• Dos Leitores •

Perguntas sobre suicídio

Por: Redação | Categoria: Do leitor | 16-09-2020 02:09 | 1396
Foto de Reprodução

Procurem ajuda do Centro de Atenção Psico Social- CAPS.

Existem muitos equívocos e mal-entendidos sobre o suicídio. Aqui estão às respostas para algumas das perguntas mais comuns que o Centro de Atenção Psico Social - CAPS recebe.

Por que as pessoas se matam?
Não há uma resposta única para esta pergunta. Existem muitos fatores, como eventos traumáticos e difíceis na vida, que podem contribuir para o risco de suicídio. No entanto, cerca de 90% das pessoas que se suicidam têm um problema de saúde mental, como transtorno depressivo, transtorno bipolar, transtorno de ansiedade, esquizofrenia ou transtorno do uso de substâncias. Os indivíduos com transtornos de-pressivos estão especialmente sobrisco de suicídio, mas esse risco não é avassalador. A maioria das pessoas que vivem com um transtorno depressivo ou outras doenças mentais pode receber ajuda por meio de conscientização, educação e tratamento. A fonte mais comum de risco de suicídio é quando uma condição de saúde mental é maltratada ou deixada sem tratamento.

Com que frequência ocorre suicídios?
De acordo com as estatísticas mais recentes do Centro de Atenção Psico Social -CAPS, o suicídio é responsável por quase 45 mil mortes no Brasil a cada ano - uma média de 123 por dia. Estima se que, em 2018, quase 10 milhões de brasileiros adultos pensaram seriamente em acabar com a vida, quase três milhões fizeram um plano de suicídio e 1,3 milhão tentaram o suicídio.

Como posso saber se alguém está pensando em suicídio?
Você pode procurar sinais de alerta de suicídio relacionados à maneira como a pessoa está falando ou agindo. No entanto, nem sempre é óbvia que alguém está em risco, então a melhor maneira de saber se alguém está pensando em suicídio é perguntando.

Se eu perguntar a alguém se está pensando em suicídio, isso colocará a ideia em sua cabeça?
Não. Pesquisas descobriram que perguntar a alguém se ela está tendo pensamentos suicidas não lhes dá tendências suicidas. O risco real é não falar sobre suicídio com alguém que pode estar em crise.

O que devo dizer a alguém que tem pensamentos suicidas?
Existem várias maneiras de falar com um parente, amigo, colega de trabalho ou conhecido que está pensando em suicídio. Para começar, consulte o CAPS sobre como iniciar um diálogo com alguém, fazer as perguntas certas e saber o que dizer e fazer com base no que você aprendeu com a conversa.

Uma pessoa corre maior risco de tentar o suicídio se tiver sido exposta ao suicídio na família ou se um amigo próximo morreu por suicídio?
É possível. Para pessoas sem um problema de saúde mental, ser exposto à tentativa de suicídio de um membro da família ou amigo geralmente não aumenta o risco de suicídio na ausência de outros fatores de risco, como abuso de substâncias, trauma, abuso ou uma doença física grave. No entanto, para pessoas com problemas de saúde mental, ser exposto à tentativa de suicídio de um familiar ou amigo pode colocá-los em maior risco de tentativa de suicídio.

As pessoas tentam o suicídio para provar algo ou obter simpatia?
Não. Uma tentativa de suicídio é um sinal de que alguém está em crise. Deve sempre ser levado a sério e nunca ignorado. Sem intervenção e tratamento adequado, uma pessoa que tentou o suicídio corre o risco de tentar o suicídio novamente.

Por que as pessoas tentam o suicídio quando parecem se sentir melhor?
Às vezes, uma pessoa que tem pensamentos suicidas não tem energia suficiente para tentar. Eles podem recuperar um pouco de energia, mas seus sentimentos de desesperança permanecem, e o aumento do nível de energia pode contribuir para agir sobre os sentimentos suicidas. Outra teoria propõe que uma pessoa pode “ceder” a seus sentimentos de desesperança. Isso alivia um pouco da ansiedade, o que os faz parecer mais calmos no período que antecede a tentativa de suicídio. A lição mais importante é manter um diálogo aberto com alguém que recentemente esteve em crise; nunca presuma que esses sentimentos foram embora.

Se uma pessoa está decidida, ela ainda pode ser parada?
Sim. Nunca desista de alguém que está pensando em suicídio, mesmo que ele diga que já se decidiu. Uma pessoa determinada a tentar o suicídio frequentemente experimenta sentimentos de desesperança e um desejo de parar com seu sofrimento. Você pode ajudar uma pessoa em crise dando-lhe esperança e ajudando-a a recuperar a perspectiva, o que pode diminuir seus pensamentos suicidas ou impedi-la de tentar o suicídio.

Que medidas posso tomar para evitar que alguém tente o suicídio?
Confira a página de prevenção de suicídio CAPS para obter informações sobre como buscar ajuda obter tratamento, reduzir o acesso de alguém a meios letais de suicídio e muito mais.

 

Centro de Atenção Psicossocial – CAPS

Quando minha mãe adoeceu minhas tias me telefonaram em BH que eu teria que vir para São Sebastião do Paraíso, queira sim ou queira não, que eu era o único filho e que teria que assumir os cuidados de minha mãe. Como eu já estava muito desgastado psicologicamente com o meu trabalho no Instituto Nacional da Reforma Agrária/INCRA – SRO6 e já estava em tratamento psiquiátrico, não pensei duas vezes, estou indo e vai ser sem volta.

Vendi meu apartamento encaixotei algumas coisas, vendi outras doei algumas e parti. Fazia trinta e quatro anos que morava em Belo Horizonte, mas vim embora. Aqui chegando, em casa lá trabalhava a Eni que também fazia parte da família, contratamos mais duas pessoas para nos ajudar.

Eu continuei tomando meus remédios, e foi uma fase excelente da minha vida, mas infelizmente minha mãe veio a falecer. Depois disso eu perdi as coordenadas, fiquei completamente descompensado, fiquei um ano e meio sem sair de casa, perdi completamente o senso, desorientei a tal ponto que atentei contra minha vida por três vezes, fui internado em hospital psiquiátrico, mas só piorei.

Um dia fui mandado para fazer tratamento no CAPS.  A principio relutei em ir, mas acabei indo, lá comecei a ter assistência psicológica e psiquiátrica, ser tratado com todo carinho e respeito e fui equilibrando. Eu tinha direito a uma ótima aposentadoria, mas devido ao meu estado mental, não importava com isso.

Depois dessa revigorada um primo meu que se chama Mel-chior, a quem devo muito, passou lá em casa e disse que ia me aposentar, o tramite foi rapidinho ai eu estava aposentado.

Tudo isso devo aos psiquiatras, psicólogos e demais funcionários do CAPS, que eu considero a forma mais avançada para cuidar da saúde mental. Estou lá recebendo saúde e alegria há três anos e se permitirem, quero ficar pelo resto da minha vida e é esse o motivo de ainda estar residindo aqui.

Hoje sou um homem feliz, muito feliz.

Carlinhos Rodrigues - Escrevi esse artigo há mais ou menos cinco anos e sinto bem em compartilhar