EMPRESAS E EMPRESÁRIOS

Oziel da Silva Rosa, diretor da Marcenaria Paula, confiante que a economia será alavancada

Por: Nelson de Paula Duarte | Categoria: Comércio | 06-10-2020 09:44 | 1564
 Oziel da Silva Rosa e sua Luzia de Oliveira
Oziel da Silva Rosa e sua Luzia de Oliveira Foto de Nelson P. Duarte

Tradicional em São Sebastião do Paraíso, a Marcenaria Paula foi fundada em 1997 por Clélio Marques de Paula, e por muitos anos funcionou na rua Aníbal Muschioni, bairro Mocoquinha, em frente onde havia a Casa de Orações. Em 2010 dois novos sócios se integraram à empresa,  Júnior César Ferreira e Oziel da Silva Rosa.

Novas mudanças aconteceram no quadro societário em curto período, com a saída de Júnior e Clélio em 2011. Clélio montou oficina em um sítio se dedicando a fabricar móveis rústicos e em madeira maciça.  “Eu não tive interesse em continuar na sociedade e onde estávamos instalados. Fiquei com a linha de armários  planejados para cozinha, quarto, banheiro armários modulados, residencial, comercial, de tudo um pouco”, explica Oziel que desde novembro de 2011 tem como sócia sua esposa Luzia de Oliveira.

A Marcenaria Paula então foi transferida para um barracão na rua Geraldo Pelúcio, 960, Jardim Planalto, ao lado de uma das lagoas no San Genaro, a princípio alugado,  adquirido posteriormente. “Tenho vontade de crescer expandir. Passo a passo, já cresci muito. Deus me dá saúde e corro atrás” salienta Oziel.

Nesses nove anos se dedicando a fabricar móveis planejados, a Marcenaria Paula além de Paraíso e cidades da região, tem atendido clientes de Ribeirão Preto, Mococa, Pirassununga, dentre outros municípios paulistas. “Não tenho vendedores, e a procura pelo nosso trabalho se deve em grande parte, à propaganda feita “boca em boca” por clientes que tenho desde que comecei com a marcenaria, que nos indicam, e pela qualidade do que produzimos”, explica. Outra fonte de divulgação são páginas em redes sociais onde com ajuda de sua filha, Bruna Oliveira Silva, são expostos móveis produzidos pela Marcenaria Paula.

Sobre matéria prima utilizada nos planejados, o carro chefe é o MDF que substitui a madeira maciça. A sigla é a abreviatura de um termo em inglês “ Medium Density Fiberboard” que, trocando em miúdos se trata de uma chapa de madeira de fibra de média densidade, produzida a partir de um processo de aglutinação com a ajuda de resinas sintéticas e aditivos. As chapas são colocadas uma sobre as outras e fixadas através de pressão.

“Trabalhamos com o melhor MDF, o que tem mais consistência, sendo de qualidade superior. Tive oportunidade de ver o processo de fabricação desde o corte da madeira até a compactação”, explica Oziel.

Natural de Jacuí onde trabalhou em serviços de roça, capinou e colheu café, Oziel mudou-se para São Sebastião do Paraíso e cursou Contabilidade. “O ser humano é muito capaz  só que precisamos explorar essa capacidade”, diz, ao se definir como “persistente e corajoso”.

Nas voltas que o mundo dá, começou como ajudante de marcenaria na empresa Multimov. “Graças a Deus tive professores excelentes” salienta, ao mencionar os  empresários  José D’arc  da Costa e Zélia Aparecida Costa, diretores da Multimov, onde trabalhou por doze anos, inicialmente como ajudante na marcenaria, depois atendimento à obras e chegou a chefe de produção.

Dedicando-se à sua empresa Oziel tem uma jornada que inclui ir aos locais das obras, tirar medidas, desenvolver projetos concebidos por arquitetas, além também fazer “seus rabiscos” e criar novos modelos. “O gostoso do planejado é isto, sempre vivenciando novas situações, além de uma jornada que normalmente vai até à noite, quando tenho mais tempo para fazer orçamentos”, explica.

A Marcenaria Paula emprega diretamente 12 colaboradores, entre funcionários fixos e prestadores. Com o volume de serviços que temos, eu conseguiria gerar mais empregos, produzir mais, ter maior faturamento, isso se tivesse um espaço maior, onde também conseguiria qualificar mão de obra. “Meu espaço está ficando pequeno, e não me permite”, afirma.

Oziel faz parte da diretoria da ACISSP – Associação Comercial, Industrial, Agropecuária e Serviços de São Sebastião do Paraíso.  Participou do Empreender, programa da Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil, implantado em Paraíso por iniciativa da ACISSP. “Aprendi, designei, tracei metas foi muito proveitoso”, disse. 

O diretor da Marcenaria Paula destaca o apoio, respaldo, e orientações oferecidas pela ACISSP aos seus associados. “A gente paga um pequeno valor e temos uma grande contrapartida da Associação, segura e confiável, que precisa ser cada vez mais fortalecida”. 

Faço o que eu puder para melhorar para mim, e também de uma maneira geral, pensando coletivamente, mas infelizmente alguns empresários  não se conscientizaram que a união faz a força, diz Oziel.  Cita como exemplo o segmento em que atua. “Em Paraíso existem em torno de 40 marcenarias. Se nos unirmos, vamos conseguir ganhar na compra de matérias primas, além de outros benefícios. Já tentei trazer cursos profissionalizantes, falei com fornecedores que se propuseram vir aqui, mas não houve demanda”, conta .

Ainda sobre sua atividade, ele lembra que um dos problemas enfrentados é achar aproveitamento para os descartes, sobras de matérias primas, e se houvesse união entre proprietários de marcenarias, o custo seria menor para cada um.  “Em nossa empresa fizemos diagnóstico ambiental o processo de destinação,  e hoje tenho descarte correto, feito on-line e isso é vinculado ao alvará de trabalho”. É material combustível, pode ser utilizado indústrias que têm caldeiras, sendo necessário para isso a utilização de filtro que poderia ser adquirido em parte com recursos na união de marcenarias.

Em seu processo de crescimento a Marcenaria Paula utiliza energia solar. O que é produzido com as placas adquiridas é suficiente para a demanda da marcenaria, da residência de Oziel e a sobra é vendida para a Cemig.

Ressaltando  que sua produção não foi afetada neste período de pandemia, Oziel explica que não ficou sequer um dia sem serviço, não dispensou funcionários.  “Tenho muita esperança que as coisas vão melhorar, e muito. Estou atento porque o reflexo pode vir no ano que vem. Mas estou muito confiante que a economia será alavancada, não vão deixar a peteca cair”.