TERRA NOSTRA

Renascimento

Por: Manolo D´Aiuto | Categoria: Mundo | 09-09-2020 00:53 | 52
Foto de Reprodução

Bom dia caros leitores, hoje deixaremos a Itália medieval para entrar em um dos períodos históricos mais prestigiosos da Península, o Renascimento.

Obviamente a passagem entre as duas épocas não pode ser remontada a uma data específica, de fatos como tudo, aconteceu aos poucos.

Mas se quisermos situá-lo, podemos dizer que se desenvolveu em meados do século XIV.

Por Renascimento italiano entendemos aquela civilização cultural e artística, que teve Florença como um dos principais centros onde se originou o primeiro humanismo florentino, afirmando o primado da vida ativa sobre a contemplativa.

Assim, o homem não coloca mais Deus e a igreja em primeiro plano, mas se coloca como advogado de seu próprio destino.

Politicamente, o Humanismo, como expressão da burguesia que consolidou sua herança e aspira ao poder político, é acompanhado na Itália pela transformação dos Municípios em Lordes, enquanto na Europa os desenvolvimentos do humanismo se inserem na formação de monarquias nacionais.

A Renascença é também uma época de florescimento particular das artes e letras, a primeira caracterizada pelo desenvolvimento de certas formas e técnicas, como perspectiva e pintura a óleo, e a segunda pela filologia e o culto da humanae litterae (literatura clássica inspirado no conceito de humanitas, do qual se origina o termo humanismo, livre das incrustações de divinae litterae medievais onde prevaleciam os interesses religiosos.

O homem da Renascença italiano tem verdadeiro prazer em desfrutar dos bens da vida e teme a morte como o fim de tudo, um nivelador que iguala todos os homens.

Este mito da morte, portanto, leva a outra característica desta época: a busca da glória com a qual tentamos garantir a sobrevivência além da morte.

Uma glória que alguns, ainda ligados ao espírito cavalheiresco medieval, procuram realizando grandes feitos de guerra, enquanto outros, “homens no-vos”, fixam a sua grandeza no mármore ou nos afrescos das paredes.

O retrato, que floresce nesta época, tem justamente o propósito de exaltar a pessoa e deixá-la viva na memória da posteridade.

Na obra de arte, tanto o rico patrono que desejou a obra na qual ele próprio continuará a viver quase fisicamente nas cores e no mármore, como sobretudo o artista que viverá para sempre na beleza, viverá uma vida imperecível. Ele fez. Um garantiu a memória da posteridade com seu dinheiro, o outro com sua arte. Mas, entre todas as formas de arte, a que garante a maior sobrevivência é a poesia que, como diz Francesco Petrarca, retomando Horácio, levanta monumentos que são mais duradouros que o bronze.

A ciência política também adquire novas conotações com Niccolò Macchiavelli e sua obra O Príncipe.

A “virtus” do soberano medieval, que governa pela graça de Deus e que deve responder a ele por sua ação política, visava também a defesa dos bons e a proteção dos fracos do mal. No Príncipe, nenhuma consideração moral ou religiosa terá que minar a ação inescrupulosa e forte que realiza sua “aretè” voltada para pôr ordem onde está o caos da política italiana do século XVI.

No entanto, a época do Renascimento não é ateísta, mas está permeada por uma religiosidade natural, Deus está na natureza que o homem deseja dominar recorrendo ao conhecimento ou à magia.

O saber medieval, se por um lado não estava isento de erros e superstições, por outro era enciclopédico, harmonioso, coordenado e orientado para Deus entendido como o ápice da verdade, quadro que une os vários saberes. Razão e fé andam de mãos dadas.

A ideia de construir um império cristão universal foi abandonada; pule o quadro religioso de referência, o quadro que mantém o mosaico de conhecimento e vida. O senso de estabilidade cultural e política está perdido.

Todo homem da Renascença tenderá a fazer de sua vida uma obra-prima, uma peça única, com proporções gigantescas como Michelangelo Buonarroti fará na escultura e na pintura, o Príncipe de Maquiavel na política, Leonardo com seu gênio inacabado.

O Renascimento italiano é, portanto, uma mistura de progresso cultural e artístico, mas também uma época de fortes contradições. A nova história está sempre ligada ao passado. Cada revolução é o resultado de uma lenta evolução que traz consigo a escória de uma época que já passou, da qual não se pode libertar completamente.

Precisamos deste pequeno preâmbulo para apresentar os fundamentos do Renascimento italiano.

A partir da próxima semana veremos especificamente o que acontece nas localidades desse fenômeno como Florença, Roma, Nápoles e Veneza, então falaremos sobre a Reforma Protestante e a consequente Contra-Reforma Católica e finalmente descobriremos gênios próximos como Michelangelo, Leonardo, Donatello, Caravaggio ...

Ciaoooooo.

Manolo D’Aiuto/Il
Vero Italiano