 26-08-2020 10:01 | 798
Equipe da Ti da Santa Casa de Misericordia de São Sebastião do Paraíso juntamente com equipe de consultores Tasy
Equipe da Ti da Santa Casa de Misericordia de São Sebastião do Paraíso juntamente com equipe de consultores Tasy Foto de Divulgação

A Santa Casa de Misericórdia de São Sebastião do Paraíso está em fase de implementação do sistema Tasy, que se trata de um EMR, sigla em inglês para Electronic Medical Record ou Registro Médico Eletrônico, no qual permeia todas os processos hospitalares, incluindo assistencial, suprimentos, controladoria, apoio e gerencial de forma integrada, ou seja, toda ação é refletida em outras áreas. Esta é uma conquista da nova administração do Hospital, que tem como provedor o empresário Fernando Alvarenga.

O novo sistema fará substituição ao sistema SPData e, conforme divulgado pelo Hospital, a implantação está sendo faseada para melhor aderência e entendimento dos processos tecnológicos. Conforme cronograma, na virada de dezembro de 2020 passa a integrara ao sistema a área de: atendimento (recepções), suprimentos, exames, financeiro, faturamento, contábil e fiscal. Na virada de junho de 2021, a previsão é que passe a integrar o novo sistema as áreas de: assistencial; suprimentos; faturamento e contabilidade; e em julho do mesmo ano, o Apoio.

A implantação está sendo acompanhada pela equipe de TI e usuários chaves, que terão a responsabilidade de absorver todo conteúdo tecnológico para disseminação na empresa. “Os ganhos com a migração para o novo sistema poderão ser evidenciados logo nos primeiros meses de virada, sendo demonstrados principalmente melhorias nos processos de atendimento ao cliente, gerando mais segurança e uma base histórica única para tomada de decisão.

Os processos financeiros e faturamento também contarão com funcionalidades que reduzem as perdas, melhoram o controle e podem trazer aumentos de receitas”, informou o Hospital.

Conforme a Santa Casa, o Tasy apoiará nas melhoras, mas é imprescindível o incondicional engajamento de toda equipe hospitalar tanto neste momento de implantação quanto no perene e correto andamento posterior de todo fluxo. A instituição ganhará com melhor controle, os colaboradores ganharão com mais ferramentas de auxílio no trabalho e o paciente ganhará com o reflexo na utilização de processos/protocolos mais definidos e seguros.

O SISTEMA
O sistema Tasy começou a ser idealizado no final da década de 1990 pela empresa catarinense WHEB SISTEMAS e começou a ter seus clientes hospitalares de forma mais massiva na década seguinte.

Em 2010, a Wheb Sistemas foi comprada pela gigante Multinacional holandesa Philips, com objetivo de inserir em seu já vasto portfólio de saúde (equipamentos de imagem, monitorização, respiração, entre outros) um sistema hospitalar robusto e amadurecido.

Diante disto, a Philips sofreu uma importante mudança em todo seu nicho de mercado, saindo de variedades eletroeletrônicas (televisores, lâmpadas) para segmentação healthcare, comercializando essencialmente produtos de saúde e bem-estar.

Hoje, a Philips tornou o Tasy um sistema internacional, possuindo mais de 1000 clientes no Brasil e Mundo. Países como Argentina, Colômbia, Austrália, Alemanha, Japão e outros já contam com a oferta do mesmo sistema que será utilizado em nossa instituição. Para atender o mercado global, foram realizadas melhorias de grande impacto, sendo exemplo a migração para a plataforma Web (HTML5), muito mais acessível, intuitiva, rápida e disponível do que as versões anteriores do software.

Ademais, algumas rotinas foram adequadas para padrões e conceitos internacionais. Foi o caso da Prescrição Médica, cujo desenvolvimento foi encabeçado e idealizado por médicos especialistas, agregando facilidades, segurança e apoio a decisão clínica, sendo o maior beneficiado o paciente. No Brasil, grandes centros hospitalares já fazem o uso do sistema Tasy. É o Caso do Hospital Sírio Libanês, Hospital Alemão Oswaldo Cruz, Beneficência Portuguesa de São Paulo, ICESP e outras centenas de clientes que contribuem para a melhoria do software indicando inovações.