CURTAS DA EDIÇÃO 2439

Curtas

Por: Redação | Categoria: Cidades | 12-09-2020 09:04 | 256
Foto de Reprodução

Óleo de peroba
Assim que o Jornal do Sudoeste publicou em seu portal a notícia dando conta de pretensão do ex-prefeito Reminho Aloise que quer levar pela segunda vez de contrapeso, seu filho, Daniel Aloise, como vice na chapa pelo MDB partido ao qual estão filiados, as reações de internautas foram imediatas. Eleitos para a gestão 2013/2016 ambos abandonaram a administração meses antes do fim do mandato. Nas postagens, internautas não pouparam adjetivos pejorativos para desaprovar a pretensão do alcaide.

Na moita
Ao longo de todo este tempo, desde a renúncia, ficaram “na moita”, fora da vida pública, distantes da comunidade. Não se sabe com que propósito ou objetivo a pretensão de nova candidatura. Em vez de dirigir-se a comissão provisória do MDB dizendo de sua intenção, o alcaide que renunciou, entrou em contato com a direção estadual do partido, que por sua vez, fez seus gostos. Aves da mesma plumagem. Levando-se em conta a reação de internautas, Reminho levaria exemplar lavada.

Tropeços
Talvez não leve a lavada, porque mesmo com a hipótese de passar pela convenção do partido a ser realizada neste sábado (12/), poderá esbarrar em impedimentos previstos em lei, que segundo observadores impedem a candidatura. Um deles, por ter renunciado, quando na Câmara Municipal havia uma Comissão Parlamentar Processante em andamento. Investigava denúncias de desvios de verbas na área da Saúde, e má aplicação de recursos públicos. Este seria um provável tropeço.

Mais um
Outro obstáculo para o alcaide que renunciou, é que as contas do município, leia-se Prefeitura em 2015, quando estava prefeito, não passaram pelo Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais. E a Câmara Municipal de Paraíso referendou o entendimento do Tribunal. E a lei, também diz ser impedimento por tempo que ainda não transcorreu. É impedimento.

Memória
Servidores públicos municipais e aposentados, sem contar fornecedores lembram-se, sem dificuldades, das agruras vividas na gestão do alcaide que renunciou, principalmente em sua reta final. Atrasos nos pagamentos de salários, falta de crédito no comércio, enfim uma cidade praticamente falida que levou mais de ano para se recuperar.

INPAR
Em comunicado interno divulgado para seus integrantes, o INPAR (Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de São Sebastião do Paraíso) anunciou o pagamento de salários de agosto. Foram creditados na sexta-feira,11, aos aposentados, pensionistas e para aqueles que recebem auxílio doença de R$ 0,01 até R$ 4.000,00 em seu valor bruto. A medida atende a 465 beneficiário do total de 593, com recursos do patronal e servidores.

Reabertura do Fórum
O Fórum da comarca de São Sebastião do Paraíso deve reabrir a partir desta segunda-feira (14/9). A informação foi confirmada no final da tarde desta sexta-feira (11/9). Apesar de se ter certeza da volta do expediente até a conclusão desta edição, ainda não há detalhes a respeito de como serão os atendimentos.

Progressiva
Entretanto, desde agosto o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) tem retomado gradualmente os atendimentos presenciais, seguindo decisão que foi publicada no Diário Judiciário eletrônico. Incialmente, atendendo demandas urgentes que não podem ser resolvidas por meios eletrônicos, além de medidas de segurança com medição de temperatura e uso obrigatório de máscara.

Complemento
O governador Romeu Zema anunciou, nesta sexta-feira (11/9), ajuda financeira emergencial às famílias que vivem em situação de extrema pobreza em Minas Gerais. Batizado de Renda Minas, o programa vai atender famílias com renda per capita de até R$ 89 mensais, com o repasse médio de R$ 117, por família. Serão três parcelas do benefício. O programa de transferência de renda direto e temporário do governo estadual servirá como um complemento à ajuda emergencial da União, que foi estendida até dezembro, no valor de R$ 300.

Consumidor
Sexta-feira, 11 de setembro, o Código de Defesa do Consumidor (CDC), completou 30 anos de existência. Desde sua criação sempre se trabalhou através dele a diminuição dos preços, a geração de empregos e o crescimento da economia. Justamente agora neste momento que deveria ser de comemoração, está novamente o consumidor, a população, o trabalhador e as pessoas de maneira geral envoltas a uma crise da explosão dos preços dos produtos que compõem a cesta básica.

Vetado
Considerado meses atrás uma vitória para os entes municipalistas a aprovação do projeto que muda a distribuição da receita obtida pela União com a comercialização de petróleo e gás natural em área de pré-sal sob regime de partilha, sofreu um revés nesta semana. Atualmente, 100% do que o governo ganha com o pré-sal é direcionado ao Fundo Social, que financia a educação pública, a cultura, esporte, saúde pública, ciência e tecnologia e o meio ambiente. O projeto mudava o direcionamento de metade desse valor, destinando 30% para fundos de Participação dos Estados (FPE) e de Participação dos Municípios (FPM) e os outros 20% para o Brasduto - pontos que acabaram vetados.